Pesquisar este blog

Páginas

sexta-feira, 8 de julho de 2016

EVANGELHO ESSENCIAL 15 # FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO*

*EVANGELHO ESSENCIAL 15*
Eulaide Lins
Luiz Scalzitti

*15 - FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO*
Quando o filho do homem vier em sua majestade, acompanhado de todos os anjos, sentar-se-á no trono de sua glória; - reunidas diante dele todas as nações, separará uns dos outros, como o pastor separa dos bodes as ovelhas, - e colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: vinde, benditos de meu Pai, tomem posse do reino que lhes foi preparado desde o princípio do mundo; - porque, tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; careci de teto e me hospedastes; - estive nu e me vestistes; achei-me doente e me visitastes; estive preso e me fostes ver. Então, responder-lhe-ão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? - Quando foi que te vimos sem teto e te hospedamos; ou despido e te vestimos? – E quando foi que te soubemos doente ou preso e fomos visitar-te? – O Rei lhes responderá: Em verdade lhes digo, todas as vezes que isso fizestes a um destes mais pequeninos dos meus irmãos, foi a mim mesmo que o fizestes. Dirá em seguida aos que estiverem à sua esquerda: Afastem-se de mim, malditos; vão para o fogo eterno, que foi preparado para o diabo e seus anjos; - porque, tive fome e não me deste de comer, tive sede e não me deste de beber; precisei de teto e não me agasalhaste; estive sem roupa e não me vestiste; estive doente e no cárcere e não me visitaste. Também eles responderão: Senhor, quando foi que te vimos com fome e não te demos de comer, com sede e não te demos de beber, sem teto ou sem roupa, doente ou preso e não te assistimos? - Ele então lhes responderá: Em verdade lhes digo: todas as vezes que faltaste com a assistência a um destes mais pequenos, deixaste de tê-la para comigo mesmo. E esses irão para o suplício eterno, e os justos para a vida eterna. (S. MATEUS, cap. XXV, vv. 31 a 46.)
Então, levantando-se, disse-lhe um doutor da lei para o tentar: Mestre, que preciso fazer para possuir a vida eterna? - Respondeu-lhe Jesus: Que é o que está escrito na lei? Que é o que lês nela? - Ele respondeu: Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, com todas as tuas forças e de todo o teu espírito, e a teu próximo como a ti mesmo. - Disse-lhe Jesus: Respondeste muito bem; faças isso e viverás. Mas, o homem, querendo parecer que era um justo, diz a Jesus: Quem é o meu próximo? - Jesus, tomando a palavra, lhe diz: Um homem, que descia de Jerusalém para Jericó, caiu em poder de ladrões, que o despojaram, cobriram de ferimentos e se foram, deixando-o semimorto. – Aconteceu em seguida que um sacerdote, descendo pelo mesmo caminho, o viu e passou adiante. –Um levita, que também veio àquele lugar, tendo-o observado, passou igualmente adiante. - Mas, um samaritano que viajava, chegando ao lugar onde jazia aquele homem e tendo-o visto, foi tocado de compaixão. - Aproximou-se dele, deitou-lhe óleo e vinho nas feridas e as enfaixou; depois, pondo-o no seu cavalo, levou-o a uma hospedaria e cuidou dele. - No dia seguinte tirou dois denários e os deu ao hospedeiro, dizendo: Trata muito bem deste homem e tudo o que despenderes a mais, eu te pagarei quando regressar. Qual desses três te parece ter sido o próximo daquele que caíra em poder dos ladrões? - O doutor respondeu: Aquele que usou de misericórdia para com ele. - Então vai, diz Jesus, e faz o mesmo. (S. LUCAS, cap. X, vv. 25 a 37.)
*O de que precisa o Espírito para ser salvo. Parábola do bom samaritano.*
Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho. Em todos os seus ensinamentos, ele aponta essas duas virtudes como sendo as que conduzem à eterna felicidade: Bem-aventurados os pobres de espírito, os humildes, porque deles é o reino dos céus;
* * *
Humildade e caridade, eis o que não cessa Jesus de recomendar e de dá o exemplo. Orgulho e egoísmo, o que não se cansa de combater. E não se limita a recomendar a caridade; põe-na claramente e em termos explícitos como condição absoluta da felicidade futura.
* * *
No quadro que Jesus traçou do juízo final, como em muitas outras coisas, deve-se separar o que é apenas linguagem figurada, alegoria.
Para homens, como os a quem falava, ainda incapazes de compreender as questões puramente espirituais, tinha de apresentar imagens materiais chocantes e próprias a impressionar. Para melhor apreenderem o que dizia, tinha mesmo de não se afastar muito das ideias correntes, quanto à forma, reservando sempre ao futuro a verdadeira interpretação de suas palavras e dos pontos sobre os quais não podia explicar-se claramente. Mas, ao lado da parte acessória ou figurada do quadro, há uma ideia dominante: a da felicidade reservada ao justo e da infelicidade que espera o mau.
* * *
Jesus não considera a caridade apenas como uma das condições para a salvação, mas como condição única. Se outras houvessem a serem preenchidas, ele as teria indicado.
*O mandamento maior*
Mas, os fariseus, tendo sabido que ele calara a boca aos saduceus, se reuniram; e um deles, que era doutor da lei, foi propor-lhe esta questão, para o tentar: -Mestre, qual o grande mandamento da lei?
- Jesus lhe respondeu: Amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito. - Esse o maior e o primeiro mandamento. - E aqui está o segundo, que é semelhante ao primeiro: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se encontram contidos nesses dois mandamentos. (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)
Caridade e humildade, tal a via única da salvação. Egoísmo e orgulho, a da perdição. Este ensinamento se encontra formulado nestas precisas palavras: "Amarás a Deus de toda a tua alma e a teu próximo como a ti mesmo; toda a lei e os profetas estão contidos nesses dois mandamentos." E, para que não haja equívoco sobre a interpretação do amor de Deus e do próximo, acrescenta: E aqui está o segundo mandamento que é semelhante ao primeiro, isto é, “que não se pode verdadeiramente amar a Deus sem amar o próximo, nem amar o próximo sem amar a Deus”. Logo, tudo o que se faça contra o próximo é o mesmo que fazê-lo contra Deus. Não podendo amar a Deus, sem praticar a caridade para com o próximo, todos os deveres do homem se resumem neste ensinamento moral: *FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO.*
* * *
*Necessidade da caridade, segundo S. Paulo*
Ainda quando eu falasse todas as línguas dos homens e a língua dos próprios anjos, se eu não tiver caridade, serei como o bronze que soa e um sino que toca; -ainda quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse todos os mistérios, e tivesse perfeita ciência de todas as coisas; ainda quando tivesse a fé possível, até o ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. - E, quando houver distribuído os meus bens para alimentar os pobres e houvesse entregado meu corpo para ser queimado, se não tivesse caridade, tudo isso de nada me serviria. A caridade é paciente; é branda e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária, nem precipitada; não se enche de orgulho; - não é desdenhosa; não cuida de seus interesses; não se agasta, nem se azeda com coisa alguma; não suspeita mal; não se rejubila com a injustiça, mas se rejubila com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre. Agora, estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade permanecem; mas, dentre elas, a mais excelente é a caridade (S. PAULO, 1ª Epístola aos Coríntios, cap. XIII, vv. 1 a 7 e 13.)
De tal modo compreendeu Paulo, o apóstolo, essa grande verdade, que disse: Quando mesmo eu tivesse a linguagem dos anjos; quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse em todos os mistérios; quando tivesse toda a fé possível, até ao ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. Dentre estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade, a mais excelente é a caridade. Coloca assim, sem equívoco, a caridade acima até da fé. É que a caridade está ao alcance de todos: do ignorante, do sábio, do rico, do pobre, e independe de qualquer crença particular. Faz mais: define a verdadeira caridade, mostra-a não só na beneficência, como também no conjunto de todas as qualidades do coração, na bondade e na benevolência para com o próximo.
* * *
*Fora da Igreja não há salvação. Fora da verdade não há salvação*
Enquanto a máxima - Fora da caridade não há salvação – se apoia num princípio universal e abre a todos os filhos de Deus acesso à suprema felicidade, o dogma - Fora da Igreja, não há salvação – exclusivo e absoluto – se apoia, não na fé fundamental em Deus e na imortalidade da alma, fé comum a todas as religiões, porém numa fé especial, em dogmas particulares. Longe de unir os filhos de Deus, separa-os; em vez de estimulá-los ao amor de seus irmãos, alimenta e aprova a irritação entre sectários dos diferentes cultos que reciprocamente se consideram malditos na eternidade, embora sejam parentes e amigos esses sectários. Desprezando a grande lei de igualdade perante o túmulo, ele os afasta uns dos outros, até no cemitério.
* * *
A máxima - Fora da caridade não há salvação consagra o princípio da igualdade perante Deus e da liberdade de consciência. Tendo-a por norma, todos os homens são irmãos e, qualquer que seja a maneira por que adorem o Criador, eles se estendem as mãos e oram uns pelos outros. Com o dogma - Fora da Igreja não há salvação, reprovam-se energicamente e se perseguem reciprocamente, vivendo como inimigos; o pai não pede pelo filho, nem o filho pelo pai, nem o amigo pelo amigo, desde que mutuamente se consideram condenados sem remissão. É um dogma essencialmente contrário aos ensinamentos do Cristo e à lei evangélica.
* * *
Fora da verdade não há salvação equivaleria ao Fora da Igreja não há salvação e seria igualmente exclusivo, porque nenhuma seita existe que não pretenda ter o privilégio da verdade. Que homem se pode vangloriar de a possuir integral, quando o âmbito dos conhecimentos incessantemente se alarga e todos os dias se retificam as idéias?
* * *
A verdade absoluta é patrimônio unicamente de Espíritos da categoria mais elevada e a Humanidade terrena não poderia pretender possuí-la, porque não lhe é dado saber tudo. Ela somente pode aspirar a uma verdade relativa e proporcionada ao seu adiantamento.
* * *
Se Deus houvera feito da posse da verdade absoluta condição expressa da felicidade futura, teria proferido uma sentença de banimento geral, ao passo que a caridade, mesmo na sua mais ampla significação, podem todos praticá-la. O Espiritismo, de acordo com o Evangelho, admitindo a salvação para todos, independente de qualquer crença, contanto que a lei de Deus seja observada, não diz: *Fora do Espiritismo não há salvação*; e, como não pretende ensinar ainda toda a verdade, também não diz: Fora da verdade não há salvação, pois que esta máxima separaria em lugar de unir e perpetuaria os antagonismos.
*INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS*
*Fora da caridade não há salvação*
*Paulo, o apóstolo –Paris,1860*
Meus filhos, na máxima: Fora da caridade não há salvação, estão encerrados os destinos dos homens, na Terra e no céu; na Terra, porque à sombra dessa bandeira eles viverão em paz; no céu, porque os que a houverem praticado encontrarão graças diante do Senhor.
* * *
Nada exprime com mais exatidão o pensamento de Jesus, nada resume tão bem os deveres do homem, como essa máxima de ordem divina. Não poderia o Espiritismo provar melhor a sua origem, do que apresentando-a como regra, por isso que é um reflexo do mais puro Cristianismo. Levando-a por guia, nunca o homem se desviará.
* * *
Dediquem-se, assim, meus amigos, a compreender o sentido profundo e as consequências, a descobrir-lhe, por si mesmos, todas as suas aplicações.
* * *
Submetam todas as suas ações ao controle da caridade e a consciência lhes responderá. Não só ela evitará que pratiquem o mal, como também fará que pratiquem o bem, porque uma virtude negativa não basta: é necessária uma virtude ativa.
* * *
Para fazer-se o bem, é preciso sempre a ação da vontade; para não praticar o mal, bastam frequentemente a inércia e a indiferença.
* * *
Meus amigos, agradeçam a Deus haver permitido que pudessem desfrutar da luz do Espiritismo. Não é que somente os que a possuem hajam de ser salvos; é que, ajudando-lhes a compreender os ensinos do Cristo, ela os faz melhores cristãos. Esforcem-se para que os seus irmãos, observando-os, sejam induzidos a reconhecer que verdadeiro espírita e verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, dado que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus, qualquer que seja a crença a que pertençam.
*COMENTÁRIO*
*FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO*
De todo o ensinamento que Jesus nos deixou precisamos dar a este muita atenção. E todos nós ficamos alardeando a nossa caridade, a nossa atividade junto às pessoas carentes, Espíritos como nós em jornada de aprendizado e evolução. Sabemos todos que não somos a perfeição. Sabemos que estamos nesta Terra para aprendizagem, e assim como alunos nas escolas, possuímos além dos pontos falhos, virtudes a serem adquiridas. Podemos estar aprendendo, mas temos também o que oferecer em aprendizado. E a pobreza não é falha, mas antes prova a que nos submetemos, para teste de nosso aprendizado, ou para dobrar nosso orgulho. Assim como na escola não cabe ao professor preconizar o futuro do aluno, mas dar a ele todo o possível para que seja bem sucedido, pelo menos não negando o conhecimento, e cobrando dele o estudo sério, não cabe a nós seres humanos julgar as pessoas, espíritos encarnados, nas suas dificuldades, mas oferecer-lhes o que de melhor temos. Possibilitando-lhes enfrentar as dificuldades com sustendo material, espiritual, e acima de tudo, com muito AMOR.
Sim, amor, para damos às pessoas em todos os momentos, especialmente em situação adversa na matéria, e até mesmo quando impossibilitadas de enfrentar os seus obstáculos, seja pela fraqueza material, seja pela fraqueza de Espírito, se não tivermos amor, nada mais nada menos estaremos fazendo do que transferir aquilo que não é nossa propriedade mas, devemos nos lembrar que na Terra somos todos usufrutuários da natureza. E tudo o de que encontramos aqui, deixaremos ao partir, e como tudo aqui é conquista do Espírito, nada será transferível por herança. E, todos temos algum exemplo, pessoas de nosso meio que depois de desencarnados os seus pais, perderam toda a fortuna, pois não lhes cabendo direito da conquista, então perdem-na. Assim, devemos como na passagem evangélica muito conhecida acima, nos preocupar com a partilha dos nossos recursos, sermos solidários. Fazermos o benefício sem alarde e mesmo sem interesse outro que não o de poder servir. Tudo o que fizermos a um dos que necessitam, estaremos fazendo a nós mesmos, pois já pararam para pensar que somos viajores da eternidade e que precisamos experimentar de todos os obstáculos possíveis para que nos tornemos mais dóceis, mais indulgentes, mais fraternos? Caridade e humildade, único caminho para a alegria e felicidade permanente, egoísmo e orgulho, o caminho mais curto para a dor e sofrimento. Reflitamos muito sobre esta questão, pois seremos avaliados pelas nossas obras e assim como procedermos ao nosso próximo, seremos recebidos pelos mesmos. Ou seja, se com amor e carinho, e acima de tudo solidários, influxos de carinho e amor nos envolverão pelas preces em agradecimento aos seus benfeitores, do contrário, poderemos colher pensamentos e atitudes vingativos, a indiferença e o frio da solidão.
Quanto mais fazemos aos que nos rodeiam felizes, mais sentimos felicidade e paz íntimas.