Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Evangelho Redivivo *DEVER*

Evangelho Redivivo


*DEVER*

*Dever* - do lat. devere significa a obrigação moral determinada, expressa numa regra de ação. É o princípio da ação e estriba-se na razão.

A consciência moral é a determinante de nossas ações. Pode ser entendida como a capacidade que temos de escolher o nosso caminho na vida. Num sentido mais amplo e profundo, a consciência moral é a opção entre o bem e o mal. Embora as noções de bem e de mal sejam absolutas, cada um de nós age de conformidade com a percepção relativa de que foi capaz de absorver. Contudo, leva-se em conta, ainda, os usos e costumes de cada povo.

A consciência moral liga-se ao livre-arbítrio e este ao dever. O Dever, que é o exercício do livre-arbítrio, começa no ponto em que ameaçamos a liberdade do próximo e termina no limite em que não gostaríamos de ver ultrapassado com relação a nós mesmos. O cumprimento do dever depende das circunstâncias, ou seja, implica em contrariar e ser contrariado. Por isso, ao estarmos livres para escolher esta ou aquela ação, tornamo-nos responsáveis pelo que praticamos.

O sentimento de dever pode ser obscurecido pelo sentimento da paixão. A paixão é útil quando é governada e prejudicial quando governa. Muitas vezes, o dever se acha em antagonismo com as seduções do interesse próprio. Nessas circunstâncias, a vontade deve ser acionada, a fim de  estabelecermos limites das referidas seduções. Posteriormente, habituando-nos a atuar segundo o interesse geral, diminuiremos os impulsos da paixão e solidificaremos os ímpetos do verdadeiro dever.

O cumprimento do dever está entremeado de contradições. A confiança em Deus e em nós próprios muito nos auxiliarão na suplantação de todas as nossas dificuldades. À medida que vamos atuando, percebemos que aquilo que no passado era temível e considerado impossível hoje fazemos com muita facilidade. É que a dificuldade criou o seu antídoto, liberando forças para enfrentarmos dificuldades maiores.

Hajamos sempre de acordo com o interesse geral. Esta ação, várias vezes repetida, amplia-nos a visão de mundo, colocando-nos no devido lugar para o cumprimento de nossos deveres.




SÉRGIO BIAGI GREGÓRIO