Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 31 de outubro de 2015


ceuinferno_075_2a. partecap. VII - Espíritos Endurecidos - Lapommeray
ESTUDO

(Bordeaux, 1862)

Este Espírito se apresenta espontaneamente ao médium, e reclama preces.
O que vos levou a pedir preces? 

- R. Estou cansado de perambular sem objetivo. 

– Há muito tempo estais nessa posição? 

– R. Cento e oitenta anos mais ou menos. 

– Que fizeste sobre a Terra? 

– R. Nada de bom. 

Qual é a vossa posição entre os Espíritos? 

– R. Estou entre os entediados. 

– Isso não forma uma categoria. 

– R. Tudo forma categoria entre nós. Cada sensação encontra os seus semelhantes, ou seus simpáticos se reúnem. 

Por que, se não estáveis condenado ao sofrimento, ficastes tão longo tempo sem avançar?

– R. Estava condenado ao tédio, que é um sofrimento entre nós; tudo que não é alegria, é dor. 

– Fostes forçado, pois, a permanecer errante, apesar de vós? 

– R. Essas são causas muito sutis para a vossa inteligência material. 

– Tentai fazer-me compreendê-las; e isso será um começo de utilidade para vós. 

– R. Eu não poderia, não tendo termo de comparação. Uma vida extinta sobre a Terra deixa o Espírito que não a aproveitou, o que o fogo deixa ao papel que consumiu: faíscas, que lembram as cinzas ainda unidas entre elas, quais foram a causa de seu nascimento, ou se queres, da destruição do papel. Essas faíscas são a lembrança dos laços terrestres que sulcam o Espírito, até que haja dispersado as cinzas de seu corpo. Só então se reencontra, essência etérea, e deseja o progresso. 

Que pôde vos ocasionar o tédio que lamentais? 

– R. Conseqüência da existência. O tédio é o filho da falta de obras; eu não soube empregar os longos anos que passei sobre a Terra, e a sua conseqüência se fez sentir no nosso mundo. 

Os Espíritos que como vós erram em prova ao tédio, não podem fazer cessar esse estado quando querem? 

– R. Não, nem sempre o podem, porque o tédio paralisa a sua vontade, sofrem as conseqüências de sua existência; foram inúteis, não tiveram nenhuma iniciativa, não encontram nenhum concurso entre eles. São abandonados a si mesmos, até que a lassidão desse estado os fará desejar mudá-lo; então, à menor vontade que desperte neles, encontram o apoio e os bons conselhos para ajudar os seus esforços e perseverar. 

Podeis dizer-me alguma coisa sobre a sua vida terrestre? 

– R. Ai de mim! Bem pouca coisa, deves compreendê-lo. O tédio, a inutilidade, a falta de obras provém da preguiça; a preguiça é mãe da ignorância. 

As vossas existências anteriores não vos fizeram avançar? 

R. – Sim, todas, mas muito fracamente, porque todas foram o reflexo umas das outras. Há sempre progresso, mas tão pouco sensível, que nos é inapreciável. 

Esperando que recomeceis uma outra existência, quereis vir mais frequentemente junto a mim? 

– R. Chamai-me para a isso constranger-me; prestar-me-eis serviço. 

Podeis dizer-me por quê vossa escrita muda com freqüência? 

– R. Porque perguntas muito; isto me fatiga, tenho necessidade de ajuda. 

O guia do médium. É o trabalho da inteligência que o fatiga e que nos obriga a prestar-lhe o nosso concurso, para que possa responder às tuas perguntas. É um desocupado do mundo dos Espíritos, como o foi no mundo terrestre. Nós o conduzimos a ti para tentar tirá-lo da apatia e desse tédio que é um verdadeiro sofrimento, mais penoso, às vezes, que os sofrimentos agudos, porque pode se prolongar indefinidamente. Imagina a tortura da perspectiva de um tédio sem fim? São a maioria dos Espíritos dessa categoria que não procuram uma existência terrestre senão como distração, e para romper a insuportável monotonia de sua existência espiritual; também ao chegam com freqüência, sem resoluções combinadas para o bem; é por isso que têm de recomeçar, até que, enfim, o progresso real se faça sentir neles. 

QUESTÒES PROPOSTAS PARA ESTUDO

1. O que levou este Espírito a pedir as preces?

2. Aqueles Espíritos que também erram em prova ao tédio, podem fazê-lo cessar quando querem?

3. Por que a escrita dele muda com tanta freqüência?

4. Qual o objetivo dos Espíritos superiores em levar este Espírito para entrar em contato com o médium?

5. Segundo o guia do médium, de quem é composta essa categoria de “Espíritos entediados”?


Estudo em andamento

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

ceuinferno_074_2a. partecap. VII - Espíritos Endurecidos - Angèle, nulidade sobre a Terra

TEXTO PARA ESTUDO

ANGÈLE, nulidade sobre a Terra (Bordéus, 1862)

Com este nome, um Espírito se apresentou espontaneamente ao médium.

1. - Arrependei-vos das vossas faltas?

R. Não. - P. Então por que me procurais?

R. Para experimentar.

P. Acaso não sois feliz?

R. Não. - P. Sofreis?

R. Não.

P. Que vos falta, pois?

R. A paz.

Nota - Certos Espíritos só consideram sofrimento o que lhes lembra as suas dores físicas, convindo, não obstante, ser intolerável o seu estado moral.

2. - Como pode faltar-vos a paz na vida espiritual?

R. Uma mágoa do passado.

P. A mágoa do passado é remorso; estareis, pois, arrependida?

R. Não; temor do futuro é o que experimento.

P. Que temeis?

R. O desconhecido.

3. - Estais disposta a dizer-me o que fizestes na última encarnação? Isso talvez me facilite a orientar-vos.

R. Nada.

4. - Qual a vossa posição social?

R. Mediana.

P. Fostes casada?

R. Sim; fui esposa e mãe.

P. E cumpristes zelosa os deveres decorrentes desse duplo encargo?

R. Não; meu marido entediava-me, bem como meus filhos.

5. - E de que modo preenchestes a existência?

R. Divertindo-me em solteira e enfadando-me como mulher.

P. Quais eram as vossas ocupações?

R. Nenhuma.

P. E quem cuidava da vossa casa?

R. A criada.

6. - Não será cabível atribuir a essa inércia a causa dos vossos pesares e temores?

R. Talvez tenhais razão. Mas não basta concordar.

P. Quereis reparar a inutilidade dessa existência e auxiliar os Espíritos sofredores que nos cercam?

R. Como?

P. Ajudando-os a aperfeiçoarem-se pelos vossos conselhos e pelas vossas preces.

R. Eu não sei orar.

P. Fá-lo-emos juntos e aprendereis. Sim?

R. Não.

P. Mas por quê?

R. Cansa.

Instruções do guia do médium

Damos-te instrução, facultando-te o conhecimento prático dos diversos estados de sofrimento, bem como da situação dos Espíritos condenados à expiação das próprias faltas.

Angèle era uma dessas criaturas sem iniciativa, cuja existência é tão inútil a si como ao próximo. Amando apenas o prazer, incapaz de procurar no estudo, no cumprimento dos deveres domésticos e sociais as únicas satisfações do coração, que fazem o encanto da vida, porque são de todas as épocas, ela não pôde empregar a juventude senão em distrações frívolas; e quando deveres mais sérios se lhe impuseram, já o mundo se lhe havia feito um vácuo, porque vazio também estava o seu coração. Sem faltas graves, mas também sem méritos, ela fez a infelicidade do marido, comprometendo pela sua incúria e desleixo o futuro dos próprios filhos.

Deturpou-lhes o coração e os sentimentos, já por seu exemplo, já pelo abandono em que os deixou, entregues a fâmulos, que ela nem sequer se dava ao trabalho de escolher. A sua existência foi improfícua e, por isso mesmo, culposa, visto que o mal é oriundo da negligência do bem. Ficai bem certos de que não basta abstervos de faltas: é preciso praticar as virtudes que lhes são opostas. 

Estudai os ensinamentos do Senhor; meditai-os e compenetrai-vos de que eles, se vos fazem estacar na senda do mal, também vos impõem voltar atrás, a fim de tomardes o caminho oposto que conduz ao bem. O mal é a antítese do bem; logo, quem quiser evitar o primeiro deve seguir o segundo, sem o qual a vida se torna nula, mortas as suas obras, e Deus, nosso pai, não é o Deus dos mortos, mas dos vivos.

- P. Ser-me-á permitido saber qual teria sido a penúltima existência de Angèle?

A última deveria ter sido conseqüência dela, isto é, da penúltima.

- R. Ela viveu na indolência beatífica, na inutilidade da vida monástica. Preguiçosa e egoísta por gosto, quis experimentar a vida doméstica, mas seu Espírito pouco progrediu.

Sempre repeliu a voz íntima que lhe apontava o perigo, e, como a propensão era suave, preferiu abandonar-se a ela, a fazer um esforço para sustá-la em começo. 

Hoje ainda compreende o perigo dessa neutralidade, mas não se sente com forças para tentar o mínimo esforço. Orai por ela, procurai despertá-la e fazer que seus olhos se abram à luz. É um dever, e dever algum se despreza. 

O homem foi criado para a atividade; a atividade do Espírito é da sua própria essência; e a do corpo, uma necessidade.

Cumpri, portanto, as prescrições da existência, como Espírito votado à paz eterna. A serviço do Espírito, o corpo mais não é que máquina submetida à inteligência: trabalhai, cultivai, portanto, a inteligência, para que dê salutar impulso ao instrumento que deve auxiliá-la no cumprimento de sua missão. Não lhe concedais tréguas nem repouso, tendo em mente que essa paz a que aspirais não vos será concedida senão pelo trabalho. Assim, quanto mais protelardes este, tanto mais durará para vós a ansiedade de espera.

Trabalhai, trabalhai incessantemente; cumpri todos os deveres sem exceção, isto com zelo, com coragem, com perseverança.

A fé vos alentará. Todo aquele que desempenha conscientemente o papel mais ingrato e vil da vossa sociedade, é cem vezes mais elevado aos olhos do Onipotente do que aquele que, impondo esse papel aos outros, despreza o seu.

Tudo é degrau que dá acesso ao céu: não quebreis a lápide sob os pés e contai com o concurso de amigos que vos estendem a mão, sustentáculos que são dos que vão haurir suas forças na crença do Senhor.

Monod.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

1.Por que o trabalho é tão importante ao espírito?

2.Em que consiste a Lei do Trabalho? 

Consulta recomendada: Livro dos Espíritos, parte 3 - Das Leis Morais

Conclusão:

1. Em se tratando do espírito encarnado ou desencarnado, a Lei funciona de igual modo, o que muda é o relativo ao corpo físico quando somos novamente apenas espíritos:

"O trabalho é lei da Natureza, por isso mesmo que constitui uma necessidade, e a civilização obriga o homem a trabalhar mais, porque lhe aumenta as necessidades e os gozos." (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, questão 674.)
"Com efeito, o homem tem por missão trabalhar pela melhoria material do planeta. 

Cabe-lhe desobstruí-lo, saneá-lo, dispô-lo para receber um dia toda a população que a sua extensão comporta. Para alimentar essa população que cresce incessantemente, preciso se faz aumentar a produção. Se a produção de um país é insuficiente, será necessário buscá-la fora. Por isso mesmo, as relações entre os povos constituem uma necessidade. A fim de mais as facilitar, cumpre sejam destruídos os obstáculos materiais que os separam e tornadas mais rápidas as comunicações. Para trabalhos que são obra dos séculos, teve o homem de extrair os materiais até das entranhas da terra; procurou na Ciência os meios de os executar com maior segurança e rapidez. 

Mas, para os levar a efeito, precisa de recursos: a necessidade fê-lo criar a riqueza,
 como o fez descobrir a Ciência. A atividade que esses mesmos trabalhos impõem lhe amplia e desenvolve a inteligência, e essa inteligência que se concentra, primeiro, na satisfação das necessidades materiais, o ajudará mais tarde a compreender as grandes verdades morais. Sendo a riqueza o meio primordial de execução, sem ela não mais grandes trabalhos, nem atividade, nem estimulante, nem pesquisas. Com razão, pois, é a riqueza considerada elemento de progresso." (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, cap. XVI, item 7.)

2. DA LEI DO TRABALHO

A necessidade do trabalho é lei da natureza, isto é, é intrínseco no homem ter que trabalhar, para desenvolver o seu potencial intelectual e moral. Tanto é trabalho o do corpo quanto o da inteligência e, como resultado, temos uma aplicação moral desse trabalho, revertendo para o próprio indivíduo e para aqueles que o cercam, aumentando o seu património material e espiritual, do qual deve usufruir para a sua felicidade.

Enquanto o trabalho animal é puramente instintivo e condicionado, o do homem é racional e criativo, permitindo-lhe desenvolver os seus potenciais divinos, pois não visa apenas a conservação do corpo e os bens materiais. O homem evoluído faz do trabalho um meio para atingir os seus fins espirituais de socialização.

O trabalho existe em função das necessidades que, quanto menos materiais forem mais, inclinam o homem para um trabalho menos penoso sob o ponto de vista físico. 

As necessidades materiais exigem um trabalho material, as espirituais um espiritual.

Quanto mais meios o homem possui para a sua manutenção e sustento mais obrigação moral tem de ser útil aos semelhantes, pois usar o que possui só para o seu gozo, caracteriza-o como egoísta e involuído. A posse de bens que extrapolem as suas necessidades obriga-o a ser útil aos semelhantes, sob pena de converter-se num entrave para o progresso moral e social do meio e da sociedade em que vive, podendo, de futuro, encontrar-se impossibilitado de desenvolver uma função voluntariamente desprezada, tendo que viver às expensas do trabalho alheio, sofrendo o peso dos limites que ele mesmo procurou.

Na sociedade actual, o trabalho dos pais a favor dos filhos (de uma maneira geral de uma geração anterior para uma sucessora) deve receber, como recíproca, uma acção de ajuda mútua, estabelecendo uma cadeia natural de trocas, que estabilize a sociedade. O mais velho ajudando a criança a ser adulta; esta, alcançando a maturidade e o seu mais alto potencial produtivo, deverá ajudar e amparar os que por ela tanto fizeram, e voltar-se também para as novas gerações, que precisam de ajuda e exemplos, e assim sucessivamente. 

LIMITE DO TRABALHO - REPOUSO

O repouso, além de ter um papel na reparação das energias físicas, também serve como elemento importante na indução do espírito a procurar a liberdade da inteligência, alcançando a vertente da criatividade, fugindo, assim, do estreito anel das condições reflexas e limitantes de um trabalho rotineiro.

O limite do trabalho é o das forças e todo o abuso que se cometa será considerado suicídio indirecto, se for autonomamente imposto pelo próprio interessado, ou escravidão vil, se da responsabilidade de um terceiro. Tanto uma como a outra atitude configuram uma transgressão da lei de Deus.

Num meio social que leva em conta a lei de produção e consumo uma faixa etária nova é responsável pelo trabalho que assegura o bem-estar dos mais velhos, que já não podem produzir, mas que têm o direito de viver e gozar dignamente a sua velhice, e também é responsável pela educação dos mais novos, que se prepararam para contribuir a favor da sociedade e do mundo.

Por isso é que a lei da reprodução é importante na manutenção deste fluxo interminável, do qual são geradas as sociedades e a própria humanidade. (fonte: Portal do espírito)

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Entre a Terra e o Céu_12_Estudando Sempre

CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo
 Sala Virtual de Estudos Nosso Lar
Estudo das obras de André Luiz


Livro: Entre a Terra e o Céu
Capítulo XII - Estudando Sempre

Resumo do Capítulo

(...)

Voltando da excursão ao Lar da Bênção, os nossos conhecidos benfeitores levam Antonina e sua companheira de volta aos respectivos lares...

Antonina mostrava-se calada, tristonha...  Estava com o pensamento ainda ligado ao filhinho que ficara no plano espiritual.  Todavia, em penetrando o estreito santuário familiar, dirigiu-se apressadamente ao quarto, de coração novamente atraído para os outros filhinhos.

O Ministro, paternal, fê-la deitar-se e aplicou-lhe recursos magnéticos sobre os centros corticais.
A mãezinha de Marcos demonstrou experimentar leve e doce vertigem...

Atendendo ao orientador, demoramo-nos em observação, notando que a Antonina de nossa maravilhosa viagem aderira ao corpo denso, qual se fora por ele sugada, à maneira de formosa mulher, de forma sutil e semilúcida, repentinamente engolida por bainha de sombra.   Em se justapondo ao cérebro físico, perdera a acuidade mental com que se caracterizava junto de nós.  Com a fisionomia calma e feliz, despertou no veículo pesado...

Contudo, Antonina não mais nos viu.

Era agora simplesmente a mulher humana, nas cobertas agasalhantes do leito, acomodada à escuridão do recinto.

Lembrava-se, sim, do passeio ao Lar da Bênção, mas através de impressões a se esfumarem, rápidas.
Só a imagem do filhinho, tema central do seu amor, lhe persistia clara e movimentada na memória...

Nossa presença e todas as demais particularidades do vôo sublime lhe acudira à lembrança por acessórios fantásticos a se lhe perderem nos obscuros escaninhos da imaginação.

(...)

...Das valiosas observações de Clarêncio, em poucos minutos não lhe restava na alma qualquer reminiscência.

Antonina movimentou-se, fez luz e ouvimo-la pensar, vibrante: - "Oh! Meu Deus, que alegria! pude vê-lo perfeitamente! quero guardar a recordação deste sonho divino!... Marcos, Marcos, que saudade, meu filho!..."

O Ministro abeirou-se dela, acariciou-lhe a cabeça, como se a envolvesse em fluídos calmantes e a simpática senhora restabeleceu a sombra no recinto.

Abraçando a caçula que repousava ao seu lado, novamente dormiu.

--- Nossa amiga não poderá guardar positivas recordações – informou Clarêncio, com atenção.

--- Mas por quê? - indagou Hilário, admirado.

--- Raros espíritos estão habilitados a viver na Terra, com as visões da vida eterna.  A penumbra interior é o clima que lhes é necessário.  A exata lembrança para ela redundaria em saudade mortal.

(...)

--- Cada estágio na vida se caracteriza por finalidades especiais.  O mel é saboroso néctar para a criança, mas não deve ser ministrado indiscriminadamente. Reclama dosagem para não vir a ser importuno laxativo. O contato com o reino espiritual, enquanto nos demoramos no envoltório terrestre, não pode ser dilatado em toda a extensão, para que nossa alma não afrouxe o interesse de lutar dignamente, até o fim do corpo.  Antonina lembrar-se-á de nossa excursão, mas de modo vago, como quem traz no campo vivo da alma um belo quadro de esbatidos contornos.

Recordar-se-á, porém, do filhinho mais vivamente, o bastante para sentir-se reconfortada e convicta de que Marcos a espera na vida maior.

Semelhante certeza ser-lhe-á doce alimento ao coração.

(...)

Clarêncio convidou-nos a socorrer o velhinho que nos aguardava.

Dormitava o ancião numa velha cadeira.

--- Será sono? perguntou Hilário, mais novo que eu na vida do Além.

--- Sim, confirmou o instrutor, benevolente ---, na fase em que se encontra, Leonardo subordina-se a todos os fenômenos da existência vulgar.

Não prescinde, assim, do repouso para refazer-se.

Examinamo-lo mais detidamente.

Sem dúvida, o ancião trazia um veículo semelhante ao nosso, segundo os princípios organogênicos que presidem à constituição do corpo espiritual, contudo, mostrava-se tão pesado e tão denso como se ainda envergasse a túnica de carne.

(...)

O Ministro explicou:

--- O psicossoma ou o perispírito da definição espírita não é idêntico de maneira absoluta em todos nós, assim como, na realidade, não existem dois corpos físicos totalmente iguais.  Cada criatura vive num carro celular diferente, apesar das peças semelhantes, impostas pela lei das formas.  No círculo de matéria densa, sofre a alma encarnada os efeitos da herança recolhida dos pais, entretanto, na essência, a lei da herança funciona invariavelmente do indivíduo para ele mesmo.  Detemos tão somente o que seja exclusivamente nosso ou aquilo que buscamos.  Renascemos na Terra, junto daqueles que se afinam com o nosso modo de ser.  O dipsômano não adquire o hábito desregrado dos pais, mas sim, quase sempre, ele mesmo já se confiava ao vício do álcool, antes de renascer.  E há beberrões desencarnados que se aderem àqueles que se fazem instrumentos deles próprios.

....
--- A hereditariedade é dirigida por princípios de natureza espiritual.

Se os filhos encontram os pais de que precisam, os pais recebem da vida os filhos que procuram.

Lembrei-me repentinamente de alguns dos grandes gênios da humanidade que produziram filhos monstruosos ou medíocres.  Mas vindo ao encontro do meu pensamento, o orientador observou:

--- No campo das grandes virtudes, os pais usam, por vezes, a compaixão reedificante, empenhando-se em tarefas de sacrifício.  Temos no mundo mulheres e homens admiráveis que, consolidando qualidades superiores na própria alma, se dispõem a buscar afetos que permanecem à distância, no passado, em tentativas heróicas de auxílio e reajustamento.

(...)

--- Na família consangüínea ou na família humana, obtemos o que buscamos.

Quem á acertou as próprias contas com a justiça, pode confiar-se aos sublimes rasgos do amor.

(...)

--- Conforme a vida de nossa mente, assim vive nosso corpo espiritual.

Nosso amigo entregou-se, demasiado, às criações interiores do tédio, ódio, desencanto, aflição e condensou semelhantes forças em si mesmo, coagulando-as, desse modo, no veículo que lhe serve às manifestações.

Daí, esse aspecto escuro e pastoso que apresenta.  Nossas obras ficam conosco.  Somos herdeiros de nós mesmos.

--- Mas... e se nosso irmão trabalhasse?  se depois da morte procurasse conjugar o verbo servir ? --- inquiriu meu colega, preocupado.

--- Ah! Indiscutivelmente o trabalho renova qualquer posição mental.

Gerando novos motivos de elevação e novos fatores de auxílio, o serviço estabelece caminhos outros que realmente funcionam como recursos de libertação.  Por isso mesmo, o constante apelo do Senhor à ação e à fraternidade se estende, junto de nós, diariamente, através de mil modos...  Todavia, quando não nos devotamos ao trabalho, enquanto nos demoramos na vestimenta terrestre, mais difícil se faz para nós a superação dos obstáculos mentais, porque a indolência trazida do mundo é tóxico cristalizante de nossas idéias, fixando-as, por vezes, durante tempo indefinível.  Se pretendemos possuir um psicossoma sutilizado, capaz de reter a luz dos nossos melhores ideais, é imprescindível descondensá-lo, pela sublimação incessante de nossa mente, que precisará, então, centralizar-se no esforço infatigável do bem.  É para esse fim que o Pai Celestial nos concede a dor e a luta, a provação e o sofrimento, únicos elementos reparadores, suscetíveis de produzir em nós o reajuste necessário, quando nos pomos em desacordo com a Lei.

(...)

Clarêncio lembrou que para socorrer o ancião ensandecido não dispensaríamos algum trabalho de análise da mente, e, porque semelhante serviço demandaria talvez a cooperação de companheiros encarnados, que não deviam ser incomodados na paisagem diurna, o Ministro convocou-nos à retirada.
O prosseguimento da tarefa assistencial, desse modo, Foi marcado para a noite seguinte.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

1.  Comente a afirmação de A. L.: "... Em se justapondo ao cérebro físico.
Perdera a acuidade mental com que se caracterizava junto de nós. Com a fisionomia calma e feliz, despertou no veículo pesado..."   Porque a acuidade mental é maior quando o espírito se encontra fora do corpo físico?

2. Porque não nos é permitido guardar a lembrança do que se passa conosco durante o sono?  Explique.

3. Porque o ancião, desencarnado, necessitava ainda do sono, como se estivesse no corpo material?

4. De que maneira o nosso modo de vida influencia o nosso psicossoma ou perispírito, isto é, o nosso corpo espiritual?

5. O que Clarêncio quis dizer quando afirma:

a) No círculo de matéria densa, sofre a alma encarnada os efeitos da herança recolhida dos pais, entretanto, na essência, a lei da herança funciona invariavelmente do indivíduo para ele mesmo. Detemos tão somente o que seja exclusivamente nosso ou aquilo que buscamos...”

b)" A hereditariedade é dirigida por princípios de natureza espiritual.
Se os filhos encontram os pais de que precisam, os pais recebem da vida os filhos que procuram."

6. Qual o valor do trabalho, segundo a explicação do Ministro Clarêncio?

7. Porque, para socorrer o ancião desequilibrado, seria necessária a cooperação de companheiros encarnados?

Conclusão:

Retornando da visita à Casa da Bênção, Clarêncio, André Luiz e Hilário regressaram ao lar de Antonina, restituindo-a ao veículo físico que se encontrava em repouso, através do  sono.  Aguardando os benfeitores, lá se encontrava Leonardo, o ancião, avô da dona da casa, que se encontrava em lamentável estado de desequilíbrio espiritual. A equipe de benfeitores de início, então, ao processo de socorro, como houvera planejado antes da viagem.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

1.- Comente a afirmação de André Luiz:  "... Em se justapondo ao cérebro físico.perdera a acuidade mental com que se caracterizava junto de nós. Com a fisionomia calma e feliz, despertou no veículo pesado...".  Por que a acuidade mental é maior quando o espírito se encontra fora do corpo físico?

A matéria de que é constituído o nosso corpo físico ainda é bastante grosseira, conseqüência do estágio evolutivo em que se encontra o Planeta. O fluido cósmico universal da Terra é denso, o que o faz gerar uma matéria  igualmente  de alta densidade. Como resultado, temos que o corpo grosseiro que os espíritos aqui reencarnantes habitam enfraquece as faculdades de que são portadores, embaraçando-lhes o exercício. É como um vidro opaco ofuscando a irradiação da luz, conforme comparação dos Espíritos. Sendo assim, nossas faculdades mentais se manifestam mais livremente nos momentos de emancipação da alma pelo sono físico, ocasião em que se libera dos embaraços da matéria.

2. Por que não nos é permitido guardar a lembrança do que se passa conosco durante o sono?  Explique.

Pelas mesmas razões expostas na questão acima.  Como é pesada e grosseira  a  matéria  que  compõe  o  nosso organismo fisiológico, o espírito não pode exercer plenamente suas faculdades quando em vigília, posto que estas ficam embaraçadas pela densidade da matéria. Por isso, raramente os órgãos físicos conservam as impressões que o espírito recebeu no período de liberdade parcial, porque essas impressões não chegaram por meio dos órgãos corporais, mas através dos órgãos espirituais.

3. Por que o ancião, desencarnado, necessitava ainda do sono, como se estivesse no corpo material?

Leonardo, o ancião personagem desse capítulo, encontrava-se com seu psiquismo direcionado para o ódio, sustentando aflitivo desejo de vingança contra um desafeto do passado. Com isso, seu corpo perispiritual se apresentava pesado e denso, como se ainda estivesse na carne. Essa circunstância o fazia sentir sensações inerentes ao espírito encarnado, no caso, o sono. Trata-se de reminiscência da vida física, da qual ainda não conseguira se despojar.  A fadiga sentida  por espírito desencarnado é conseqüência do seu grau de inferioridade. À medida que o espírito se eleva, vai deixando de sentir a necessidade de repousar.

 4. De que maneira o nosso modo de vida influencia o nosso psicossoma ou perispírito, isto é, o nosso corpo espiritual?

O perispírito é um organismo que tem plasticidade, constituído de matéria semi-fluídica, vibrátil, regido pela mente. Dessa forma, a maneira como nos portamos, os nossos atos e os nossos pensamentos constituem os fatores que vão delinear o corpo perispiritual, tornando-o mais ou menos denso, sublimado ou danificado. Por sua vez, sendo o chamado "modelo organizador biológico", é o órgão responsável pela plasmação do corpo físico que  iremos  vestir  ao  reencarnarmos, demonstrando o quanto é importante nos mantermos sintonizados com as leis divinas, a fim de não lesioná-lo.

5. O que Clarêncio quis dizer quando afirma:

a) "No círculo de matéria densa, sofre a alma encarnada os efeitos da herança recolhida dos pais, entretanto, na essência, a lei da herança funciona invariavelmente do indivíduo para ele mesmo. Detemos tão somente o que seja exclusivamente nosso ou aquilo que buscamos...".

Clarêncio quis demonstrar que, embora sejamos sempre influenciados, física e moralmente, pelos que nos recebem como pais, os grandes responsáveis pelo nosso futuro somos nós mesmos. Como ensinou Jesus: "a cada um segundo as suas obras".

b) "A hereditariedade é dirigida por princípios de natureza espiritual. Se os filhos encontram os pais de que precisam, os pais recebem da vida os filhos que procuram."

Como sabemos, a família é projetada quando ainda nos encontramos no plano espiritual. Ninguém é pai, mãe ou filho de outro por acaso. Alguns casos de paternidade são definidos pela lei de afinidade, que é regida por um magnetismo irresistível, que atrai os afins. Outros, são provas escolhidas pelos espíritos envolvidos no  futuro núcleo familiar, para juntos resgatarem eventuais erros passados ou para mutuamente se auxiliarem nas tarefas assumidas.

6. Qual o valor do trabalho, segundo a explicação do Ministro Clarêncio?

Sendo uma das leis naturais instituídas pelo Criador, o trabalho é uma necessidade física e psíquica do espírito.  Como explicou o benfeitor, através dele o espírito se eleva, libertando-se das imperfeições que traz consigo e das quais precisa se despojar para evoluir. Aquele que passa pela experiência física sem se devotar ao trabalho digno e nobre, entregando-se ao ócio e aos efêmeros prazeres que a matéria proporciona, cristaliza na mente idéias nocivas, agressivas ao corpo perispiritual, causando-lhe lesões que irão exigir reparos, sempre à custa de dor e sofrimento.

7. Por que, para socorrer o ancião desequilibrado, seria necessária a cooperação de companheiros encarnados?

Clarêncio pretendia fazer o que denominou uma "cirurgia psíquica" na mente do ancião. Iria revolver os arquivos mentais do enfermo de modo a ter revelado, por intermédio das imagens que lá se encontravam guardadas, o fato  determinante daquela situação. Necessitaria atrair a presença  de  encarnados  que,  outrora,  sob  outras  personalidades,  tiveram participação na trama que originou o desequilíbrio no ancião. A presença deles era importante para que se procedesse um verdadeiro tratamento de desobsessão, a fim de  libertá-los  dos  laços  que  ainda  o  mantinham  presos  àqueles acontecimentos.

Muita paz a todos.

Sala Nosso Lar
CVDEE

ceuinferno_073_2a. partecap. VII - Espíritos Endurecidos - Lapommeray

ceuinferno_073_2a. partecap. VII - Espíritos Endurecidos - Lapommeray

TEXTO PARA ESTUDO

Castigo pela luz.

Numa das sessões da Sociedade de Paris, onde se discutira a questão da perturbação que, geralmente, se segue à morte, um Espírito, ao qual ninguém aludira e não se pensava evocar, se manifesta espontaneamente pela comunicação seguinte; embora não fosse assinada, nela se reconheceu, sem dificuldade, um grande criminoso que a justiça humana vinha de alcançar.

“Que falais de perturbação? Por que essas vãs palavras? Sois sonhadores e utopistas. Ignorais perfeitamente as coisas com as quais pretendeis vos ocupar. Não, senhores, a perturbação não existe,salvo, talvez, nos vossos cérebros. Estou tão francamente morto quanto possível, e vejo claro em mim, ao redor de mim, por toda a parte!... A vida é uma lúgubre comédia! Desastrados aqueles que se demitem da cena, antes da queda da cortina!... A morte é um terror, um castigo, um desejo, segundo a fraqueza ou a força daqueles que a temem, a desafiam ou imploram-na. Para todos, ela é uma amarga zombaria!... A luz me ofusca e penetra, como uma flecha aguçada, a sutileza do meu ser... Castigou-se-me pelas trevas da prisão, e acreditou-se castigar-me pelas trevas do túmulo, ou aquelas sonhadas pelas superstições católicas. Pois bem! Sois vós, senhores, que suportais a obscuridade, e eu, o degradado social, plano acima de vós... Eu quero permanecer eu!... Forte pelo pensamento, desdenho as advertências que ressoam ao meu redor... Vejo claro... Um crime! É uma palavra! O crime existe por toda parte. Quando é executado por massas de homens, ele é glorificado; no particular, é um maldito. Absurdo!

“Não quero ser lamentado... não peço nada... basto-me e saberei muito lutar contra essa odiosa luz.

“Aquele que ontem era um homem”.

Tendo essa comunicação sido analisada na sessão seguinte, reconheceu-se, no cinismo mesmo da linguagem, um sério ensinamento, e viu-se, na situação desse infeliz, uma nova fase do castigo que espera o culpado. Com efeito, ao passo que uns são mergulhados nas trevas, ou num isolamento absoluto, outros suportam, durante longos anos, as angústias de sua última hora, ou se crêem ainda neste mundo, a luz brilha para este; seu Espírito goza a plenitude de suas faculdades; sabe perfeitamente que está morto, e não se lamenta de nada; não pede nenhuma assistência, e afronta ainda as leis divinas e humanas. É, pois, que escaparia à punição? Não, mas é que a justiça de Deus se cumpre de todas as formas, e o que faz a alegria de uns, para outros é um tormento; essa luz faz o seu suplício contra o qual se obstina e, apesar de seu orgulho, confessa-o quando disse: “Eu me basto e saberei muito lutar contra essa odiosa luz”; e nesta outra frase: “A luz me ofusca e penetra como uma flecha aguçada, a sutileza do meu ser”. Estas palavras: sutileza do meu ser, são características; ele reconhece que seu corpo é fluídico e penetrável à luz da qual não pode escapar, e essa luz o transpassa como uma flecha aguçada.

Este Espírito está colocado entre os endurecidos porque demorou muito tempo para manifestar o menor arrependimento. É um exemplo desta verdade, de que o progresso moral nem sempre segue o progresso intelectual. Pouco a pouco, entretanto, ele melhorou e deu comunicações sabiamente raciocinadas e instrutivas. Hoje, pode ser alinhado entre os Espíritos arrependidos.

Nossos guias espirituais, rogados para darem a sua apreciação sobre este assunto, ditaram as três comunicações adiante, e que merecem uma séria atenção.

I
Os Espíritos na erraticidade estão, evidentemente do ponto de vista das existências, inativos e na espera; entretanto, podem expiar, desde que o seu orgulho, a tenacidade formidável e rebelde de seus erros não os retenha, no momento de sua ascensão progressiva. Disso tendes um exemplo terrível na última comunicação desse criminoso endurecido, se debatendo contra a justiça divina que o constrange depois da dos homens. Então, nesse caso, a expiação, ou antes o sofrimento fatal que os oprime, em lugar de lhes aproveitar e de fazê-los sentir a profunda significação de suas penas, exalta-os na revolta, e faz brotar neles esses murmúrios que, nas Escrituras, em sua poética eloqüência, chama ranger de dentes; imagem por excelência! Sinal do sofrimento humilhado, mas insubmisso! Perdido na dor, mas cuja revolta é bastante grande ainda para recusar reconhecer a verdade da penas, e a verdade da recompensa!

Os grandes erros, frequentemente, e mesmo quase sempre, continuam no mundo dos Espíritos; do mesmo modo as grandes consciências criminosas. Ser ele, apesar de tudo, e se pavonear diante do infinito, parece aquela cegueira do homem que contempla as estrelas e que as toma por arabescos de um teto, tal como acreditavam os Gauleses do tempo de Alexandre.

Há o infinito moral! Miserável, ínfimo é aquele que, sob o pretexto de continuar as lutas e as fanfarrices abjetas da Terra, não vê mais longe, no outro mundo, que este! Para aquele a cegueira, o desprezo dos outros, a egoísta e mesquinha personalidade e a detenção do progresso! Não é senão muito verdadeiro, ó homens, que há um acordo secreto entre a imortalidade de um nome, para na Terra, e a imortalidade que conservam realmente os Espíritos em suas provas sucessivas.
LAMENNAIS

II
Precipitar um homem nas trevas ou nas ondas de luz: o resultado não é o mesmo? Num e no outro caso, não vê nada do que o cerca, e se habituará, mesmo mais rapidamente, à sombra que à triste claridade elétrica na qual pode estar emergido. Portanto, o Espírito que se comunicou na última sessão, exprime bem a verdade de sua situação quando exclama: “Oh! Eu me livraria bem desta odiosa luz!”. Com efeito, essa luz é tanto mais terrível, tanto mais pavorosa, quanto o atravessa completamente, e que torna visíveis e aparentes os seus mais secretos pensamentos. Aí está um dos lados mais rudes de seu castigo espiritual. Ele se encontra, por assim dizer, enterrado na casa de vidro que pedia Sócrates, e está aí, ainda, um ensinamento, porque  o que foi a alegria e a consolação do mau, do criminoso, do parricida, espantado na sua própria personalidade.

Compreendeis, meus filhos, a dor e o terror que devem constranger aquele que, durante uma existência sinistra, se comprazendo em combinar, a maquinar os mais tristes crimes, no fundo do seu ser, onde se refugiava como um animal selvagem em sua caverna, e que, hoje, acha-se caçado para esse reparo íntimo, onde se esquiva aos olhares e à investigação de seus contemporâneos? Agora, a sua máscara de impassividade foi-lhe arrancada, e cada um de seus pensamentos se reflete, sucessivamente em sua fronte!

Sim, doravante, nenhum repouso, nenhum asilo para esse formidável criminoso. Cada mau pensamento, e Deus sabe se sua alma os exprime, se trai por fora e por dentro dele, como a um choque elétrico superior. Ele quer se esconder da multidão, e a luz odiosa atravessa-o continuamente, cada dia. E ele quer fugir, fugiu em corrida ofegante e desesperada através dos espaços incomensuráveis, e por toda parte a luz! Por toda parte os olhares que mergulham nele! E se precipita de novo a perseguir a sombra, à procura da noite, e a sombra e a noite não estão mais para ele. Chamava a morte em sua ajuda, mas a morte não é senão a palavra vazia de sentido. O infortunado foge sempre. Caminha para a loucura espiritual; castigo terrível! Dor medonha! Onde se debaterá consigo mesmo, para se desembaraçar de si mesmo. Tal é a suprema lei alem da Terra: é o culpado que se torna, por si mesmo, seu mais inexorável castigo.

Quanto tempo isso durará? Até a hora em que a sua vontade, enfim vencida, se curvará sob a opressão pungente do remorso, e onde a sua fronte soberba se humilhará diante de suas vítimas apaziguadas e diante dos Espíritos de justiça. E notai a alta lógica das leis imutáveis, nisso ainda ele cumprirá o que escreveu na sua altiva comunicação, tão categórica, tão lúcida e tão tristemente cheia de si mesmo, que deu na última sexta-feira, em se livrando por um ato de sua própria vontade.
ERASTO

III
A justiça humana não faz exceção da individualidade dos seres que ela castiga; medindo o crime pelo próprio crime, atinge indistintamente aqueles que o cometeram, e a mesma pena alcança o culpado sem distinção de sexo, e qual seja a sua educação. A justiça divina procede de outro modo; as punições correspondem ao grau de adiantamento dos seres às quais são infligidas; a igualdade do crime não constitui a igualdade entre os indivíduos; dois homens culpados no mesmo grau podem estar separados pela distância das provas que mergulham um na opacidade intelectual dos primeiros círculos iniciadores, ao passo que o outro, tendo-os ultrapassado, possui a lucidez que livra o Espírito da perturbação. Não são, então, mais as trevas que castigam, mas a acuidade da luz espiritual; ela atravessa a inteligência terrestre, e fá-la sentir a angústia de uma praga, posta ao vivo.

Os seres desencarnados que perseguem a representação material de seu crime sofrem o choque da eletricidade física: sofrem pelos sentidos; aqueles que já estão desmaterializados pelo Espírito sentem uma dor muito superior que aniquila, com suas ondas amargas, ao recordar os fatos, para não deixar subsistir a ciência de suas causas.

O homem pode, pois, apesar da criminalidade de suas ações, possuir um adiantamento interior, e ao passo que as paixões o fazem agir como um animal, as suas faculdades aguçadas elevam-no acima da espessa atmosfera das camadas inferiores. A ausência de ponderação, do equilíbrio entre o progresso moral e o intelectual, produziu as anomalias muito freqüentes nas épocas de materialismo e transição.

A luz que tortura o Espírito culpado é, pois, e bem, o raio espiritual inundando de claridade os refúgios secretos de seu orgulho, e descobrindo-lhe a inutilidade de seu ser fragmentário. Estão aí os primeiros sintomas e as primeiras angústias da agonia espiritual, que anunciam a separação ou dissolução dos elementos intelectuais, materiais, que compõem a primitiva dualidade humana, e devem desaparecer na grande unidade do ser perfeito.
JEAN REYNAUD.

Essas três comunicações, obtidas simultaneamente, se completam uma pela outra, e apresentam o castigo sob um novo aspecto eminentemente filosófico e racional. É provável que os Espíritos, querendo tratar essa questão segundo um exemplo, terão provocado, com esta finalidade, a comunicação espontânea do Espírito culpado

Ao lado deste quadro tomado sobre o fato, eis, para estabelecer um paralelo, aquele que um pregagor, pregando a quaresma em Montreuil-sur-Mer, em 1864, traçou do inferno:

“O fogo do inferno é milhões de vezes mais intenso que o da Terra, e se um dos corpos que lá se queimam sem se consumir viesse a ser repelido sobre o nosso planeta ele o impestaria, de uma extremidade a outra! O inferno é uma vasta e sombria caverna crivada de pregos pontudos, de lâminas de espadas bem afiadas, na qual são precipitadas as almas dos condenados”. (Ver a Revista Espírita, julho de 1864, página 199).

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

1. Apesar do cinismo da mensagem, há um ensinamento por trás dela. Qual é?

2. Por que Lapommeray está entre os espíritos endurecidos?

3. Segundo Lamennais, como estão os Espíritos na erraticidade?

4. Qual a diferença entre a justiça humana e a justiça divina?

CONCLUSÃO

1. Viu-se, na situação de Lapommeray, uma nova fase do castigo que espera o culpado. Com efeito, ao passo que uns são mergulhados nas trevas, ou num isolamento absoluto, outros suportam, durante longos anos, as angústias de sua última hora, ou se crêem ainda neste mundo, a luz brilha para este; seu Espírito goza a plenitude de suas faculdades; sabe perfeitamente que está morto, e não se lamenta de nada; não pede nenhuma assistência, e afronta ainda as leis divinas e humanas. Escaparia, então, da punição? Não, mas a justiça de Deus se cumpre de todas as formas, e o que faz a alegria de uns, para outros é um tormento.

2. Porque demorou muito tempo pra manifestar o menor arrependimento. É um exemplo dessa verdade, de que o progresso moral nem sempre segue o intelectual. Pouco a pouco, entretanto, ele melhorou e deu comunicações sabiamente raciocinadas e instrutivas. Hoje, pode ser alinhado entre os Espíritos arrependidos.

3. Estão, evidentemente do ponto de vista das existências, inativos e na espera; entretanto, podem expiar, desde que o seu orgulho, a tenacidade formidável e rebelde de seus erros não os retenha, no momento de sua ascensão progressiva.

4. A justiça humana não faz exceção da individualidade dos seres que ela castiga; medindo o crime pelo próprio crime, atinge indistintamente aqueles que o cometeram, e a mesma pena alcança o culpado sem distinção de sexo, e qual seja a sua educação. A justiça divina procede de outro modo; as punições correspondem ao grau de adiantamento dos seres às quais são infligidas; a igualdade do crime não constitui a igualdade entre os indivíduos; dois homens culpados no mesmo grau podem estar separados pela distância das provas que mergulham um na opacidade intelectual dos primeiros círculos iniciadores, ao passo que o outro, tendo-os ultrapassado, possui a lucidez que livra o Espírito da perturbação. Não são, então, mais as trevas que castigam, mas a acuidade da luz espiritual; ela atravessa a inteligência terrestre, e fá-la sentir a angústia de uma praga, posta ao vivo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Identidade real

identidade real,

Incessantemente, busca a tua identidade real, isto é, descobre-te para o bem de ti mesmo. Constatarás que não és melhor nem pior do que os outros, mas, sim, o que te faças, isto contará. Com essa conscientização, perceberás que não tens direito a privilégios nem sofres abandono da Divindade.
 
Tudo quanto te ocorra, transforma em lição proveitosa para o teu crescimento espiritual, pois que para tal estás na Terra. Amealha todas as conquistas e converte-as em lições de sabedoria, com que te enriquecerás de bênçãos.
 

Joanna de Ângelis
 

Programa 1 # Tomo I # Modulo I # Roteiro 5 # Moises

Programa 1 # Tomo I # Modulo I # Roteiro 5 # Moises

 16  Esboço de o evangelho segundo o espiritismo

A HERANÇA

SAIBAMOS COOPERAR 

Saibamos cooperar, desse modo, nos círculos de serviço a que fomos chamados para o concurso cristão.

Faze, tão bem quanto esteja em tuas possibilidades, a obra parcial confiada às tuas mãos.

Por hoje, talvez te enganes, supondo servir às autoridades terrestres, no entanto, chegará o minuto revelador no qual reconhecerás que permaneces a serviço do Senhor. - FV 146

 SE SOUBÉSSEMOS

Se soubéssemos quão terrível é o resultado de nosso desrespeito às Leis Divinas, jamais nos afastaríamos do caminho reto.

Perdoa, pois, a quem te fere e calunia...

Em verdade, quantos se rendem às sugestões perturbadoras do mal, não sabem o que fazem. - FV 38

SEMEADORES 

Segundo observamos, o semeador do Céu ausentou-se da grandeza a que se acolhe e veio até nós, espalhando as claridades da Revelação e aumentando-nos a visão e o discernimento.

Humilhou-se para que nos exaltássemos e confundiu-se com a sombra a fim de que a nossa luz pudesse brilhar, embora lhe fosse fácil fazer-se substituído por milhões de mensageiros, se desejasse. Afastemo-nos, pois, das nossas inibições e aprendamos com o Cristo a sair para semear. - FV 64

SIGAMO-LO 

Se te afeiçoaste ao Evangelho não te situes por fora do serviço cristão.

Procuremos o Senhor, seguindo-lhe os passos.

Somente assim estaremos com o Cristo, recebendo-lhe a excelsa luz. - FV 166

SOIS A LUZ 

Se nos compenetramos, pois, da lição do Cristo, interessados em acompanhá-lo, é indispensável a nossa disposição de doar as nossas forças na atividade incessante do bem, para que a Boa Nova brilhe na senda de redenção para todos. Cristão sem espírito de sacrifício é lâmpada morta no santuário do Evangelho. Busquemos o Senhor, oferecendo aos outros o melhor de nós mesmos. Sigamo-lo, auxiliando indistintamente. Não nos detenhamos em conflitos ou perquirições sem proveito

SOMENTE ASSIM 

Que nossa atividade, dentro da vida, produza muito fruto de paz e sabedoria, amor e esperança, fé e alegria, justiça e misericórdia, em trabalho pessoal digno e constante, porquanto, somente assim o Pai será por nós glorificado e só nessa condição seremos discípulos do Mestre Crucificado e Redivivo. - FV 45

TENHAMOS FÉ 

Continuemos, pois, trabalhando com duplicado fervor na sementeira do bem, à maneira de servidores provisoriamente distanciados do verdadeiro lar.

Há muitas moradas na Casa do Pai.

E o Cristo segue servindo, adiante de nós.

Tenhamos fé. - FV 44

VIGIEMOS E OREMOS

Caminhar do berço ao túmulo, sob as marteladas da tentação, é natural. Afrontar obstáculos, sofrer provações, tolerar antipatias gratuitas e atravessar tormentas de lágrimas são vicissitudes lógicas da experiência humana.


Entretanto, lembremo-nos do ensinamento do Mestre, vigiando e orando, para não sucumbirmos às tentações, de vez que mais vale chorar sob os aguilhões da resistência que sorrir sob os narcóticos da queda. - FV110

Idéia fixa

IDEIA  FIXA

 
     Combate a idéia fixa do mal na tua mente.

       Não ofereças sintonia às trevas.

       Escolhe o alimento espiritual de que te nutres.

       Fuja do que possa influenciar-te negativamente.

       A obsessão é uma indução, espécie de hipnose de outras mentes sobre a tua.

       Não convertas os teus pensamentos em pasto para os espíritos vampirizadores.

       A tua vida é o barco; o pensamento é o leme.

       A idéia infeliz que se demora contigo é sinal de desajuste interior.

       Ora e ocupa as tuas mãos na tarefa benfazeja.

       Ideia fixa que incomoda atrai doença, sofrimento e lágrimas.

(De Vigiai e Orai, de Carlos A. Baccelli, pelo Espírito Irmão José)

Hoje desde as primeiras horas

Hoje, desde as primeiras horas,

manifeste com profunda convicção: Vou aproveitar este dia para treinar o meu pensamento. Serei positivo e não desperdiçarei um só minuto de hoje. De fato, este é um dia ótimo. E, sempre que se lembrar, renove essa certeza, para que ela mais se aprofunde e o alegre. O que você aceita e repete toma corpo, agiganta-se e aparece na sua conduta.
 
Se você tem este dia como ótimo, excelente, ele já o é para você. O seu dia presta obediência ao que você pensa.
 
Lourival Lopes

C B - Aula 16 - Esboço De # O Evangelho Segundo O Espiritismo # O Evangelho E..6

C B - Aula 16 - Esboço De # O Evangelho Segundo O Espiritismo # O Evangelho E..6

 16  Esboço de o evangelho segundo o espiritismo

A HERANÇA

 ATENDAMOS AO BEM

Jesus não se comprometeu com os que combatessem, em seu nome, com os que humilhassem os outros, a pretexto de glorificá-lo, ou com os que lhe oferecessem culto espetacular, em templos de ouro e pedra, mas sim afirmou que o menor gesto de bondade, dispensado em seu nome, será sempre considerado, no Alto, como oferenda de amor endereçada a ele próprio.

AUSENTES

Matricula-se o companheiro, na escola de vida superior, entretanto, ao invés de consagrar-se ao serviço das lições de cada dia, revela-se apenas mero candidato a vantagens imediatas. Em geral, nunca se encontra ao lado dos demais servidores, quando Jesus vem; logo após, reclama e desespera.

A lógica, no entanto, jamais abandona o caminho reto. Quem desejar a bênção divina, trabalhe pela merecer.

O aprendiz ausente da aula não pode reclamar benefícios decorrentes da lição

BUSQUEMOS O MELHOR

E, se esperamos alcançar a nossa melhoria, contando com a benemerência do Senhor, por que negar ao próximo a confiança no futuro?

Consagremo-nos à tarefa que o Senhor nos reservou na edificação do bem e da luz e estejamos convictos de que, assim agindo, o argueiro que incomoda o olho do vizinho, tanto quanto a trave que nos obscurece o olhar, se desfarão espontaneamente, restituindo-nos a felicidade e o equilíbrio, através da incessante renovação.

CONSEGUES IR?

Jesus, o nosso Salvador, estende-nos os braços amoráveis e compassivos. Com ele, a vida enriquecer-se-á de valores imperecíveis e à sombra dos seus ensinamentos celestes seguiremos, pelo trabalho santificante, na direção da Pátria Universal...

Todos os crentes registram-lhe o apelo consolador, mas raros se revelam suficientemente valorosos na fé para lhe buscarem a companhia.
Em suma, é muito doce escutar o vinde a mim...

 CRIANÇAS
Recorda que todos nos achamos em processo de educação e reeducação, diante do Divino Mestre. O prato de refeição é importante no desenvolvimento da criatura, todavia, não podemos esquecer que nem só de pão vive o homem

Lembremo-nos da nutrição espiritual dos meninos, através de nossas atitudes e exemplos, avisos e correções, em tempo oportuno, de vez que desamparar moralmente a criança, nas tarefas de hoje, será condená-la ao menosprezo de si mesma, nos serviços de que se responsabilizará amanhã.

DENTRO DA LUTA

Aceitemos o nosso dia de serviço, onde e como determine a Vontade Sábia do Senhor.

Apresentando os discípulos ao Pai Celestial, disse o Mestre: "Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.

A Terra tem a sua missão e a sua grandeza; libertemo-nos do mal que opera em nós próprios e receber-lhe-emos o amparo sublime, convertendo-nos junto dela em agentes vivos do Abençoado Reino de Deus

DESCULPA SEMPRE

Usa, pois, a bondade, e desculpa incessantemente.

Ensina-nos a Boa Nova que o Amor cobre a multidão dos pecados.

Quem perdoa, esquecendo o mal e avivando o bem, recebe do Pai Celestial, na simpatia e na cooperação do próximo, o alvará da libertação de si mesmo, habilitando-se a sublimes renovações.

DIANTE DO SENHOR

A linguagem do Cristo sempre se afigurou a muitos aprendizes indecifrável e estranha.

Fazer todo o bem possível, ainda quando os males sejam crescentes e numerosos. Emprestar sem exigir retribuição. Desculpar incessantemente.
Amar os próprios adversários.

Ajudar aos caluniadores e aos maus.

Muita gente escuta a Boa Nova, mas não lhe penetra os ensinamentos.

DIFERENÇAS

Ultrapassa, porém, toda pregação falada ou escrita, agindo incessantemente na sementeira do bem, em obras de sacrifício próprio e de amor puro, nos moldes de ação que o Cristo nos legou.

Não pede recompensa, não pergunta por resultados, não se sintoniza com o mal. Abençoa e ajuda sempre.

Semelhante companheiro é conhecido por verdadeiro discípulo do Senhor, por muito amar.

DISCÍPULOS

Outros aparecem, seguindo o Mestre nas frases bem-feitas, mas não carregam a cruz que lhes toca, abandonando-a à porta de vizinhos e companheiros.

Dever e renovação.

Serviço e aprimoramento.

Ação e progresso.

Responsabilidade e crescimento espiritual. Aceitação dos impositivos do bem e obediência aos padrões do Senhor.

EMBAINHA TUA ESPADA

Façamos a paz com os que nos cercam, lutando contra as sombras que ainda nos perturbam a existência, para que se faça em nós o reinado da luz.

De lança em riste, jamais conquistaremos o bem que desejamos.

A cruz do Mestre tem a forma de uma espada com a lâmina voltada para baixo.

Recordemos, assim, que, em se sacrificando sobre uma espada simbólica, devidamente ensarilhada, é que Jesus conferiu ao homem a bênção da paz, com felicidade e renovação.

ESMOLA

O aviso do Instrutor Divino nas anotações de Lucas significa:  dai esmola de vossa vida íntima, ajudai por vós mesmos, espalhai alegria e bom ânimo, oportunidade de crescimento e elevação com os vossos semelhantes, sede irmãos dedicados ao próximo, porque, em verdade, o amor que se irradia em bênçãos de felicidade e trabalho, paz e confiança, é sempre a dádiva maior de todas.

FRATERNIDADE

Seremos admitidos ao aprendizado do Evangelho, cultivando o Reino de Deus que começa na vida íntima. Estendamos, assim, a fraternidade pura e simples, amparando-nos mutuamente...

Fraternidade que trabalha e ajuda, compreende e perdoa, entre a humildade e o serviço que asseguram a vitória do bem. Atendamo-la, onde estivermos, recordando a palavra do Senhor que afirmou com clareza e segurança:  Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros.

IR E ENSINAR

Falou-nos do Eterno Pai e revelou-nos, com o seu sacrifício, a justa maneira de buscá-Lo.

Se te propões, desse modo, cooperar com o Evangelho, recorda que não basta falar, aconselhar e informar.

Ide e ensinai, na palavra do Cristo, quer dizer ide e exemplificai para que os outros aprendam como é preciso fazer.

NÃO SOMENTE

Não só teoria excelente, mas também prática santificante.

Não apenas nós, mas igualmente os outros.

Disse o Mestre:  Nem só de pão vive o homem.

Apliquemos o sublime conceito ao imenso campo do mundo.

Bom gosto, harmonia e dignidade na vida exterior constituem dever, mas não nos esqueçamos da pureza, da elevação e dos recursos sublimes da vida interior, com que nos dirigimos para a Eternidade.

PAI NOSSO

Pai nosso...  Disse Jesus para começar. Pai do Universo... Nosso mundo...

Sem nos associarmos aos propósitos do Pai, na pequenina tarefa que nos foi permitido executar, nossa prece será, muitas vezes, simples repetição do eu quero, invariavelmente cheio de desejos, mas quase sempre vazio de sensatez e de amor.

PELOS FRUTOS

Ninguém que se consagre realmente à verdade dará testemunho de nós pelo que parecemos, pela superficialidade de nossa vida, pela epiderme de nossas atitudes ou expressões individuais percebidas ou apreciadas de passagem, mas sim pela substância de nossa colaboração no progresso comum, pela importância de nosso concurso no bem geral.

Pelos frutos os conhecereis  disse o Mestre.

Pelas nossas ações seremos conhecidos  repetiremos nós. - FV 7

QUEM SERVE, PROSSEGUE

Aprendiz do Evangelho que não improvisa a alegria de auxiliar os semelhantes permanece muito longe do verdadeiro discipulado, porquanto companheiro fiel da Boa Nova está informado de que Jesus veio para servir, e desvela-se, a benefício de todos, até ao fim da luta.

Se há mais alegria em dar que em receber, há mais felicidade em servir que em ser servido.

Quem serve, prossegue... - FV 82

RENASCE AGORA

Não olvides a assertiva do Mestre: Aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.

Renasce agora em teus propósitos, deliberações e atitudes, trabalhando para superar os obstáculos que te cercam e alcançando a antecipação da vitória sobre ti mesmo, no tempo ...

Mais vale auxiliar, ainda hoje, que ser auxiliado amanhã. - FV 56

RIQUEZA PARA O CÉU

Amealhemos bondade e cultura, compreensão e simpatia.

Sem o tesouro da educação pessoal é inútil a nossa penetração nos céus, porquanto estaríamos órfãos de sintonia para corresponder aos apelos da Vida Superior.


Cresçamos na virtude e incorporemos a verdadeira sabedoria, porque amanhã serás visitado pela mão niveladora da morte e possuirás tão-somente as qualidades nobres ou aviltantes que houveres instalado em ti mesmo. - FV 177