Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O Evangelho Segundo o Espiritismo CAPÍTULO XVII: SEDE PERFEITOS ITENS 5 E 6: PARÁBOLA DO SEMEADOR

11/10/2014


“Naquele dia, saindo Jesus de casa, assentou-se à borda do mar. E vieram muitas pessoas, de tal sorte que, entrando em uma barca, se assentou; e toda a gente estava em pé na ribeira. E lhes falou muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis aí que saiu o que semeia a semear. E quando semeava, uma parte das sementes caiu junto da estrada, e vieram as aves do céu e comeram-na. Outra, porém, caiu em pedregulho, onde não havia muita terra, e logo nasceu, porque não tinha altura de terra. Mas saindo o sol a queimou, e porque não tinha raiz, secou. Outra, igualmente, caiu sobre os espinhos, que cresceram e a afogaram. Outra, enfim, caiu em boa terra, e dava fruto, havendo grãos que rendiam a cento por um, outros a sessenta, outros a trinta. O que tem ouvidos de ouvir, ouça.” ( Mateus, XIII: 1 a 9 )
“Ouvi, pois, vós outros, a parábola do semeador. Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a entende, vem o mal e arrebata o que se semeou no seu coração; este é o que recebeu a semente junto da estrada. Mas o que recebeu a semente no pedregulho, este é o que ouve a palavra, e logo a recebe com gosto; porém, ele não tem em si raiz, antes é de pouca duração, e quando lhe sobrevêm tribulação e perseguição por amor da palavra, logo se escandaliza. E o que recebeu a semente entre espinhos, este é o que ouve a palavra, porém os cuidados deste mundo e o engano das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutuosa. E o que recebeu a semente em boa terra, este é o que ouve a palavra e a entende, e dá fruto, e assim um dá cento, e outro sessenta, e outro trinta por um.” (Mateus, XIII: 18-23)
Jesus, na sua missão de revelar as leis divinas à humanidade, a fim de auxiliá-la, no seu progresso material e espiritual, sendo O PROFESSOR POR EXCELÊNCIA, usou muito do recurso didático da parábola, que é a “narrativa alegórica que transmite uma mensagem indireta, por meio de comparação ou analogia” (1), por dois motivos importantes. O primeiro, para melhor esclarecer seus ensinos e o segundo a fim de que as pessoas que não tinham ainda a maturidade espiritual para compreendê-los, guardando as pequenas histórias em suas mentes, pudessem, mais tarde, não importa quando, refletir sobre elas.
“A parábola do semeador é a parábola das parábolas: sintetiza os caracteres predominantes em todas as almas...” (2), facilitando aos cristãos o conhecer-se a si próprios, colocando-se no item adequado à sua condição espiritual, na classificação feita por Jesus.
Pela explicação do Mestre, pode-se saber se, após conhecer a sua mensagem, continua o homem à beira do caminho, rejeitando a semente divina; ou se permanece nas pedras da sua imperfeição, que impedem o acionamento da boa vontade; ou se permanece nos espinhos do orgulho, do egoísmo, da vaidade e da ambição, abafando a semente divina; ou se abre sua mente e seu coração, dilatando a boa vontade em permanecer no caminho da Boa Nova, que já não é tão nova, compreendendo, finalmente, porque Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida e ninguém vai ao Pai senão por mim”, ou seja, pela vivência dos seus ensinos, pelos frutos produzidos por quem os compreendem, os aceitam, e esforçam-se por viver de acordo com eles.
Allan Kardec, no seu comentário, faz uma comparação entre essa parábola e os espíritas, nas suas diferentes categorias, que vimos no estudo anterior.
A semente caída na beira da estrada é o símbolo dos espíritas que se apegam aos fenômenos materiais, apenas como objetos de curiosidade, sem lhes perceber as consequências intelectuais e morais.
A caída nos pedregulhos simboliza os espíritas que se entusiasmam com as comunicações, satisfazendo sua imaginação, mas, após ouvi-las, continuam indiferentes como antes.
A caída nos espinhos representa os espíritas que acham os conselhos via mediunidade, os ensinos espíritas, muito bons para aplicá-los aos outros.  “Meu marido deveria estar aqui, ouvindo esses conselhos.”, não os julgando necessários para si próprios.
A semente lançada em terra boa simboliza os espíritas que, ao conhecerem a doutrina, seja por qual meio for, percebem a sua importância na revivescência do verdadeiro cristianismo, e se empenham no seu estudo perseverante ao mesmo tempo que se interessam por praticá-la, em si, no seu lar, no seu trabalho, na casa espírita, em qualquer lugar em que estejam.
 Esses poderão produzir, no decorrer de sua existência, com a semente recebida, trinta ou mais por cento, como disse Jesus.

Bibliografia:
1 - Dicionário Houaiss
2 - Schutel, Cairbar - Parábolas e Ensinos de Jesus, ed. O Clarim 10 ed. 1976, pag. 1



Leda de Almeida Rezende Ebner