Pesquisar este blog

Páginas

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Entre a Terra e o Céu _08_Deliciosa Excursão

Entre a Terra e o Céu _08_Deliciosa Excursão

Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo - CVDEE
Sala Virtual de Estudos Nosso Lar
Estudo das obras de André Luiz

Livro em estudo: Entre a Terra e o Céu
Tema: Deliciosa Excursão
Referência: Capítulo VIII

Trecho do Capítulo

(...)

Deixando-o a sós, na sala estreita, saímos para a noite.

Entrelaçando as mãos, e conservando nossas irmãs no circuito fechado de nossas forças, empreendemos a formosa romagem.

Quem na Terra poderá imaginar as deliciosas sensações da alma livre?

Viajando com a rapidez do pensamento, avançamos à frente da sombra noturna, largando para trás o deslumbramento da aurora, em colorido e cantante dilúculo...

(...)

Dona Antonina, amparando-se em Clarêncio qual se fora uma filha apoiada nos braços paternos, inquiriu, maravilhada:

_ Porque não transformar esta excursão em transferência definitiva? Pesa o corpo, à maneira de insuportável cruz de carne, quando conseguimos sentir a Terra, de longe...

_ É verdade - concordou a outra irmã, que se sustentava em nós -, porque não nos é dado permanecer , olvidando os pesares e os dissabores do mundo?

_ Compreendemos - ajuntou o Ministro, generoso -, compreendemos quanta inquietação punge o espírito reencarnado, mormente quando desperto para a beleza da vida superior, entretanto, é indispensável saibamos louvar a oportunidade de servir, sem jamais desmerecê-la. Achamo-nos ainda distantes da redenção total e todos nós, com alternativas mais ou menos longas, devemos, abraçar a luta na carne, de modo a solver com dignidade nossos velhos compromissos. Somos viajores nos milênios incessantes. Ontem fomos auxiliados, hoje nos cabe auxiliar.

(...)

Antonina, porém, como se estivesse irradiando insopitável curiosidade, mesclada de alegria, voltou a exclamar:

_ Ah! se morrêssemos hoje!... Se a carne não nos pesasse mais...

O Ministro, contudo, imprimindo mais grave entonação à voz, mas sem perder a brandura que lhe era peculiar, considerou, de imediato:

_ Se hoje abandonassem o veículo de matéria densa, quem diz que seriam felizes? Quem de nós obterá a suprema ventura, sem a perfeita sublimação pessoal?

(...)

_ Agora, vocês visitarão filhinhos abençoados que a morte lhes arrebentou temporariamente ao convívio terrestre. Vocês se sentem como quem num palácio dourado, em pleno paraíso de amor, mas, e os filhinhos que ficam? Haverá Céu sem a presença daqueles que amamos? Teremos paz sem alegria para o que moram em nosso coração? Imaginemos que as algemas do cárcere físico se partissem agora... O atormentado lar humano cresceria de vulto na saudade que as tomaria de assalto... A lembrança dos filhos aprisionados no Planeta acorrentá-las-ia ao mundo carnal, à maneira de forte raiz retendo a árvore no solo escuro. Os rogos e os gemidos, as lutas e as provas dos rebentos menos felizes da existência lhes falariam ao espírito mais imperiosamente que os cânticos de bem-aventurança dos filhos afortunados e, naturalmente, desceriam do Céu para a Terra, preferindo a posição de angustiadas servas invisíveis, trocando a resplendente glória da liberdade pelos dolorosos padecimentos da prisão, de vez que a ventura maior de quem ama reside em dar de si mesmo, a favor das criaturas amadas...

(...)

_ Somos devedores uns dos outros! ... Laços mil nos jungem os corações. Por enquanto, não há paraíso perfeito para quem volta da Terra, tanto quanto não existe purgatório integral para quem regressa ao humano sorvedouro! O amor é a força divina, alimentando-nos em todos os setores da vida e o nosso melhor patrimônio é o trabalho com que nos compete ajudar-nos, mutuamente.

(...)

_ É pelo trabalho - prosseguiu o orientador - que nos despojamos, pouco a pouco, de nossas imperfeições. A Terra, em sua velha expressão física, não é senão energia condensada em época imemorial, agitada e transformada pelo trabalho incessante, e nós, as criaturas de Deus, nos mais diversos degraus da escala evolutiva, aprimoramos faculdades e crescemos em conhecimento e sublimação, através do serviço...O verme , arrastando-se, trabalha em benefício do solo e de si mesmo; o vegetal, respirando e frutescendo, ajuda a atmosfera ae auxilia-se. O animal, em luta perene, é útil à gleba em que se desenvolve, adquirindo experiências que lhe são valiosas, e nossa alma, em constantes peregrinações, através de formas variadas, conquista os valores indispensáveis à sublime ascensão... Somos filhos da eternidade, em movimentação para a glória da verdadeira vida e só pelo trabalho, ajustado à Lei Divina, alcançaremos o real objetivo de nossa marcha!

(...)

_ Porque não guardamos a viva recordação de nossas existências anteriores? Não seria bendita felicidade o reencontro consciente com aqueles que mais amamos?! ...

_ Sim, sim... - confirmava Clarêncio, enquanto nossa deliciosa excursão prosseguia, célere - mas, na condição espiritual em que ainda nos situamos, não sabemos orientar os nossos desejos para o melhor. Nosso amor ainda é insignificante migalha de luz, sepultada nas trevas do nosso egoísmo, qual ouro que se acolhe no chão, em porções infinitesimais, no corpo gigantesco da escória. Assim como as fibras do cérebro são as últimas a se consolidarem no veículo físico em que encarnamos na Terra, a memória perfeita é o derradeiro altar que instalamos em definitivo, no tempo de nossa alma, que, no Planeta, ainda se encontra em fases iniciais de desenvolvimento. É por isso que nossas recordações são fragmentárias... Todavia, de existência em existência, de ascensão em ascensão, nossa memória gradativamente converte-se em visão imperecível, a serviço de nosso espírito imortal...

_ Mas, se pudéssemos reconhecer no mundo os nossos antigos afetos, se pudéssemos tecer os semblantes amigos de outras eras, identificando-os... - aventurou Antonina, reverente.

_ Retomar o contacto com os melhores, seria recuperar igualmente os piores - atalhou Clarêncio, bondoso - e, indiscutivelmente, não possuímos até agora o amor equilibrado e puro, que se consagra aos desígnios superiores, sem paixão. Ainda não sabemos querer sem desprezar, amparar sem desservir. Nossa afetividade, por enquanto, padece deploráveis inclinações. Sem o esquecimento transitório, não saberíamos receber no coração o adversário de ontem para regenerar-nos, regenerando-o. A Lei é sábia. De qualquer modo, porém, não olvidemos que nosso espírito assinala todos os passos da jornada que lhe é própria, arquivando em si mesmo todos os lances da vida, para formar com eles o mapa do destino, de acordo, com os princípios de causa e efeito que nos governam a estrada, mas somente mais tarde, quando o amor e a sabedoria sublimarem a química dos nossos pensamentos, é que conquistaremos a soberana serenidade, capaz de abranger o pretérito em sua feição total...

(...)

_ A Lei, contudo, é invariavelmente a Lei. Viveremos em qualquer parte, com os resultados de nossas ações, assim como a árvore, em qualquer trato de solo, produzirá conforme a espécie a que se subordina.

(...)
  
QUESTÕES INICIAIS PARA ESTUDO:

01) Como verificamos, Clarêncio está acompanhando Antonina e outra encarnada, afastadas do corpo físico durante o sono, para visitarem seus filhos que as antecederam no retorno ao lar espiritual. Assim, vamos estudar e conversar sobre os sonhos? O que são? Há diferentes tipos? Quais? Como entendermos os sonhos?

02) Um outro aspecto que na conversa mantida entre eles, durante a caminhada para chegarem ao destino a que se propunham naquele momento, comentavam sobre o esquecimento de existências e de laços passados. Qual o motivo de, ao reencarnamos, nos ser dado o esquecimento anterior de nossas experiências? Por que o esquecimento é necessário?

03) Ainda durante a conversa mantida, verifica-se que Antonina e a outra encarnada, solicitavam que houvesse o término da encarnação ali naquele momento, uma vez que a vida na Terra era cheia de pesares e dissabores, que a cruz de carne era insuportável.  Como compreendermos e aprendermos com a resposta fornecida por Clarêncio?

04) Como entender as  assertivas abaixo, são elas atuais? Por que?:

04a) _ Se hoje abandonassem o veículo de matéria densa, quem diz que seriam felizes? Quem de nós obterá a suprema ventura , sem a perfeita sublimação pessoal?

04b)Somos devedores uns dos outros! ... Laços mil nos jungem os corações. Por enquanto, não há paraíso perfeito para quem volta da Terra, tanto quanto não existe purgatório integral para quem regressa ao humano sorvedouro! O amor é a força divina, alimentando-nos em todos os setores da vida e o nosso melhor patrimônio é o trabalho com que nos compete ajudar-nos, mutuamente.

04c) Somos viajores nos milênios incessantes. Ontem fomos auxiliados, hoje nos cabe auxiliar

04d)É pelo trabalho - prosseguiu o orientador - que nos despojamos, pouco a pouco, de nossas imperfeições. A Terra, em sua velha expressão física, não é senão energia condensada em época imemorial, agitada e transformada pelo trabalho incessante, e nós, as criaturas de Deus, nos mais diversos degraus da escala evolutiva, aprimoramos faculdades e crescemos em conhecimento e sublimação, através do serviço...(...)Somos filhos da eternidade, em movimentação para a glória da verdadeira vida e só pelo trabalho, ajustado à Lei Divina, alcançaremos o real objetivo de nossa marcha!

04e)Retomar o contacto com os melhores, seria recuperar igualmente os piores - atalhou Clarêncio, bondoso - e, indiscutivelmente, não possuímos até agora o amor equilibrado e puro, que se consagra aos desígnios superiores, sem paixão. Ainda não sabemos querer sem desprezar, amparar sem desservir. Nossa afetividade, por enquanto, padece deploráveis inclinações. Sem o esquecimento transitório , não saberíamos receber no coração o adversário de ontem para regenerar-nos, regenerando-o. A Lei é sábia. De qualquer modo, porém, não olvidemos que nosso espírito assinala todos os passos da jornada que lhe é própria, arquivando em si mesmo todos os lances da vida, para formar com eles o mapa do destino, de acordo, com os princípios de causa e efeito que nos governam a estrada, mas somente mais tarde, quando o amor e a sabedoria sublimarem a química dos nossos pensamentos, é que conquistaremos a soberana serenidade, capaz de abranger o pretérito em sua feição total...

Conclusão:

Através do desdobramento pelo sono físico, duas mulheres  encarnadas  são  levadas  pela  equipe  de  benfeitores espirituais dirigida por Clarêncio a um estabelecimento no plano espiritual destinado ao amparo  e  re-educação  de espíritos desencarnados em idade infantil. Durante a viagem, as duas mulheres sentem uma grata sensação de gozo que a levaram a manifestar o desejo de não mais retomarem o corpo físico. Clarêncio aproveitou a circunstância para transmitir valiosos ensinamentos a respeito dos objetivos da nossa passagem pelo mundo material e do esquecimento do passado a que ficamos sujeitos quando reencarnamos.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

 1.- Como verificamos, Clarêncio está acompanhando Antonina e outra encarnada, afastadas do corpo físico durante o sono, para visitarem seus filhos que as antecederam no retorno ao lar espiritual. Assim, vamos estudar e conversar sobre os sonhos? O que são? Há diferentes tipos? Quais? Como entendermos os sonhos?

O sonho é a soma das lembranças daquilo que o espírito viu e viveu em desdobramento, durante o sono físico, quando se encontrava livre ou das reminiscências diárias que se encontram guardadas em seu inconsciente. Em geral, essas lembranças são fragmentos do que o espírito vivencia durante o sono e tanto mais amplas são quanto a sua evolução.

Muitas classificações existem, procedentes de autores diversos, sobre os vários tipos de sonhos. Podemos resumi-las da seguinte maneira:

- sonhos que expressam lembranças e/ou preocupações de fatos cotidianos, impressas em nossa mente. Denominados pelos autores de sonhos psicológicos ou sonhos comuns.

- sonhos que resultam de algum distúrbio do organismo físico, como, por exemplo, resultado da ingestão de excesso alimentar momentos antes do sono, comumente conhecidos como "pesadelos". São os chamados sonhos físicos.

- sonhos que expressam a lembrança do que o espírito vivenciou durante a emancipação da alma, no mundo espiritual.

São recordações de encontros com parentes, amigos, desafetos, de estudos que participamos, conversas, tarefas que desenvolvemos, sempre no mundo espiritual. São os sonhos espirituais.

 2.- Um outro aspecto que na conversa mantida entre eles, durante a caminhada para chegarem ao destino a que  se propunham naquele momento, comentavam sobre o esquecimento de existências e de laços passados. Qual o motivo de, ao reencarnamos, nos ser dado o esquecimento anterior de nossas experiências?  Por  que  o  esquecimento  é necessário?

Na questão 392 do Livro dos Espíritos, responderam os Espíritos a Kardec que "não pode o homem, nem deve, saber tudo. Deus assim o quer em sua sabedoria. Sem o véu que lhe oculta certas coisas, ficaria ofuscado,  como  quem, sem transição, saísse do escuro para o claro. Esquecido de seu passado ele é mais senhor de si."

Com efeito, o esquecimento do passado é uma necessidade para a nossa evolução.  Sem ele, um dos objetivos principais de retornarmos à carne, que é o de nos harmonizarmos com os nossos desafetos do passado, aprendendo a amá-los, ficaria frustrado, pois a presença constante dos fatos que nos levaram a essa animosidade o  impediria.

Esse esquecimento, contudo, é temporário, pois os acontecimentos de nossas passagens pretéritas ficam armazenados em nossa mente, latentes, prontos para serem desarquivados tão logo nosso estado evolutivo permita. Assim se dá nos mundos mais adiantados, onde a lembrança do passado não mais constitui obstáculo à convivência dos espíritos que lá reencarnam.

Nesse sentido foi a explicação de Clarêncio a respeito da questão, destacando que "sem o esquecimento  transitório,  não saberíamos receber no coração o adversário de ontem para regenerar-nos, regenerando-o" e que "somente mais tarde, quando o amor e a sabedoria sublimarem a química dos nossos pensamentos, é que conquistaremos a soberana serenidade, capaz de abranger o pretérito em sua feição total...".

3.- Ainda durante a conversa mantida, verifica-se que Antonina e a outra encarnada, solicitavam que houvesse o término da encarnação ali naquele momento, uma vez que a vida na Terra era cheia de pesares e dissabores,  que  a  cruz  de carne era insuportável.  Como compreendermos e aprendermos com a resposta fornecida por Clarêncio?

Clarêncio ensinou que devemos aceitar os desígnios da Providência, que tudo nos  concede,  mas  no  tempo  certo.

Somos ainda tão imperfeitos que sequer sabemos distinguir o que é melhor para nós. Como explicou às duas mulheres, não poderemos ser felizes enquanto os que amamos também não o forem.  Quis ensinar que devemos  aceitar  os desígnios de Deus, demonstrando-lhes o quanto sofreriam os filhos que deixariam presos aos respectivos veículos físicos.

Foi o modo didático que o benfeitor encontrou para fazê-las entender a necessidade de cumprirem sua programação reencarnatória com fé e resignação.

4.- Como entender as assertivas abaixo? São elas atuais? Por que?

As afirmações de Clarêncio são todas muito atuais, pois, sendo a nossa evolução permanente mas gradativa, somos ainda os mesmos da época em que se passaram os fatos trazidos por André Luiz  na obra que estamos estudando.

Ainda somos necessitados dessas orientações e, podemos até mesmo afirmar, sempre seremos, pois são ensinos que se eternizam pela sua sabedoria e relação com a realidade da nossa existência. Senão vejamos:

a) "Se hoje abandonassem o veículo de matéria densa, quem diz que seriam felizes? Quem de nós obterá a suprema ventura, sem a perfeita sublimação pessoal?"

Para ser feliz não basta querer. É preciso se sentir feliz por inteiro, num sentimento que brote do nosso interior mais íntimo. Essa felicidade que buscamos e que sequer sabemos como é somente será sentida quando todos à nossa volta também assim se sentirem. As duas mulheres, equivocadamente, achavam que poderiam ser felizes com os gozos que a sensação de liberdade decorrente do afastamento do corpo físico propicia. Esqueciam-se de que deixariam para trás espíritos que receberam como filhos e que delas ainda necessitavam para prosseguirem a caminhada. Essa circunstância, certamente, lhes obstaria a felicidade que imaginavam poder alcançar com o desprendimento do corpo físico.

b) "Somos devedores uns dos outros!... Laços mil nos jungem os corações. Por enquanto, não há paraíso perfeito para quem volta da Terra, tanto quanto não existe purgatório integral para quem regressa ao humano sorvedouro! O amor é a força divina, alimentando-nos em todos os setores da vida e o nosso melhor patrimônio é o trabalho com que nos compete ajudar-nos, mutuamente."

No estágio evolutivo em que se encontra a humanidade terrena, o reino dos céus anunciado por Jesus ainda se encontra muito distante. Sabemos que esse reino é um estado  consciencial,  que  somente  será  encontrado  com  a  nossa transformação moral, objetivo maior da reencarnação. Como isso ainda é inalcançável, Clarêncio afirmou que  não  há paraíso perfeito para quem volta da Terra, ou seja, ainda não estamos aptos a gozar da felicidade plena, mesmo no plano espiritual. O amor e o trabalho em prol do próximo necessitado são os dois caminhos ensinados pelo benfeitor para a obtenção dessa felicidade.

 c) "Somos viajores nos milênios incessantes. Ontem fomos auxiliados, hoje nos cabe auxiliar."

O benfeitor destaca a nossa condição de espíritos imortais, viajores da eternidade, que ontem recebemos e, por  isso, agora nos cabe doar. É o cumprimento da regra áurea de Jesus: "Tudo que quiserdes que os outros vos façam, fazei também a eles".

 d) "É pelo trabalho - prosseguiu o orientador - que nos despojamos, pouco a pouco, de nossas imperfeições. A Terra, em sua velha expressão física, não é senão energia condensada em época imemorial, agitada e  transformada  pelo trabalho incessante, e nós, as criaturas de Deus,  nos  mais  diversos  degraus  da  escala  evolutiva,  aprimoramos faculdades e crescemos em conhecimento e sublimação, através do serviço... (...) Somos  filhos  da  eternidade, em movimentação para a glória da verdadeira vida e só pelo trabalho, ajustado à Lei Divina, alcançaremos o real objetivo de nossa marcha!"

Clarêncio destaca a importância do trabalho, uma das leis morais classificadas por Allan Kardec. Cita como exemplo da sua importância a própria Terra, resultado de um trabalho incessante de transformação.  Somente por  meio  do trabalho a ser desenvolvido par e passo com as demais leis divinas é que o espírito alcançará  a  perfeição  possível,
por todos buscada através das reencarnações sucessivas.

 e) "Retomar o contato com os melhores, seria recuperar igualmente os piores - atalhou Clarêncio, bondoso - e, indiscutivelmente, não possuímos até agora o amor equilibrado e puro, que se consagra aos desígnios superiores, sem paixão. Ainda não sabemos querer sem desprezar, amparar sem desservir. Nossa afetividade, por enquanto, padece deploráveis inclinações. Sem o esquecimento transitório , não saberíamos receber no coração o adversário de ontem para regenerar-nos, regenerando-o. A Lei é sábia. De qualquer modo, porém, não olvidemos que nosso espírito assinala todos os passos da jornada que lhe é própria, arquivando em si mesmo todos os lances da vida, para formar com eles o mapa do destino, de acordo, com os princípios de causa e efeito que nos governam a estrada, mas somente mais tarde, quando o amor e a sabedoria sublimarem a química dos nossos pensamentos, é que conquistaremos a soberana serenidade, capaz de abranger o pretérito em sua feição total..."

É mais um comentário feito por Clarêncio a cerca do esquecimento do passado que nos é imposto por ocasião da reencarnação. Como vimos acima, sem ele a nossa evolução seria ainda mais penosa, pelo constrangimento que nosso comportamento pretérito nos causaria. Sendo a Lei de Deus evolucionista, o que fizemos ontem não importa. Devemos colocar uma pedra sobre os fatos pretéritos e buscarmos a nossa transformação olhando para o futuro feliz que nos aguarda. O que fizemos há hum minuto atrás não pode mais ser desfeito.  Portanto, não adianta olhar para trás.

Esqueçamos o passado e comecemos a nossa reforma íntima, sempre tendo como norte os ensinamentos do Cristo.

"Aquele que perseverar até o fim, esse será salvo", disse Jesus.


Muita paz a todos.

Sala Nosso Lar


CVDEE