Pesquisar este blog

Páginas

segunda-feira, 25 de maio de 2015

09  esboço de o livro dos médiuns
C B - Aula 09 - Esboco De # O Livro Dos Mediuns(2).doc 5=33
OBJETIVO DA OBRA
Allan Kardec - O Livros dos Médiuns - Parte Primeira - Noções Preliminares - cap. 1 - Há Espíritos?
O Espiritismo toma por base três princípios básicos para responder esta questão
QUE PRINCÍPIOS SÃO ESTES?
Muitos afirmam que não é possível a comunicação entre Espíritos desencarnados e encarnados
COMO O ESPIRITISMO ARGUMENTA A RESPEITO?
O MARAVILHOSO E O SOBRENATURAL
Dynamic text markers: Capítulo 02
O Maravilhoso e o Sobrenatural
7 Se a crença nos Espíritos e nas suas manifestações fosse uma concepção isolada, produto de um sistema, poderia, com certa razão, ser considerada ilusão; mas nos digam, então, por que é encontrada tão clara entre todos os povos antigos e modernos, nos livros santos de todas as religiões conhecidas? Alguns críticos dizem: é porque o homem sempre amou o maravilhoso em todos os tempos. Então, o que é maravilhoso para vós? Maravilhoso é o sobrenatural. O que entendeis por sobrenatural? O que é contrário às leis da natureza é sobrenatural. Então deveis conhecer tão bem essas leis que julgais possível fixar um limite ao poder de Deus? Pois bem! Então provai que a existência dos Espíritos e suas manifestações são contrárias às leis da natureza; que não é nem pode ser uma dessas leis. Examinai a Doutrina Espírita e vede se o seu encadeamento não tem todos os caracteres de uma lei admirável, que resolve tudo o que as filosofias não puderam resolver até o momento. O pensamento é um dos atributos do Espírito; a possibilidade que ele tem de agir sobre a matéria, de impressionar nossos sentidos e, por conseguinte, de transmitir seu pensamento, resulta, se podemos nos exprimir assim, de sua constituição fisiológica; portanto, não há no fato nada de sobrenatural, nada de maravilhoso. Que um homem morto, e bem morto, reviva corporalmente, que seus membros dispersos se reúnam para formar novamente o corpo, isso sim seria o maravilhoso, o sobrenatural, o fantástico; isso seria contrário a Lei, que Deus somente pode realizar por um milagre; mas não há nada semelhante na Doutrina Espírita.
8 Entretanto, havereis de dizer, admitis que um Espírito pode erguer uma mesa e mantê-la no espaço sem ponto de apoio; não é isso contrário a lei da gravidade? Sim, da lei conhecida; mas será que a natureza disse a sua última palavra? Antes que se tivesse experimentado a força ascensional de certos gases, quem diria que uma máquina pesada, levando muitos homens, pudesse se erguer do chão e superar a força de atração? Aos olhos de pessoas simples, isso não deve parecer maravilhoso, diabólico? Aquele que tivesse proposto, há séculos, transmitir um telegrama, uma mensagem, a 3.300 quilômetros e receber a resposta em segundos teria passado por louco; se o tivesse feito, teriam dito que era coisa do diabo, porque apenas o diabo seria capaz de agir tão rapidamente. Por que um fluido desconhecido não teria a propriedade, nessas circunstâncias, no caso da mesa que se ergue, de contrabalançar o efeito da gravidade, como o hidrogênio contrabalança o peso do balão? Notemos isso de passagem, é uma comparação, e não uma assimilação, unicamente para mostrar, por pontos de semelhança, que o fato não é impossível. Acontece que foi precisamente quando os sábios, na observação dos fenômenos espíritas, quiseram proceder pelo caminho da assimilação que eles se enganaram. Contudo, o fato está aí; todas as negações não poderão fazer com que ele deixe de existir, porque para nós negar não é provar. Não tem nada de sobrenatural, é tudo o que podemos dizer no momento.
9 Se o fato está constatado, dirão, nós o aceitamos; aceitamos até mesmo a causa que o origina, um fluido desconhecido; mas e a intervenção dos Espíritos? Isso é maravilhoso, sobrenatural.
Aqui seria preciso toda uma demonstração sem sentido e, aliás, repetitiva, pois sobressai em todo ensinamento. Entretanto, para resumi-la em algumas palavras, diremos que a teoria está fundada sobre o seguinte princípio: todo efeito inteligente deve ter uma causa inteligente. Do ponto de vista da prática, diremos que os fenômenos espíritas, tendo dado provas de inteligência, hão de ter sua causa fora da matéria; que essa inteligência não sendo a dos assistentes, como se comprovou, deve estar fora deles; uma vez que não se via o ser agindo, era, portanto, um ser invisível. Foi assim que, de observação em observação, se chegou a conhecer que esse ser invisível, ao qual se deu o nome de Espírito, não era outro senão a alma dos que viveram corporalmente, aos quais a morte despojou de seu grosseiro corpo físico, deixando-lhes apenas um envoltório etéreo, invisível em seu estado normal. Eis, assim, o maravilhoso e o sobrenatural reduzidos à sua expressão mais simples. Uma vez constatada a existência de seres invisíveis, sua ação sobre a matéria resulta da natureza de seu envoltório fluídico; é uma ação inteligente, visto que, ao morrer, deixaram o corpo, mas conservaram a inteligência, que é sua essência. Nisso está a chave de todos esses fenômenos considerados erroneamente sobrenaturais. A existência dos Espíritos não é, em vista disso, um sistema preconcebido, uma hipótese imaginada para explicar os fatos; é o resultado de observações e a consequência natural da existência da alma; negar essa causa é negar a alma e seus atributos. Se aqueles que pensam poder dar a esses efeitos inteligentes uma solução mais racional, podendo principalmente explicar a razão de todos os fatos, queiram fazê-lo, e então se poderá discutir o mérito de cada um.
10 Aos olhos dos que consideram a matéria a única força da natureza, tudo o que não pode ser explicado pelas leis da matéria é maravilhoso ou sobrenatural, e maravilhoso é, para eles, sinônimo de superstição. Partindo dessa ideia, a religião, fundada sobre um princípio imaterial, seria uma teia de superstições; não ousam dizê-lo bem alto, mas o dizem à boca-pequena, e acreditam salvar as aparências ao concordar que é preciso uma religião para o povo e para tornar as crianças boazinhas e educadas; acontece que de duas coisas uma: ou o princípio religioso é verdadeiro ou é falso; se é verdadeiro, é para todos; se é falso, não é melhor para os ignorantes do que para as pessoas esclarecidas.
11 Os que atacam o Espiritismo em nome do maravilhoso se apóiam geralmente no princípio materialista, uma vez que, negando todo efeito extramaterial, negam, por isso mesmo, a existência da alma; sondai o fundo de seu pensamento, estudai bem o sentido de suas palavras e vereis quase sempre esse princípio, categoricamente formulado ou camuflado sob as aparências de uma pretensa filosofia racional com que o encobrem. Ao rejeitar por conta do maravilhoso tudo o que decorre da existência da alma, estão rigorosamente consequentes consigo mesmos; não admitindo a causa, não podem admitir os efeitos; daí haver entre eles uma opinião preconcebida que os torna incapazes de um julgamento imparcial do Espiritismo, visto que partem do princípio de negar tudo o que não é material. Quanto a nós, pelo fato de admitirmos os efeitos que são a consequência da existência da alma, será que aceitamos todos os fatos qualificados de maravilhosos, que somos defensores de todos os sonhadores, que somos adeptos de todas as utopias*, de todos os sistemas excêntricos e estranhos? Seria preciso conhecer bem pouco o Espiritismo para supor dessa maneira; mas nossos adversários não pensam assim. A obrigação de conhecer aquilo de que falam é o menor de seus cuidados. Para eles, o maravilhoso é absurdo; o Espiritismo se apóia nos fatos maravilhosos, logo é absurdo: é para eles um julgamento sem apelação, sem contestação. Acreditam apresentar um argumento sem réplica1 quando, após terem feito pesquisas eruditas sobre os convulsionários de Saint-Médard2, os calvinistas de Cévennes3 ou as religiosas de Loudun4, chegaram à conclusão de fraude indiscutível que ninguém contesta; mas essas histórias têm fundamento no Espiritismo? Os espíritas alguma vez negaram que o charlatanismo havia explorado alguns fatos em seu proveito, que a imaginação havia criado muitos deles e que o fanatismo tivesse exagerado muito? O Espiritismo não é solidário com as extravagâncias que se pode cometer em seu nome, assim como a verdadeira ciência não o é com os abusos da ignorância nem a verdadeira religião não o é com os excessos do fanatismo. Muitos críticos apenas comparam o Espiritismo aos contos de fadas e lendas populares, que são ficções: seria como julgar a história pelos romances históricos ou as tragédias.
12 Em lógica elementar, para discutir um assunto, é preciso conhecê-lo, porque a opinião de um crítico somente tem valor quando ele fala com perfeito conhecimento de causa; somente assim sua opinião, ainda que contrária, pode ser levada em consideração; mas qual é seu peso quando analisa uma matéria que não conhece? O verdadeiro crítico deve provar não somente erudição, mas também um saber profundo no que diz respeito à causa em estudo, um julgamento sadio e uma imparcialidade a toda prova, senão o primeiro violinista que aparecesse poderia achar-se no direito de julgar Rossini, e um pintor de paredes, de censurar Rafael.
13 O Espiritismo não aceita todos os fatos considerados maravilhosos ou sobrenaturais; longe disso; ele demonstra a impossibilidade de um grande número deles e o ridículo de certas crenças que são, propriamente falando, superstições. É verdade que, naquilo que ele admite, há coisas que para os incrédulos são puramente do maravilhoso, ou seja, da superstição. Que seja. Mas então que se discutam apenas esses pontos, pois sobre os outros não há nada a dizer, e pregais em vão. Ao atacar o que ele mesmo refuta, provais vossa ignorância do assunto, e vossos argumentos caem no vazio. Haverão de perguntar: Mas até onde vai a crença no Espiritismo? Lede, observai e o sabereis. Toda ciência se adquire somente com o tempo e o estudo; acontece que o Espiritismo, que toca as questões mais graves da filosofia, em todos os ramos da ordem social, que compreende ao mesmo tempo o homem físico e o homem moral, é por si só toda uma ciência, uma filosofia, que não pode ser apreendida em algumas horas, como qualquer outra ciência. Haveria tanta infantilidade em ver todo o Espiritismo confinado a uma mesa giratória como em ver toda física resumida a alguns jogos infantis. Para todos os que não querem ficar na superfície, não são horas, mas meses e anos que serão precisos para sondar o conjunto, todo o edifício. Que se julgue, diante disso, o grau de saber e o valor da opinião dos que atribuem a si o direito de julgar por terem visto uma ou duas experiências como distração ou passatempo. Dirão, sem dúvida, que não têm tempo disponível para dar atenção a esse estudo; nada os obriga a isso; mas, quando não se tem tempo de aprender uma coisa, não se deve falar sobre ela, e ainda menos julgá-la, se não quiser ser tachado de leviandade; acontece que, quanto mais se ocupa uma posição elevada na ciência, menos se é desculpável por tratar levianamente de um assunto que não se conhece.
14 Podemos resumir da seguinte maneira o que acabamos de expor:
1o) todos os fenômenos espíritas têm como princípio a existência da alma, sua sobrevivência ao corpo e suas manifestações;
2o) esses fenômenos, estando fundados numa lei da natureza, não têm nada de maravilhoso nem de sobrenatural, no sentido vulgar destas palavras;
3o) muitos fatos são considerados sobrenaturais por não se lhes conhecer a causa; o Espiritismo, ao lhes definir a causa, os traz para o domínio dos fenômenos naturais;
4o) entre os fatos qualificados de sobrenaturais, há muitos que o Espiritismo demonstra classificando-os entre as crenças supersticiosas;
5o) ainda que o Espiritismo reconheça em muitas das crenças populares um fundo de verdade, não aceita de modo algum como fatos espíritas histórias fantásticas criadas pela imaginação;
6o) julgar o Espiritismo pelos fatos que ele não admite é dar prova de ignorância e emitir uma opinião sem valor;
7o) a explicação dos fatos admitidos pelo Espiritismo, suas causas e consequências morais constituem toda uma ciência e toda uma filosofia, que requer um estudo sério, perseverante e aprofundado, e
8o) o Espiritismo somente pode considerar crítico sério aquele que haja visto tudo, estudando e aprofundado-se, com a paciência e a perseverança de um observador consciencioso; que soubesse tanto sobre o assunto quanto o mais esclarecido dos seus estudiosos; que tivesse alcançado seus conhecimentos em outros lugares que não nos romances da ciência; a quem não se poderia apresentar nenhum fato que ele não conhecesse, nenhum argumento sobre o qual não tivesse meditado; que contestasse não por meras negações, mas com argumentos mais convincentes; que pudesse, enfim, comprovar uma causa mais lógica aos fatos averiguados. Esse crítico ainda está por vir.