Pesquisar este blog

Páginas

sexta-feira, 29 de maio de 2015

09  esboço de o livro dos médiuns
8-33

28 Dentre aqueles que aceitaram a Doutrina Espírita estudando-a, podemos distinguir:
1o) Aqueles que acreditam pura e simplesmente nas manifestações dos Espíritos. O Espiritismo é para eles uma simples ciência da observação, uma série de fatos mais ou menos curiosos; nós os chamaremos espíritas experimentadores.
2o) Aqueles que não vêem no Espiritismo nada além dos fatos; compreendem a parte da filosofia, admiram a moral que dela se origina, mas não a praticam. A influência da Doutrina sobre seu caráter é insignificante ou nula; não mudam nada em seus costumes e não renunciam a um único prazer: o avarento continua a ser mesquinho; o orgulhoso, sempre cheio de amor-próprio; o invejoso e o ciumento sempre hostis; para estes, a caridade cristã é apenas uma bela máxima; são os espíritas imperfeitos.
3o) Aqueles que não se contentam em admirar a moral espírita, mas que a praticam e aceitam todas as suas consequências. Convencidos de que a existência terrestre é uma prova passageira, fazem o possível para aproveitar esses curtos instantes e avançar na direção do caminho do progresso, para poderem se elevar na hierarquia do mundo dos Espíritos, esforçando-se para fazer o bem e reprimir suas tendências para o mal. A caridade está em todas as coisas, é a regra para sua conduta; aí estão os verdadeiros espíritas, ou melhor, os espíritas cristãos.
4o) Finalmente, há os espíritas exaltados. A espécie humana seria perfeita se tomasse sempre o lado bom das coisas. O exagero em tudo é prejudicial. No Espiritismo, ele provoca a confiança cega e infantil nas coisas do mundo invisível e faz aceitar muito facilmente e sem cuidado o que a reflexão e o exame demonstrariam ser absurdo ou impossível. O entusiasmo não faz raciocinar, deslumbra. Essa espécie de seguidores da Doutrina é mais prejudicial do que útil para a causa do Espiritismo; são os menos competentes para convencer, porque se desconfia, com razão, de seu julgamento; são enganados na sua boa-fé por Espíritos mistificadores, enganadores, ou por pessoas que procuram explorar sua credulidade. Se as consequências disso atingissem somente a eles, haveria apenas inconvenientes; o pior é que dão, inocentemente, argumentos aos incrédulos que procuram antes ocasiões de zombar do que de se convencer e não deixam de impor a todos o ridículo de alguns. Isso, sem dúvida, não é nem justo nem racional; mas, como já se sabe, os adversários do Espiritismo apenas reconhecem a sua razão como de boa qualidade, e procurar conhecer a fundo aquilo do que falam é o menor de seus cuidados.
29 As maneiras pelas quais se aceita a Doutrina variam muito conforme os indivíduos; o que persuade uns não consegue nada sobre outros;um é convencido observando algumas manifestações, outro, pelas comunicações inteligentes, e uma grande parte, pelo raciocínio. Até mesmo podemos dizer que, para a maioria, os fenômenos não despertam interesse ou são de pouco significado. Quanto mais esses fenômenos são extraordinários e se afastam das leis conhecidas, maior oposição encontram, e isso por uma razão muito simples: se é naturalmente levado a duvidar de uma coisa da qual não se tem um conhecimento racional; cada um a vê de acordo com o seu ponto de vista e a explica à sua maneira: o materialista vê uma causa puramente física ou um embuste; o ignorante e o supersticioso vêem uma causa diabólica ou sobrenatural; porém, uma prévia explicação tem por efeito anular as ideias preconcebidas e aclarar, senão a realidade, pelo menos a possibilidade do fenômeno; compreende-se antes de o ter visto; acontece que, a partir do momento em que a possibilidade é reconhecida, estamos a meio caminho da convicção.
30 Vale a pena tentar convencer um incrédulo obstinado? Dissemos que depende das causas e da natureza de sua incredulidade; muitas vezes, a insistência em querer convencê-lo o faz acreditar em sua importância pessoal, que é uma razão para a sua teimosia. Aquele que não se convenceu nem pelo raciocínio nem pelos fatos é porque ainda deve sofrer a prova da incredulidade; é preciso confiar à Providência o momento de circunstâncias mais favoráveis; muitas pessoas pedem para receber a luz; não há que perder tempo com aquelas que a repelem. Dirigi-vos aos homens de boa vontade, cujo número é maior do que se acredita, e seu exemplo, ao se multiplicar, vencerá mais resistências do que as palavras. O verdadeiro espírita nunca deixará de fazer o bem; há sempre corações aflitos a amparar, consolações a dar, desesperados a acalmar, reformas morais a realizar; aí está a sua missão, e nela encontrará sua verdadeira satisfação. O Espiritismo está no ar; ele se espalha pela força dos fatos e porque torna felizes aqueles que o professam. Quando seus adversários sistemáticos o ouvirem ressoar ao redor deles, entre seus próprios amigos, compreenderão seu isolamento e serão forçados a se calar ou a se render.
31 Para se ensinar o Espiritismo, como qualquer outra ciência, seria preciso passar em revista toda a série de fenômenos que se podem produzir, a começar pelos mais simples, chegando sucessivamente aos mais complicados. Mas não pode ser assim, porque seria impossível fazer um curso de Espiritismo experimental como se faz um de física e química. Nas ciências naturais opera-se a matéria bruta, que se manipula à vontade e sempre se tem a certeza de regular os efeitos. No Espiritismo, lidamos com inteligências, que têm liberdade e nos provam a cada instante que não são submissas aos nossos caprichos; é preciso, portanto, observar, esperar os resultados colhendo-os no exato momento; daí termos afirmado claramente que todo aquele que se vangloriasse de obtê-los à vontade seria apenas um ignorante ou um impostor. Eis por que o verdadeiro Espiritismo jamais será um espetáculo e nunca se apresentará sobre um tablado. Realmente há algo de ilógico em supor que os Espíritos venham desfilar e se submeter à investigação como objetos de curiosidade. Os fenômenos poderiam não acontecer quando se tivesse necessidade ou se apresentar em uma outra ordem totalmente diferente daquela que desejaríamos. Acrescentamos ainda que, para obtê-los, é preciso pessoas dotadas de faculdades especiais, que variam ao infinito conforme a aptidão dos indivíduos; acontece que, como é extremamente raro que a mesma pessoa tenha todas as mediunidades, é uma dificuldade a mais, porque seria preciso sempre ter à mão uma verdadeira coleção de médiuns, o que é totalmente impossível.
O meio de superar esse inconveniente é simples; basta começar estudando a teoria na qual todos os fenômenos são passados em revista, são explicados, podendo deles se inteirar, compreender a sua possibilidade, conhecer as condições nas quais podem se produzir e os obstáculos que se podem encontrar; independentemente da ordem em que venham a acontecer, não há nada que nos possa surpreender. Esse caminho oferece ainda outra vantagem: poupar o experimentador que quer operar por si mesmo de uma série de decepções; precavido contra as dificuldades, pode se manter em guarda e evitar adquirir experiências à sua custa.
Desde que nos ocupamos com o ensino do Espiritismo, seria difícil dizer o número de pessoas que vieram depois de nós e, entre estas, quantas vimos permanecer indiferentes ou incrédulas na presença dos fatos mais evidentes e entretanto se convencer mais tarde por uma explicação racional; quantas outras foram predispostas à convicção pelo raciocínio; enfim, quantas foram persuadidas sem terem visto nada, simplesmente porque haviam compreendido. É, portanto, por experiência que falamos, e é também porque dizemos que o melhor método de ensinamento espírita é o de se dirigir à razão antes de se dirigir aos olhos. É o que seguimos em nossas lições, e temos alcançado muito sucesso.
32 O estudo preliminar da teoria tem uma outra vantagem: mostrar imediatamente a grandeza do objetivo e o alcance dessa ciência; aquele que se inicia no Espiritismo vendo uma mesa girar ou bater está mais propenso ao espetáculo, porque não imagina que de uma mesa possa sair uma doutrina regeneradora da humanidade. Sempre notamos que aqueles que acreditaram antes de terem visto, porque leram e compreenderam, longe de se ater ao superficial, são, ao contrário, os que mais refletem, ligando-se mais ao fundo do que à forma. Para eles, a parte filosófica é a principal e os fenômenos propriamente ditos são o acessório; dizem a si mesmo que, se os fenômenos não existissem, teríamos uma filosofia, que é a única capaz de resolver os problemas até agora insolúveis, a única que apresenta uma teoria racional do passado do homem e de seu futuro. Sua razão prefere uma doutrina que explica àquelas que nada explicam ou que explicam mal. Todo aquele que reflete compreende muito bem que a Doutrina se afirma e subsiste independentemente das manifestações espirituais, que vêm fortificá-la, confirmá-la, mas que não são a sua base essencial; o observador consciencioso não as repele; ao contrário, ele espera as circunstâncias favoráveis que lhe permitirão testemunhá-las. A prova de que avançamos é que, antes de ter ouvido falar sobre as manifestações, uma grande quantidade de pessoas teve a intuição da Doutrina e apenas aguardava que se lhe desse um corpo, uma conexão lógica às ideias.
33 Também não seria exato dizer que aqueles que começam pela teoria deixam de ter o conhecimento das manifestações práticas; ao contrário, eles o têm, e, aos seus olhos, porque conhecem as causas, elas se revelam mais naturais, precisas e valiosas; são os numerosos fatos das manifestações espontâneas, das quais falaremos nos capítulos a seguir. Há poucas pessoas que não têm conhecimento delas, ainda que seja por ouvir falar; muitos as viveram pessoalmente, sem lhes prestar maior atenção. A teoria explica os fatos, e esses fatos têm grande importância quando se apóiam em testemunhos irrecusáveis, porque não tiveram nem preparações nem cumplicidade. Se os fenômenos provocados não existissem, os fenômenos espontâneos bastariam, e o Espiritismo igualmente lhes daria uma solução racional, o que já seria muito. Por isso, a maior parte daqueles que estudam a teoria com antecedência relembram-se dos fatos vividos, que confirmam a teoria.
34 Estaria redondamente enganado quem supusesse que aconselhamos desprezar os fatos; é pelos fatos que chegamos à teoria; é verdade que para isso foi preciso um trabalho assíduo de muitos anos e milhares de observações; mas, uma vez que os fatos nos serviram e servem todos os dias, seríamos inconsequentes com nós mesmos se lhes negássemos a importância que têm, especialmente quando fazemos um livro destinado a conhecê-los. Dizemos entretanto que, sem o raciocínio, os fatos não bastam para se chegar à convicção; que uma explicação preliminar, expondo as prevenções e mostrando que os fatos não têm nada de contrário à razão, dispõe as pessoas a aceitá-los. Isso é tão verdadeiro que de dez pessoas que assistam a uma sessão de experimentação, nove sairão sem estarem convencidas, e algumas sairão mais incrédulas do que antes, porque as experiências não respondem às suas expectativas. Será completamente diferente com aquelas que puderem compreender os fatos mediante um conhecimento teórico antecipado, porque esse conhecimento iria servir de meio de controle, de forma que, por conhecerem, nada irá surpreendê-las, nem mesmo o insucesso, pois sabem em que condições os fatos se produzem e que não se pode pedir-lhes o que não podem dar. A compreensão prévia dos fatos as coloca, então, a ponto de entender não só todas as anomalias, mas também de notar uma multidão de detalhes, de nuanças, muitas vezes delicados, que são para elas meios de convicção e que escapam ao observador ignorante. Esses são os motivos que nos levam a admitir em nossas sessões experimentais apenas pessoas com noções preparatórias suficientes para compreender o que se faz; acreditamos que as outras perderiam seu tempo ou nos fariam perder o nosso.
35 Àqueles que quiserem adquirir esses conhecimentos preliminares pela leitura de nossas obras, eis a ordem que aconselhamos:
1o) O que é o Espiritismo? Essa brochura de apenas cem páginas é uma exposição resumida dos princípios da Doutrina Espírita, um relance geral que permite abraçar o conjunto sob um quadro restrito. Em poucas palavras, vê-se o objetivo, e pode-se julgar sua importância. Contém as principais questões e objeções que as pessoas novatas habitualmente fazem. Essa primeira leitura, que necessita apenas de pouco tempo, é uma introdução que facilita um estudo mais aprofundado.
2o) O Livros dos Espíritos. Contém a Doutrina completa ditada pelos próprios Espíritos, com toda sua filosofia e todas as suas consequências morais; é a revelação do destino do homem, a iniciação à natureza dos Espíritos e aos mistérios da vida do além-túmulo. Ao lê-lo, compreende-se que o Espiritismo tem um objetivo sério, e não é um passatempo fútil.
3o) O Livro dos Médiuns. É destinado a guiar a prática das manifestações pelo conhecimento dos meios mais apropriados para se comunicar com os Espíritos; é um guia tanto para os médiuns quanto para os evocadores e o complemento de O Livro dos Espíritos.
4o) Revista Espírita1. É uma coletânea variada de fatos, explicações teóricas e trechos destacados que completa o que foi dito nas duas obras precedentes e que é de alguma forma a sua aplicação. A leitura pode ser feita ao mesmo tempo, mas será mais proveitosa e mais inteligível especialmente após a leitura de O Livro dos Espíritos.
Isso em relação a nós. Aqueles que querem conhecer tudo em uma ciência devem necessariamente ler tudo o que é escrito sobre a matéria ou pelo menos as coisas principais, e não se limitar a um único autor; devem mesmo ler os prós e os contras, tanto as críticas como as opiniões elogiosas, e estudar os diferentes sistemas, a fim de poder julgar com conhecimento. Nesses assuntos, não indicamos nem criticamos nenhuma obra, não querendo influenciar em nada a opinião que se pode formar dela; trazendo nossa pedra ao edifício, fizemos o que devíamos; não nos cabe ser juiz e parte, e não temos a ridícula pretensão de sermos os únicos portadores da luz; cabe ao leitor separar o bom do mau, o verdadeiro do falso.