Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

DELINQÜÊNCIA

Delinqüência

Livro: Escrínio de Luz  Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

Examinando de frente os erros e deficiências que ainda nos caracterizam a tela social no caminho humano, o delinqüente confesso é, quase sempre, o fruto envenenado que inadvertidamente ajudamos a surgir e amadurecer, na plantação de nossos próprios desajustes.
antes de sentenciá-lo a penas de efeitos imprevisíveis, deixa que a compaixão te inspire o juízo inseguro, para que te não falte a bênção da piedade no dia em que a sombra te venha bater à porta.
Lembra-te de que, diante da Lei, a criminalidade não é apenas aquela que comparece à barra dos tribunais que o mundo improvisa...
* * *
Recorda, quantas vezes, aniquilamos a esperança do companheiro com a palavra insensata, em quantas ocasiões teremos eliminado a lavoura promissora da fé no espírito dos semelhantes com a lâmina do mau exemplo e rememora as múltiplas estradas em que a alegria dos outros terá desaparecido ao contacto dos raios destruidores de nossa intemperança mental.
* * *
Não olvides o furto impensado que em muitas circunstâncias impomos a quem trabalha na fraternidade e na paz, subtraindo-lhe o tempo; relaciona o roubo da tranqüilidade e do pão que infligimos a todos os que nos sofrem a pressão do egoísmo e não te esqueças da lama invisível que, em tantas ocasiões, arremessamos, inconscientes e irresponsáveis, ao nome alheio, quando aderimos sem perceber ao propósito escuso de quantos navegam na corrente lodosa de que se derramam injúria e maledicência.
* * *
Diante do irmão que a penitenciária corrige ou que o cárcere acolhe, meditemos na Misericórdia Divina que nos impediu a delinqüência direta, sempre viva em potencial nas nossas emoções enfermiças e, em testemunho de gratidão e de entendimento, sejamos para o amigo na prova do reajuste, o cirineu que ajuda e compreende, para que sejamos, em verdade, com a lição de Jesus.