Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Aula 102 - Espíritas Brasileiros 2

Anália Franco

1º fevereiro de 1856 até 20 de janeiro de 1919

A qual profissão ela se dedicou?

Professora, assim como sua mãe.

Qual foi a grande obra criada por ela?

Junto a associação de mulheres, ela montou um colégio com o objetivo de instruir e educar crianças pobres e indigentes da capital paulista.

Em 1904 teve apoio do senado em sua instituição.

Com seis anos de existência deste projeto, a instituição mantinha 22 escolas maternais e 2 noturnas em são Paulo e mais 5 no interior. Cerca de 2000 crianças eram atendidas.

Existiam 100 alunas se formando também professoras para dar continuidade a todo esse projeto.

Anália Franco esteve a frente de toda essa obra e sempre contou com o apoio político e da imprensa ex: O estado, correio paulistano, Diário popular, etc.

A igreja da época, sabendo que Anália franco era espírita, usava de suas próprias publicações para atacar e criticar esses trabalhos. Ao que Anália franco era defendida pela imprensa leiga.

O Objetivo de Anália Franco era o de diminuir cada vez mais a necessidade da esmola, pelo desenvolvimento da educação e do trabalho de que provêm o bem estar e a moralidade das classes pobres.

Alguns anos mais tarde, por volta de 1908, a muito custo, Anália franco conseguiu comprar uma fazenda no bairro da Mooca e que serviu de local para instrução de muitas mulheres. Ali elas aprendiam profissões de forma a poderem ter uma vida digna.

Bezerra de Menezes
nascido no ceara em 29 de agosto de 1831. Era de uma das primeiras famílias que vieram do Sul para o nordeste para ajudar a desenvolver aquela região. Sua família tinha grande influencia política.

Foi para o Rio de Janeiro em 1951

Formou-se médico em 1956

Em 1957 entrou para o corpo de saúde do exercito.

Foi vereador de 1873 a 1881. Durante esse período ocupou várias vezes o cargo de presidente da câmara.

Em 1867 foi eleito deputado geral pelo Rio de Janeiro.

1885 após muitos anos de grandes obras na vida pública, Bezerra de Menezes encerra sua carreira política.

 Já em 1875, com a primeira versão traduzida do Livro dos espíritos, Bezerra toma contato com essa doutrina e narra o seguinte fato: Lia, mas não encontrava nada que fosse novo para meu espírito, entretanto tudo aquilo era novo para mim! Eu tinha lido ou ouvido tudo o que se achava naquele livro. Preocupei-me seriamente com este fato maravilhoso e a mim mesmo dizia: parece que eu era espírita inconsciente ou ainda de nascença.

Mas só em 1886 em auditório na então fundada FEB que Bezerra de Menezes declara sua adesão ao espiritismo.

Em 1891 termina de traduzir o livro Obras póstumas.

E ao final deste mesmo ano iniciam-se movimentos cientificistas dentro da própria federação, ao que se afasta destes movimentos Bezerra de Menezes, permanecendo, porém, fiel ao estudo do livro dos espíritos realizado no
Grupo Ismael.

Em 1895, a FEB começa a declinar economicamente e elegem Bezerra presidente no intuito de salvar a instituição.

Nisso, ele vinculou a imagem da FEB aos seguintes princípios: Deus, Cristo e Caridade.

Bezerra sempre quis conduzir os trabalhos da FEB pelas vias da evangelização. Sempre foi combatido pela maioria que ainda estava preza ao lado cientifico da doutrina.

É por isso que sua missão junto a Ismael só se consagra quando ele começa atender os pobres e desvalidos gratuitamente. E na cena mais comovente, temos bezerra de Menezes entregando seu anel de médico uma pobre coitada que não tinha recursos para comprar os remédios recomendados pelo médico.

Hoje, Bezerra de Menezes é o venerável mestre da fraternidade dos humildes e é diretamente responsável pelas equipes de recolhimento das vibrações no plano espiritual.

Cairbar Schutel

Nascido em 22 de setembro de 1968 no Rio de Janeiro

Aos 10 anos perdeu sua mãe e seu pai.

Aos 17 anos já tendo se tornado um hábil prático de farmácia, mudou-se para o interior, passando por algumas cidades até se estabelecer em Matão.

Naquela época, Matão lutava por se tornar um município independente de Araraquara e Cairbar Schutel teve grande importância neste processo, tornando-se então o primeiro presidente da Câmara municipal em 1889.

Anos depois, ele passa a tomar contato com os espíritas daquela cidade. E apesar de ser recomendado não ter este tipo de amizades ele insiste em conhecer o espiritismo e fica fascinado com essa doutrina.

A partir daí ele se torna o maior defensor da doutrina. Ele funda um centro espírita, Amantes da pobreza que até hoje ainda existe e em seguida cria o jornal o Clarim, que se dedicava a falar sobre o espiritismo.

Nisso, ele transformou sua casa e sua farmácia em pontos de caridade e auxilio aos desvalidos.

Nesta época, com o aumento da popularidade de Cairbar Schutel um padre militante daquela região passa a discursar contra o espiritismo e realizar campanha para que as pessoas boicotassem o centro e a farmácia de Cairbar.

Mancomunado com o delegado da cidade, ele emite uma ordem para que o centro seja fechado. Vários padres de regiões próximas passam a discursar contra o espiritismo e principalmente contra Cairbar.

Com isso, Cairbar se propõem a um dia ir a praça pública para esclarecer quaisquer duvidas sobre o espiritismo.

Nesse dia, o padre monta uma equipe de fanáticos que saem pela rua fazendo barulho e estardalhaços para que o preletor não seja ouvido. Quando eles passam pela casa de um advogado que tinha a mulher enferma, seu estado piora devido a barulheira produzida pelo padre. Ele vai até praça pública e acusa o padre. Seus comparsas se dispersam com medo e ele tem sua moral abalada.

Mais tarde ele é transferido para uma paróquia em Araraquara mas antes vai ao encontro de Cairbar Schutel para se despedir e entrega a ele uma bíblia com uma imensa dedicatória falando de seus erros e selando uma profunda amizade.