Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

nl03_15_LIVRO NO MUNDO MAIOR - Apelo cristão

nl03_15_LIVRO NO MUNDO MAIOR - Apelo cristão

... Na véspera da prometida visita às cavernas do sofrimento, o estimado Assistente me convidou a ouvir a palavra do Instrutor Eusébio que, naquela noite, se dirigiria a algumas centenas de companheiros católicos-romanos e protestantes das Igrejas reformadas, ainda em transito nos serviços a esfera carnal.
- São irmãos menos dogmáticos e mais liberais que, em momentos de sono, se tornam suscetíveis de nossa influência mais direta. Pelas virtudes de que são portadores, tornam-se dignos das diretrizes dos planos mais altos.
... Importa compreender que a Proteção Divina desconhece privilégios. A graça celestial é como o fruto que sempre surge na fronde do esforço terrestre: onde houver colaboração digna do homem, aí se acha o amparo de Deus. Não é a confissão religiosa que nos interessa em sentido fundamental, senão a revelação da Fé viva, a atitude positiva da alma na jornada de elevação. Claro é que as escolas da crença variam, situando-se cada um em um círculo diferente. Quanto mais rudimentar é o curso de entendimento religioso, maior é a combatividade inferior, que traça fronteiras infelizes de opinião e acirra hostilidades deploráveis, como se Deus não passasse dum ditador em dificuldades para manter-se no poder.
Constituindo o espiritismo evangélico prodigioso núcleo de compreensão sublime, é razoável seja considerado uma escola cristã mais elevada e mais rica. Possuindo tamanhas bênçãos de conhecimento e de amor, cumpre-lhe estendê-las a todos os companheiros, ainda quando esses companheiros se mostrem rebeldes e ingratos em consequência da ignorância de que ainda não conseguiram afastar-se.
... Se o patrimônio da fé religiosa representa o indiscutível fator de equilíbrio mental do mundo, que fazeis de vosso tesouro, esquecendo-lhe a utilização, numa época em que a instabilidade e a incerteza voa ameaçam todas as instituições de ordem e de trabalho, de entendimento e de construção? ... Supondes possível uma era de paz exterior, sem a preparação interior do homem no espírito de observância e aplicação das Leis Divinas?
Por admitir semelhante contrassenso, a máquina, filha de vossa inteligência, vos anula as possibilidades de mais alta incursão no reino do Espírito Eterno.
Ser cristão, outrora, simbolizava a escolha da experiência mais nobre, com o dever de exemplificar o padrão de conduta consagrado pelo Mestre Divino.
Constituía ininterrupto combate ao mal com as armas do bem, manifestação ativa do amor contra o ódio, segurança de vitória da luz contra as sombras, triunfo inconteste da paz construtiva sobre a discórdia derruidora.
Ante o moleque do Estado Romano, convertido em imperialismo e corrupção, os sectários do Evangelho não se expunham a polêmicas mordazes, não se enredavam nas teias do personalismo dissolvente, não dilapidavam possibilidades preciosas, a erigir fronteiras dogmáticas... Extremavam-se em nome do Senhor e ofereciam a própria vida, em penhor de gratidão Àquele que ainda não trepidava em seguir para a Cruz, por amor a todos nós. Erguiam os seus princípios santificantes que os identificavam com o Salvador do Mundo.
Sabiam perder vantagens transitórias, para conquistar os imperecíveis tesouros celestiais. Sacrificavam-se uns pelos outros, na viva demonstração de devotamento fraternal. Repartiam os sofrimentos e multiplicavam os júbilos entre si. Morriam em testemunhos angustiosos, para alcançar a vida eterna. Guerreavam os desequilíbrios de sua época e de seus contemporâneos, não a golpes de maldição, nem a fio de espada, mas pela prática da renunciação, submetendo-se a disciplinas cruéis e revelando, nas palavras, nos pensamentos e nos atos, a mensagem sublime do Mestre que lhes renovara os corações.
Entretanto, herdeiros que sois daqueles heróis anônimos, que transitaram nas aflições, de espírito edificado nas promessas do Cristo, que fizestes vós da esperança transformadora, da confiança sem vacilação? Onde colocastes a fé viva que os vossos patriarcas adquiriram a preço de fraternidade que assinalava os aprendizes da Boa Nova? Enriquecidos pelas graças do Céu, pouco a pouco olvidastes as portas da Revelação Divina em troca das comodidades humanas.
Construístes, entre vós mesmos, barreiras dificilmente transponíveis.
Intoxicai-vos o dogmatismo, corrompe-vos a secessão. Estreitas interpretações do plano divino vos obscurecem os horizontes mentais.
Abrís hostilidade franca, em nome do Reino de Deus que significa amor universal e união eterna.
Conspurcais a fonte das bênçãos, amaldiçoando-vos uns aos outros, invocando, para isso, o Príncipe da Paz, que para ajudar-nos, não nos hesitou ante a própria morte afrontosa....
... Reverenciais do Senhor a Luz dos Séculos, e mantende-vos nas sombras do nefasto egoísmo.
Proclamai nEle a glória da paz, e incentivais a guerra fraticida, em que homens e instituições se trucidam reciprocamente.
Recorreis ao Divino Mestre, centralizando em sua infinita bondade a fonte inesgotável do amor, entretanto, cultivas a desarmonia no recôndito do ser ...
... Por que estranhas convicções supondes conquistar o paraíso, à força de afirmativas labiais? ...
... Todavia, é imperioso reconhecer o caráter sublime de vossa tarefa no mundo...
... Jesus fundou a Religião do Amor Universal, que os sacerdotes políticos dividiram em várias escolas pelo sectarismo injustificável...
... O Evangelho, em suas bases, guarda a beleza do primeiro dia. Sofisma algum conseguiu empanar o brilho do "amai-vos uns aos outros como Eu vos amei"...
... Perante os desafios do céu, credes, acaso, servir a Deus, encarcerando os serviços da fé nos templos suntuosos? A pompa do culto exterior só faz realçar o desatino de vossas perigosas ilusões acerca da vida espiritual ...
... Não encontraste outra fórmula de externar a crença, além da concorrência menos digna?
Em vão ergueis castelos de opinião para o verbalismo sem obras, porque, se a morte surpreende o materialista revel, descortinando-lhe o realismo da vida, o túmulo abre também o tribunal da reta justiça a quantos se valeram da religião para melhor dissimular a indiferença que lhes povoa o mundo íntimo...
Na atuação da fé positiva reside a força reguladora das paixões, dos impulsos irresistíveis da animalidade de que todos emergimos, no processo evolucionário que nos preside à existência...

... Jesus não confinou seus ensinamentos ao círculo estrito de pedras, mas viveu conquistando amigos para o Reino do Céu...
... Não impôs aos seus seguidores normas rígidas de ação: pedia-lhes amor e entendimento; fé sincera e bom ânimo para os serviços edificantes...
... Como invocar-Lhe o nome para justificar os desvarios da separação por motivos de fé?? Como apoiar-se no Amigo de Todos para deflagrar embates de opinião, ascendendo fogueiras de ódio em prejuízo da solidariedade comum que Ele exemplificou até o supremo sacrifício? Não será denegrir-lhe a memória, difundir a discórdia em seu nome??...
... Não limiteis portanto, a demonstração de fé no Altíssimo aos cerimoniais do culto externo...
... Evitai a subversão dos valores espirituais afugentai as trevas que vos ameaçam as organizações político-religiosas. Temei a ciência que estadeie sem a sabedoria, livrai-vos do raciocínio que calcula sem amor, revisai a fé para seus impulsos não se desordenarem, à mingua da edificação.
A Crosta da Terra é atualmente um campo de batalha mais áspero, mais doloroso ...
... A salvação é contínuo trabalho de renovação e de aprimoramento...

Questões para estudo:

1) "Onde houver colaboração digna do homem, aí se acha o amparo de Deus. "
Para você, o que significa essa colaboração? Colaborando com o próximo, estamos colaborando com nós mesmos... Sendo assim, de que maneira podemos dar essa colaboração?

2) "Quanto mais rudimentar é o curso de entendimento religioso, maior é a combatividade inferior ... "
"Constituindo o espiritismo evangélico prodigioso núcleo de compreensão sublime, é razoável seja considerado uma escola cristã mais elevada e mais rica ... "
Em que baseia-se o prelecionado para fazer tais afirmações?

3) Para chegarmos a era da paz exterior, o que cabe ao homem fazer?

4) "... Por que estranhas convicções supondes conquistar o paraíso, à força de afirmativas labiais? ... " ... "... Perante os desafios do céu, credes, acaso, servir a Deus, encarcerando os serviços da fé nos templos suntuosos? A pompa do culto exterior só faz realçar o desatino de vossas perigosas ilusões acerca da vida espiritual ..."
... "... Não limiteis portanto, a demonstração de fé no Altíssimo aos cerimoniais do culto externo..."
Sendo assim de que forma devemos orar?

Termino com uma reflexão dita pelo prelecionado do texto:
"... Todavia, é imperioso reconhecer o caráter sublime de vossa tarefa no mundo..."
Já parou para pensar o motivo de sua existência atual?? Credes que estás a passeio, ou viestes a fim de conquistar Jesus ???

Apoio de leitura:
Conduta espírita

Conclusão:
Neste capítulo, André Luiz narra o encontro a que compareceu, juntamente com o assistente Calderaro, para ouvir palestra que seria proferida pelo instrutor Eusébio, dirigente espiritual de alta elevação.
A plateia, conta-nos o Autor, era composta de algumas centenas de irmãos católicos-romanos e protestantes ainda encarnados, que compareciam ao encontro durante as horas de emancipação pelo sono físico.
O tema da palestra, como vimos no estudo apresentado, foi a fé religiosa.  Procurou o insigne Instrutor demonstrar a importância da verdadeira fé, que é a fé interior, sincera, racional e que faz com que entendamos a necessidade de agir em favor do nosso semelhante, independentemente do credo religioso que se pratique.
                            
Questões propostas para estudo

1. -  "Onde houver colaboração digna do homem, aí se acha o amparo de Deus. "Para você, o que significa essa colaboração?  Colaborando com o próximo, estamos colaborando com nós mesmos... Sendo assim, de que maneira podemos dar essa colaboração?
Segundo os ensinamentos do Assistente Calderaro, essa colaboração não pode ser norteada apenas pela confissão de um determinado credo religioso. O que importa é a demonstração de fé viva, que venha trazer a elevação da alma.  A maneira de dar essa colaboração, ainda segundo o Assistente, é estendermos a todos os irmãos de caminhada, independente de suas rebeldias e da ignorância de que ainda não conseguiram se afastar, as bênçãos de conhecimento e de amor, dos quais o Espiritismo se constitui numa grande fonte.  É conceder o amparo fraternal, para que o próximo desperte e se levante.

2. -  "Quanto  mais  rudimentar  é  o  curso  de  entendimento  religioso,  maior  é  a combatividade inferior ... ".  "Constituindo o espiritismo evangélico prodigioso núcleo de compreensão sublime, é razoável seja considerado uma escola cristã mais elevada e mais rica ...".  Em que se baseia o prelecionado para fazer tais afirmações?
Sobre a primeira afirmação, podemos entender que, sendo o entendimento religioso rudimentar típico de espíritos igualmente ainda rudimentares, ou seja, em estágio evolutivo atrasado, seus instintos primitivos os levam à combatividade inferior.   São exemplos os inúmeros conflitos bélicos em curso na Terra, que têm como pano de fundo ou, pelo menos, como pretexto, o credo religioso.
A segunda afirmativa ressalta que,  por  ser  o  Espiritismo  um segmento religioso possuidor de um "prodigioso núcleo de compreensão sublime" - em outras palavras, de uma fé raciocinada -, deve ser considerado "uma escola cristã mais elevada e mais rica" do que as demais, em melhores condições e, por isso, com maiores responsabilidades perante a Divindade.

3. -  Para chegarmos a era da paz exterior, o que cabe ao homem fazer?
Primeiro, o homem terá que aprender, assimilar de verdade a paz interior, que só vem pela compreensão e vivência do Amor exemplificado na vivência por Jesus, ou seja, bem compreendendo, bem vivendo e bem praticando o "Amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo."

4.-  "... Por que estranhas convicções supondes conquistar o paraíso, à força de afirmativas labiais? ... " ... "... Perante os desafios do céu, credes, acaso, servir a Deus, encarcerando os serviços da fé nos templos suntuosos? A pompa do culto exterior só faz realçar o desatino de vossas perigosas ilusões acerca da vida espiritual ..."  ...  "...  Não limiteis portanto, a demonstração de fé no Altíssimo aos cerimoniais do culto externo..."  Sendo assim, de que forma devemos orar?
É a afirmação do ensinamento de Jesus, que, em diversas passagens narradas nos evangelhos, sempre censurou os fariseus por suas demonstrações de uma suposta fé exibicionista e por seus cultos em templos que chamou de "sepulcros caiados".
A forma como devemos orar, o Cristo sintetizou nessa passagem registrada por Mateus em seu evangelho:
"Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará."

(Mateus 6, 6)