Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 14 de fevereiro de 2015

EM FAVOR DOS SUICIDAS

Pinga Fogo

Richard Simonetti

1  Diante das revelações dramáticas da Doutrina Espírita sobre o sofrimento dos suicidas, o que podem os familiares e amigos fazer por eles?
Em primeiro lugar, considerar que os suicidas não perderam a filiação divina, nem estão irremediavelmente confinados em recôndito inferno. Deus faz-se presente junto deles, representado por mensageiros do Bem, que os observam e amparam, ainda que, em sua confusão mental e nos tormentos que os afligem, não tenham consciência disso. E aprendem uma lição amarga, mas necessária  inútil e comprometedor atentar contra a própria existência. Somos seres imortais e, fatalmente, colheremos funestas conseqüências.

2  Algo mais, além de confiar em Deus?
É preciso fazer cessar o fluxo das lembranças amargas. Deixar de projetar, na tela mental as imagens e circunstâncias relacionadas com sua morte. Se ele pôs fogo no corpo, por exemplo, evitar vê-lo a debater-se, sendo devorado pelas chamas. Interpor entre ambos a figura de Jesus, rogando seu amparo.

3  Isso tem alguma relação com a situação do suicida?
Como acontece com todos os recém-desencarnados e, particularmente com o suicida, ele permanece ligado aos familiares, e é afetado pela natureza de seus pensamentos e emoções, que podem aliviar ou exacerbar seus padecimentos, de conformidade com sua natureza.

4  Não lhe parece difícil essa postura, principalmente da parte dos familiares, ainda sob o impacto do acontecimento? Não se afiguram naturais, essas lembranças?
Sem dúvida, mas, diante da morte, principalmente, quando envolva suicídio, é preciso pensar naquele que partiu, nas suas dificuldades, nos seus sofrimentos, calando lamúrias, lembranças dolorosas e questionamentos perturbadores, para livrá-lo da carga adicional de nossas amarguras no fardo de suas culpas.

5  A oração ajuda?
É o melhor recurso. Dizem Espíritos suicidas que a oração em seu benefício é o refrigério de suas almas.
Quando oramos por eles, nossas vibrações lhes proporcionam brando alívio. A dor lhes é menos intensa, os remorsos menos abrasivos.

6  E o que mais?
A prática do Bem, envolvendo nossos esforços em favor do próximo. Atendamos necessitados, socorramos aflitos, amparemos carentes de todos os matizes em seu nome, vinculando-nos a instituições que se dedicam a esse mister, onde o trabalho será mais produtivo.
Nossos gestos resultarão em luzes que iluminarão os caminhos do suicida, amenizando e abreviando seus padecimentos.

7  O que o Centro Espírita pode fazer pelos suicidas?
Vários recursos podem ser mobilizados. Há o trabalho de vibrações, nas reuniões mediúnicas, em que o grupo mentaliza o suicida, endereçando-lhe vibrações de amor.
Há, também, a possibilidade de sua manifestação nesses grupos. O contato com as energias do ambiente mediúnico funciona para eles como um tônico poderoso, revitalizando-os e ajudando-os a superar as dores mais intensas. É no Centro Espírita que a família recebe as orientações necessárias em favor do próprio refazimento, mudando sua postura em relação ao acontecido e
habilitando-se a ajudá-lo de forma efetiva.

8  Como conseguir o concurso do Centro Espírita?
Centros Espíritas bem organizados possuem o serviço de atendimento fraterno, em dias específicos.
Os interessados podem conversar com os companheiros encarregados desse serviço, que tomarão as providências necessárias.

BOLETIM INFORMATIVO DA
USE INTERMUNICIPAL BAURU
Departamento de Doutrina      
 Rua Virgílio Malta, 7-60 - Bauru - SP
CEP 17015-220
Fone (014) 3227-0770
e-mail: usebauru@uol. com.br
Site: www.useinterbauru.com.br
Jornalista Responsável
DANIELA BOCHEMBUZO - MTb 26260
Página Infantil (Seção Serelepe)
Ano XXXIII, nº 391
Outubro de 2005