Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 12 de setembro de 2015

Céu inferno_031_2ª parte capítulo II - Espíritos Felizes - Um médico russo

Céu inferno_031

2ª parte capítulo II

 - Espíritos Felizes - Um médico russo

1. Qual foi a razão da escolha deste espírito pelo médium que ele não havia conhecido em vida?

2. Mesmo sendo um espírito ainda bastante imperfeito, por que o médium mereceu esta atenção especial de um espírito elevado?

3. Este espírito, já bem adiantado na escala evolutiva, faz uma preleção sobre a satisfação do dever cumprido e o orgulho. Que tênue linha é essa que separa esses dois sentimentos?

4. Um espírito dessa elevação, quando encarnado, pode ter uma vida de muito sofrimento e privações, como foi vislumbrado no texto, independente da sua bondade e disposição para a caridade e o bem do próximo. Por que Deus permite que assim seja?

5. Extraia do texto o que mais gostou e comente. Questão pessoal


Conclusão:

1. Porque o Espírito sentiu afinidade com o médium que o evocou e que falou sobre ele quando ele desencarnou. Por sentir esta afinidade e por acreditar que o médium precisava deste depoimento ele trouxe sua mensagem através dele.

2. Porque o médium era um Espírita dedicado e estudioso, um bom médium merecedor da ajuda que este espírito lhe poderia dar no sentido de manter-se forte no caminho que escolheu para servir a Deus.

Diz ele: o cuidado em manter a fé dos que vos ouvem; em aconselhar a caridade, a bondade e a benevolência, mesmo para os que convosco mal se conduzem; a resistência aos instintos de cólera, que, aliás, facilmente poderíeis descarregar nos que vos afligem, por ignorantes das vossas intenções; tudo isso atenua a maldade que ainda possuís.

3. Essa ventura que gozo é uma espécie de contentamento extremo de mim mesmo, não pelos meus merecimentos - o que seria orgulho (...) mas contentamento como que saturado, imerso no amor de Deus, no reconhecimento da sua infinita bondade. Em suma, é a alegria que nos infunde o bem, podendo supor-se ter a seu arbítrio contribuído para o progresso de outros, que se elevaram até o Criador. Ou seja, a satisfação do dever cumprido, de ver que por suas ações seus irmãos também melhoraram, o que não se pode confundir com o sentimento orgulhoso de se achar que, por isso, se ficou melhor que os outros, que se "está superior" a seus irmãos.

4. As dívidas adquiridas no passado precisam ser saldadas, mesmo que atualmente o espírito esteja vivendo uma vida exemplar no amor a na caridade. Aliás estas atitudes de agora podem estar atenuando este sofrimento que, de outra maneira, seriam, talvez, muito maiores.

5. Questão pessoal