Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 17 de dezembro de 2016

ALCOOLISMO E ESPIRITISMO

ALCOOLISMO E ESPIRITISMO


Alcoolismo é um estado patológico originado pelo abuso de bebidas alcoólicas. Médicos e Psiquiatras consideram-no uma doença,  que requer tratamento específico. O impulso descontrolado para beber tem muitas causas, entre as quais estão a insegurança, o medo, a timidez e os problemas familiares. Os jovens estão apelando para a bebida alcoólica, porque nela há o etanol, ou seja, o álcool etílico utilizado nas bebidas, uma substância repressora do sistema nervoso central, que inibe a censura interna e derruba o autocontrole e a autocrítica, quando usado em pequenas quantidades.

Pesquisas realizadas pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, Cebrid, da Universidade Federal de São Paulo e pela Inter Science Informação e Tecnologia  revelaram um aumento substancial do consumo de bebidas alcoólicas entre os jovens. A Cebrid, por exemplo, na pesquisa feita em escolas estaduais de 1º e 2º graus de dez Estados brasileiros, constatou que 19% dos jovens entre 10 e 18 anos tomam bebida alcoólica mais de seis vezes por mês, o que em termos médicos já caracteriza uso freqüente da substância. Há sete anos, esse índice era de 14%. Por outro lado, em 1995, a Inter Science entrevistando 600 adolescentes de São Paulo e do Rio de Janeiro, constatou que 42% deles tomam bebidas alcoólicas de vez em quando. Um índice bem superior ao dos que usam maconha (4%) e cocaína (1%).

A medicina terrestre tem feito esforços para resolver o problema. Nos Estados Unidos, em 1984, descobriu-se a ReVia, nome comercial da Naltrexone, remédio que deveria ser usado por pessoas viciadas em heroína e que se mostrou eficaz no combate ao alcoolismo. Os pesquisadores acreditam que o medicamento deve se ligar a receptores específicos (chamados de receptores opióides) no cérebro. Essa ligação atuaria no mecanismo “craving” (compulsão, desejo incontrolável) de beber. Remédio ainda pouco eficaz, porque só atua nos momentos de crise aguda.

O alcoolismo, do ponto de vista espiritual, é uma responsabilidade do próprio Espírito. Muitas vezes culpamos o meio ambiente, a televisão, o rádio e o cinema, mas esquecemo-nos de que temos o livre-arbítrio e a vontade de o evitar. O espírita tem outras razões para serem analisadas: uma delas, é o fato de poder ter sido um alcoólatra numa encarnação anterior. Quando reencarna, reencarna com tendência ao vício de beber; a outra, não menos importante, é a influência dos Espíritos obsessores que nos induzem a beber, para que eles possam absorver a substância etílica emanada da bebida.

Caso tomemos bebidas alcoólicas, útil se tornar fazer o teste Cage, iniciais das palavras cut-down (diminuir), annoyed (aborrecido), guilty (culpado) e eye-opener (olho aberto). O resultado não é conclusivo, mas serve para indicar grau de dependência com relação à bebida. Assim, quando acharmos que deveríamos parar de beber, porque bebemos demais, quando ficarmos chateados porque alguém achou que bebemos muito, quando nos sentimos culpados pela maneira de beber, ou quando bebemos logo que levantamos, devemos considerar-nos dependentes do álcool, que precisa de tratamento.

A prece, a boa leitura e os bons conselhos ajudam. Mas somente conseguiremos bom êxito, quando nos conscientizarmos que somos alcoólatras e que “tem gente que pode beber, outros não podem”.



ARTIGOS DE SÉRGIO BIAGI GREGÓRIO