Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 27 de maio de 2015

09  esboço de o livro dos médiuns

7-33

Allan Kardec - O Livros dos Médiuns - Parte Primeira - Noções Preliminares - cap. 2 - O Maravilhoso e o Sobrenatural

Os críticos afirmam que os fenômenos Espíritas são sobrenaturais

SEGUNDOS OS CRÍTICOS OS FENÔMENOS ESPÍRIITAS SÃO CONTRÁRIOS A QUÊ?

EM QUAL SISTEMA OS CRÍTICOS SE APOIAM?

Os fenômenos Espíritas parecem estar além da lei comum

TENDO EM VISTA TAIS FENÔMENOS PODEMOS AFIRMAR QUE EXISTEM MILAGRES?

Qual o princípio básico de todos os fenômenos Espíritas?

ONDE ESTES FENÔMENOS ESTÃO FUNDAMENTADOS?

Em que constituem os fatos Espíritas suas causas e consequências?

Método

18 Um desejo natural e muito louvável de todo espírita  desejo que se deve sempre encorajar  é o de fazer prosélitos, isto é, novos seguidores. Foi em vista de facilitar sua tarefa que nos propusemos a examinar aqui o caminho mais seguro, conforme nosso ponto de vista, para atingir esse objetivo, a fim de poupar esforços inúteis.

Dissemos que o Espiritismo é toda uma ciência, toda uma filosofia; aquele que quer conhecê-lo seriamente deve, como condição primeira, dedicar-se a um estudo sério e se compenetrar que, mais do que qualquer outra ciência, ele não pode ser aprendido brincando. O Espiritismo, como já dissemos, aborda todas as questões que interessam a humanidade; seu campo é imenso e é, principalmente, em suas consequências que convém ser examinado. A crença nos Espíritos sem dúvida forma sua base, mas não é suficiente para formar um espírita esclarecido, da mesma forma que a crença em Deus não basta para formar um teólogo. Vejamos de que modo convém ensinar a Doutrina Espírita para levar mais seriamente à convicção.

Que os espíritas não se espantem com a palavra ensinar; ensinar não é somente o que se faz do alto da cátedra ou da tribuna; há também o da simples conversação. Toda pessoa que procura convencer uma outra, seja por explicações, seja por experiências, pratica o ensinamento; o que desejamos é que esse esforço alcance resultados, e é por isso que julgamos dever dar alguns conselhos igualmente proveitosos para os que querem se instruir por si mesmos; neles encontrarão o modo de chegar mais segura e rapidamente ao objetivo.

19 Acredita-se geralmente que, para convencer alguém, basta mostrar os fatos; esse parece sem dúvida o caminho mais lógico; entretanto, a experiência mostra que nem sempre é o melhor a se fazer, porque há pessoas a quem os fatos mais evidentes não convencem de maneira alguma. Por que isso acontece? É o que vamos tentar demonstrar.

No Espiritismo, crer na existência dos Espíritos é questão secundária; é uma consequência, não o ponto de partida. É aí precisamente que está o nó da questão que muitas vezes provoca repulsa a certas pessoas.
Os Espíritos não são outra coisa senão a alma dos homens. Assim, o verdadeiro ponto de partida é a existência da alma. Como pode o materialista admitir que seres vivem fora do mundo material quando acredita que ele mesmo é apenas matéria? Como pode admitir Espíritos à sua volta se não acredita ter um em si? Em vão reuniremos diante de seus olhos as provas mais palpáveis; ele contestará todas, porque não admite o princípio.

Todo ensinamento metódico deve caminhar do conhecido para o desconhecido, e para o materialista o conhecido é a matéria; deve-se partir da matéria e procurar, antes de tudo, levá-lo a observá-la, convencê-lo de que há alguma coisa que escapa às leis da matéria; em uma palavra, antes de o tornar espírita, tentai torná-lo espiritualista*; para isso, há toda uma outra ordem de fatos, um ensinamento todo especial em que é preciso proceder por outros meios. Falar-lhe dos Espíritos antes de ele estar convencido de ter uma alma é começar por onde seria preciso acabar, porque ele não pode admitir a conclusão se não admite as bases. Antes de começar a convencer um incrédulo, mesmo pelos fatos, convém se assegurar de sua opinião em relação à alma, ou seja, se ele acredita na sua existência, na sua sobrevivência ao corpo, na sua individualidade após a morte; se a resposta for negativa, será trabalho perdido falar-lhe dos Espíritos. Eis a regra. Não dizemos que não haja exceções, mas nesse caso há provavelmente outra causa que o torna menos refratário.

20 Entre os materialistas, é preciso distinguir duas classes: na primeira os que o são por sistema; para eles não há dúvida, apenas a negação absoluta, raciocinada à sua maneira; aos seus olhos, o homem é apenas uma máquina que funciona enquanto está viva, que se desarranja e da qual, após a morte, resta apenas a carcaça.

São, felizmente, em número muito pequeno e não constituem em nenhuma parte uma escola altamente reconhecida; não temos necessidade em insistir sobre os deploráveis efeitos que resultariam para a ordem social a propagação de uma doutrina semelhante; fomos suficientemente esclarecidos sobre esse assunto em O Livro dos Espíritos, questão no 147, e Conclusão, item no 3.

Quando dissemos que a dúvida cessa para os incrédulos com uma explicação racional, é preciso excluir destes os materialistas, pelo menos os que negam qualquer poder ou princípio inteligente fora da matéria; a maioria deles teima em sua opinião por orgulho e acredita por amor-próprio que são obrigados a persistir nisso; persistem, apesar de todas as provas contrárias, porque não querem se rebaixar. Com essas pessoas, não há nada a fazer; não é preciso nem mesmo se deixar levar pelas falsas aparências de sinceridade dos que dizem: faça-me ver e acreditarei. Há os que são mais francos e dizem vaidosamente: ainda que visse não acreditaria.

21 A segunda classe dos materialistas é muito mais numerosa, porque o verdadeiro materialismo é neles um sentimento antinatural; compreende os que o são por indiferença e, pode-se dizer, por falta de coisa melhor; não o são de caso pensado, e o que mais desejam é crer, porque para eles a incerteza é um tormento. Há neles uma vaga aspiração em relação ao futuro; mas esse futuro lhes foi apresentado de uma forma que sua razão não pode aceitar; daí a dúvida e, como consequência da dúvida, a incredulidade. Para eles, a incredulidade não é um sistema; apresentai-lhes algo de racional e o aceitam de bom grado, estes podem nos compreender, porque estão mais perto de nós do que eles mesmos pensam. Aos primeiros não se deve falar nem de revelação, nem de anjos, nem de paraíso, pois não compreenderiam; mas, ao vos colocar no seu terreno, provai-lhes primeiramente que as leis da fisiologia são impotentes para explicar tudo; o resto virá a seguir. É muito diferente quando a incredulidade não é preconcebida, porque assim a crença não é absolutamente nula; há um germe latente sufocado pelas ervas daninhas, mas que uma faísca pode reanimar; é o cego a quem se restitui a visão e que fica feliz em rever a luz, é o náufrago a quem se estende uma tábua de salvação.

22 Ao lado dos materialistas propriamente ditos, há uma terceira classe de incrédulos que, embora espiritualistas, pelo menos de nome, não são menos refratários; são os incrédulos de má vontade. Estes ficariam zangados em acreditar, porque isso perturbaria sua satisfação com os prazeres materiais; receiam ver condenadas a ambição, o egoísmo e as vaidades humanas, que são os seus prazeres; fecham os olhos para não ver e tapam os ouvidos para não ouvir. Só se pode lamentá-los.

23 Citemos apenas para mencioná-la uma quarta categoria, que chamaremos de incrédulos interesseiros ou de má-fé. Estes sabem muito bem tudo em relação ao Espiritismo, mas o condenam ostensivamente por interesse pessoal. Não há nada a dizer sobre eles, como não há nada a fazer com eles. Se o materialista puro se engana, tem pelo menos a seu favor a desculpa da boa-fé; pode-se corrigi-lo ao provar o erro; porém, nesta categoria de que falamos, há uma determinação radical contra a qual todos os argumentos se chocam; o tempo se encarregará de lhes abrir os olhos e lhes mostrar, talvez à custa de sofrimento, onde estavam seus verdadeiros interesses, porque, não podendo impedir que a verdade se espalhe, serão arrastados pela torrente, juntamente com os interesses que acreditavam salvaguardar.

24 Além de todas essas categorias de opositores, há uma infinidade de nuanças entre as quais se podem contar os incrédulos por covardia: a coragem lhes virá quando virem que os outros não se prejudicam; os incrédulos por escrúpulos religiosos: um estudo esclarecido lhes ensinará que o Espiritismo se apóia sobre as bases fundamentais da religião e respeita todas as crenças e que uma das suas consequências é dar sentimentos religiosos aos que não os têm e fortificá-los naqueles em que estão vacilantes; há ainda os incrédulos por orgulho, por espírito de contradição, por indiferença, por leviandade etc. etc.

25 Não podemos omitir uma categoria que chamaremos de incrédulos por decepções. São pessoas que passaram de uma confiança exagerada à incredulidade, causada por decepções; então, desencorajadas, abandonaram e rejeitaram tudo. É como se alguém negasse a honestidade só por ter sido enganado. É a consequência de um estudo incompleto do Espiritismo e da falta de experiência. Os Espíritos enganam geralmente aqueles que lhes solicitam o que não devem ou não podem dizer e que não são esclarecidos o suficiente sobre o assunto para discernir a verdade da impostura. Muitos, aliás, vêem o Espiritismo apenas como um novo meio de adivinhação e imaginam que os Espíritos existem para adivinhar o futuro; acontece que os Espíritos levianos e zombeteiros não deixam de se divertir à custa dos que pensam dessa forma; é por isso que prometem marido às moças; ao ambicioso, honras, heranças, tesouros escondidos etc.; daí surgem, muitas vezes, decepções desagradáveis, das quais o homem sério e prudente sempre sabe se preservar.

26 Uma outra classe, a mais numerosa de todas, mas que não podemos classificar como opositores, é a dos indecisos; geralmente são espiritualistas por princípio; na sua maioria, têm uma vaga intuição das ideias espíritas, uma aspiração para algo que não podem definir. Falta-lhes somente formular e coordenar os pensamentos; para eles, o Espiritismo é como um raio de luz: é a claridade que dissipa o nevoeiro; por isso o acolhem com entusiasmo, porque os liberta das angústias da incerteza.

27 Se continuarmos examinando as diversas categorias dos que crêem, encontraremos também os espíritas sem o saberem; e, especificamente falando é uma variedade ou uma nuança da classe dos indecisos. Sem nunca terem ouvido falar na Doutrina Espírita, possuem o sentimento inato dos seus grandes princípios, e esse sentimento se percebe em algumas passagens de seus escritos e discursos, a tal ponto que, ao ouvi-los, julgaríamos que são conhecedores da Doutrina. Encontra-se numerosos exemplos disso nos escritores sacros e profanos, nos poetas, nos oradores, nos moralistas, nos filósofos antigos e modernos.