Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

 
O JEJUM E O ESPIRITISMO
Jejum é a abstenção total ou parcial de alimentos. É feito por penitência, obrigação, prescrição religiosa ou médica. É prática usual de muitas religiões antigas e modernas.

Em Jonas 3:5 lê-se que os ninivitas (habitantes da grande cidade Nínive, capital do império assírio) “proclamaram um jejum e vestiram-se de saco, desde o maior até o menor”; e o rei proclamou um jejum geral, abrangendo homens e animais (Jonas 3:6-8).

A Bíblia, no Antigo Testamento, mostra que o jejum era prática habitual entre os hebreus. Moisés jejuou durante quarenta dias e quarenta noites (de comida e água) em preparação para receber a revelação divina (Êxodo 34:28).

Entre os hebreus, o jejum era acompanhado de cilício, cinzas e lamentações nas cerimônias de luto (I Samuel 31:13; II Samuel 1:12 e 3:35).

Mas os Profetas às vezes falavam desfavoravelmente do jejum, como sendo um rito externo e sem nenhum sentimento interior, como em Isaías 58:1-11, Jeremias 14:12 e Zacarias 7:5.

No Judaísmo farisaico o jejum era muito comum e extremamente apreciado como ato do culto religioso. No Judaísmo atual o jejum é ainda importante e é praticado com fins espirituais, em sinal de arrependimento, de luto, ou para pedir a assistência divina.

 O Jejum a partir do Novo Testamento

 Jesus jejuou durante 40 dias e 40 noites no deserto antes de iniciar seu ministério. Segundo a tradição cristã, vê-se aí uma semelhança ao jejum de Moisés, em Êxodo 34:28. Presumivelmente, Jesus não impõe o jejum aos seus discípulos, embora supõe-se que jejuavam porque, além de ser costume dos judeus, Jesus adverte-os que quando o fazem, não dêem demonstração pública disto (Mateus 6:16-18). Em Marcos 9:29 há uma referência ao jejum unido à oração, para exorcizar maus espíritos.

Nos primeiros tempos do Cristianismo o jejum era rigoroso (chamava-se jejum magro ou xerofagia). Havia uma única refeição, e só depois do pôr do sol. Tanto a quantidade dos alimentos como a qualidade eram restritas.

O costume de jejuar sofreu modificações através dos tempos e dos lugares. Nos tempos mais próximos da era atual, o jejum (para os católicos brasileiros, por exemplo) passou a ser preponderantemente uma restrição à quantidade e qualidade dos alimentos, e praticado apenas nos chamados “dias de jejum”; e assumiu um caráter de penitência, isto é, de arrependimento, pesar, sacrifício, expiação pelas faltas cometidas (denominadas “pecado” pela Igreja). Num “dia de jejum” só se pode fazer uma refeição completa (no almoço ou na janta) e outras duas incompletas, ou pequenas, isto é, um desjejum reduzido, com pequena quantidade de alimento. Mas, a vida moderna dos dias atuais, com todos os seus problemas, tem feito com que muitos abandonassem ou afrouxassem tal “lei do jejum”.

 O Jejum e o Espiritismo



 O Espiritismo é doutrina de libertação, de renovação íntima, de pureza da mente e do coração. Não tem dogmas nem ritos; por isso não prescreve nenhum tipo de jejum ou de culto religioso. Mas enfatiza a abstinência de más ações, maus procedimentos e maus pensamentos. Por isso, enfatiza que todos busquem o equilíbrio do corpo e da mente, que não maculem o corpo pois ele é o templo do Espírito, que não prejudiquem o próximo pois todos somos filhos do mesmo Pai Criador; por isso, que todos tenham uma vida regrada, sóbria na alimentação e em qualquer campo comportamental, não apenas em dias especiais, mas sempre.

Fonte:

SOUSA E ALMEIDA, José de. O Jejum. O Semeador, São Paulo, janeiro/2002, p.5.