Pesquisar este blog

Páginas

domingo, 15 de fevereiro de 2015

SUICÍDIO

NOTAS DA GRANDE IMPRENSA

Cerca de três mil pessoas se matam todos os dias no mundo, número que revela um aumento de 60% de casos nos últimos 50 anos, como apontou o último relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado em 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Naquele mesmo mês, reportagem publicada pela FolhaOnline, com o título Suicídio mata mais que Aids nos países da União Européia, assinada por Márcia Bizzotto, revelou que a cada ano cerca de 58 mil cidadãos da União Européia tiram a própria vida, número superior aos casos de morte por Aids e acidentes no trânsito.
No Brasil, o suicídio já é considerado problema de saúde pública, embora registre números considerados baixos em relação a outros países (3,9 a 4,5 para cada 100 mil habitantes). Mas, mesmo assim, o Brasil já se situa entre os dez países onde ocorrem mais suicídios, aproximadamente oito mil casos por ano. A fim de conter o problema, é que diversas instituições trabalham para combater o suicídio, instituições como o Centro de Valorização da Vida (CVV), que atende no Rio de Janeiro pelo telefone 141; e projetos, como o ComViver (www.projetocomviver.org.br), que dá apoio aos parentes e pessoas próximas de quem cometeu suicídio, em vários Estados.
São freqüentes os alertas do Mundo Maior sobre o equívoco do suicídio. Há, inclusive, vasta literatura a respeito, como o clássico Memórias de um suicida, recebido pela médium Yvonne dos Amaral Pereira, ou O martírio dos suicidas, de Almerindo Martins de Castro, publicados pela Federação Espírita Brasileira. Também é expressivo o número de páginas esparsas sobre o tema, como a inserida no livro Seareiros de volta, de autores diversos, psicografado por Waldo Vieira. A página, de autoria de Joaquim Murtinho, é intitulada Solução ideal:
Perdeste a fé em ti mesmo e pensas acabar com tudo?
Carregas tamanha desilusão, no tocante aos outros, que não mais encontras razão para viver?
Acalentas propósito oculto e absolutamente imanifesto, de desertar da existência?
Calma! Ainda não tentaste todos os recursos nos problemas que te espezinham.
Espera! Muitas equações existem que não foram lembradas.
Medita! A esperança não pode morrer assim.
Sofreia ímpetos, pacifica pensamentos, ventila o cérebro e desanuvia o coração.
Quem tem direito de desfazer-se da vida?
E, além disso, quem já usufruiu todos os encantos e arrebatamentos, lícitos e naturais, que a experiência humana pode oferecer?
Sempre há uma solução que ainda não foi aventada; uma idéia que ninguém teve; uma pessoa a que se não recorreu; uma saída até agora não entrevista.
Hás de convir que a tua vida na Terra nem sempre foi um caminho em fogo, como acontece agora, e concordarás em que já colheste momentos de júbilo inolvidável.
Impossível acreditar que não te recordes, com sincera saudade, de episódios felizes que a lembrança, de vez a vez, te induz a revisar na memória enternecida.
A romagem oscila sempre entre a dor e o prazer, a lágrima e o sorriso. Se presentemente troa a tempestade, logo mais se abrirá o horizonte na apoteose do arco-íris.
A ponderação, até hoje, onde aparece no mundo, consegue evitar o desastre. O teu caso não será exceção.
Jesus, tão discutido, tão mal-interpretado e, contraditoriamente, tão amado, é a fórmula ideal. E sua voz ainda nos ecoa aos ouvidos: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei.
Ir a Jesus demanda atitudes específicas, nas trilhas do burilamento espiritual, como sustentar a esperança, reconhecer-se mais humilde, garantir a serenidade na resignação, não exagerar as próprias conveniências, sair de si mesmo, servir aos outros, perseverar no melhor.
Receberemos e receberás o alívio prometido por ele, através do reencontro contigo na íntima superação do desencanto e do desespero, pela rendição racional à paciência e ao erguimento do bem, quando achares a paz que supunhas fora de ti, a confiança momentaneamente eclipsada, a alegria a que te desabituaste e o anseio de viver que reabraçarás, exultante de regozijo.
Bem-aventurado és tu que choras, porque serás consolado.
O Evangelho, à luz do Espiritismo, tem aquilo que procuras.
Nas mágoas e provações que te alanceiam a alma, já usaste múltiplos remédios que não te minoraram a dor, porém, não exauriste a farmacopéia da vida.
Falta-te ainda a terapêutica essencial.
Experimenta Jesus.

SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim Semanal
editado pelo
Lar Fabiano de Cristo
Diretor:
Danilo Carvalho Villel
Internet: http://www.lfc.org.br/sei
boletimsei@lfc.org.br
Sábado, 8/3/2008  no 2084