Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 17 de outubro de 2015

ceuinferno_084_2a. partecap. VIII - Expiaçoes terrestres- Julienne Marie, a mendiga

1. Como este Espírito aproveitou esta prova, já que ele não tinha a lembrança da causa que a motivara?

2. Vimos que, na encarnação passada, ele recebera uma excelente educação. Qual foi a utilidade de todos esses conhecimentos se nesta última existência era apenas um empregado?

3. Existem exemplos de empregados muito devotados aos seus empregadores, até mesmo abnegados a eles. Isso se deve a relações anteriores?

4. Neste exemplo, qual foi o benefício do esquecimento das vidas passadas?

Conclusão:

1. Na sua posição humilde, ainda restava um quê de orgulho, que conseguiu dominar. Isto fez com que a sua prova fosse aproveitável: sem isso, teria ainda muito por onde recomeçar. Seu Espírito lembrava, quando em liberdade, do desejo de resistir às tendências que, sentia, eram más. Teve mais méritos em lutar assim, sem saber do seu passado. 

A lembrança de sua antiga posição teria exaltado seu orgulho e o perturbaria, ao passo que teve que somente combater os arrastamentos da nova posição.

2. Esses conhecimentos seriam inúteis, um contra-senso mesmo em sua nova posição, mas permaneceram latentes e, em Espírito, ele os encontrou. Mesmo parecendo, não foram inúteis, porque desenvolveram a sua inteligência: instintivamente ele tinha o gosto das coisas elevadas, o que lhe inspirava a repulsa pelos exemplos baixos que via: sem essa educação, seria apenas um simples criado.

3. Não temos por que duvidar disso: pelo menos é o caso mais comum. Esses empregados, algumas vezes, são membros da mesma família, ou então, Espíritos gratos, como este do exemplo, que pagam uma dívida de reconhecimento, e que o seu devotamento ajuda a avançar. Não sabemos todos os efeitos, de simpatia ou antipatia, que essas relações anteriores produzem no mundo. A morte não interrompe essas relações, elas se perpetuam com freqüência, de século em século.

4. Se o Sr. de G… se lembrasse do que fora e quem fora seu jovem empregado, ficaria muito sem graça com ele, e não o teria considerado nessas condições: entravaria a prova que foi proveitosa a ambos.