Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 5 de setembro de 2015

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
Programa: Ciência Espírita. 
A escala espírita. A evolução do Espírito

A palavra evolução ainda conserva em vários núcleos de estudo o sentido genérico de desenvolvimento, mas, com freqüência, é usada  para designar A teoria da evolução. Quando se fala em evolução do homem (ou do Espírito) temos dois tipo diferentes de idéias: uma, oriunda da metafísica que trata do desenvolvimento progressivo do universo e dos seres, em sua totalidade, e do ser humano, em especial (antropologia filosófica). A outra categoria de idéias está relacionada à teoria biológica da transformação das espécies vivas (evolucionismo). O termo evolução foi provavelmente introduzido pelo filósofo Spencer no seu ensaio Progresso, em 1857. As idéias de Spencer e as de Charles Darwin  desenvolvidas no livro A Evolução das espécies, em 1869   ,  estabeleceram um marco no conceito de evolução, repudiando a doutrina tradicional da imutabilidade (ou fixidez) das espécies vivas pregada por Aristóteles, na Antigüidade, e por  filósofos medievais. Entretanto, é oportuno lembrar que o primeiro cientista que apresentou ao mundo a teoria do transformismo biológico foi Jean-Baptiste Lamarck, em sua obra Philosophie zoologique (1809),  para quem a evolução dos organismos devia-se às diferenças neles produzidas pelo maior o menor uso dos órgãos (teoria do uso e desuso biológico), e que depois teriam sido fixadas pela evolução. Sabe-se hoje que as mudanças nascidas do hábito não são herdadas. Lamarck, porém, teve um grande mérito: insistiu na teoria geral do transformismo, revelando conceitos importantes sobre a adaptação das as espécies no ambiente. A teoria de Darwin admite duas ordens de fatos: 1.ª a existência de pequenas variações orgânicas que se verificam nos seres vivos em intervalos regulares de tempo e que, pela lei de probabilidade, podem ser vantajosas para os indivíduos que as apresentam; 2.ª luta pela vida entre indivíduos  vivos, que se deve  à tendência de cada espécie multiplicar-se segundo uma progressão geométrica. (Nicola Abbagnano: Dicionário de Filosofia, p. 393) Este último pressuposto foi sugerido anteriormente por Malthus (Essay on population, 1798). Dessas duas ordens de fatos resulta que os indivíduos (espécies) nos quais manifestam mudanças orgânicas mais vantajosas têm maiores probabilidades de sobreviver na luta pela vida, e, em virtude do princípio da hereditariedade (hoje estudada nas pesquisas sobre genes e genoma), haverá neles acentuada tendência a deixar caracteres acidentais como herança aos seus descendentes. Esta é Lei da Seleção Natural, considerada por Darwin como o esteio da doutrina da evolução (Origem das Espécies, cap. 4, p.180). 
 Allan Kardec foi influenciado pela a teoria de Darwin como podemos observar no seu livro A Gênese e na construção da escala espírita.

1. A escala espírita
A questão 100 de O Livro dos Espíritos traz estas informações a respeito da escala espírita elaborada po m r Kardec, sob orientação dos Espíritos Superiores: A classificação dos Espíritos funda-se no seu grau de desenvolvimento, nas qualidades por eles adquiridas e nas imperfeições de que ainda não se livraram. Esta classificação nada tem de absoluta: nenhuma categoria apresenta caráter bem definido, a não ser no conjunto: de um grau a outro a transição é insensível, pois, nos limites, as diferenças se apagam, como nos reinos da Natureza, nas cores do arco-íris ou ainda nos diferentes períodos da vida humana. Pode-se, portanto, formar um número maior ou menor de classes, de acordo com a maneira por que se considerar o assunto.
Existem entre os Espíritos diferentes ordens, de acordo com o grau de perfeição que tenham alcançado. Esse grau de perfeição pode ser maior ou menor, dependendo das qualidades que os Espíritos já adquiriram e das imperfeições de que ainda não se despojaram. Como não há linhas de demarcação definidas entre essas diferentes ordens, o seu número é ilimitado, podendo ser aumentado ou diminuído, conforme o critério adotado. Considerando-se, todavia, os caracteres gerais dos Espíritos, pode-se classificá-los em três ordens principais, a saber (O Livro dos Espíritos, questões 101 a 112):
Primeira Ordem: Espíritos Puros: os que já chegaram à perfeição;
Segunda Ordem: Bons Espíritos: aqueles nos quais o desejo do bem é predominante;
Terceira Ordem: Espíritos Imperfeitos: aqueles em que predomina a ignorância, o desejo do mal e todas as paixões más que lhes retardam o progresso.
Com base nessas considerações, Kardec subdividiu as três ordens supracitadas em dez classes, como segue:
TERCEIRA ORDEM: ESPÍRITOS IMPERFEITOS
Caracteres Gerais: Predomínio da matéria sobre o Espírito; propensão ao mal; têm a intuição de Deus, mas não o compreendem; apresentam idéias pouco elevadas. Esta ordem apresenta cinco classes principais: a) décima Classe: Espíritos Impuros: o mal é o objeto de suas preocupações; sua linguagem é grosseira e revela a baixeza de suas inclinações; b) nona Classe: Espíritos Levianos: são ignorantes e inconseqüentes, mais maliciosos do que propriamente maus; linguagem alegre, irônica e superficial; c) oitava Classe: Espíritos Pseudo-Sábios: possuem grande conhecimento, mas julgam saber mais do que sabem; sua linguagem tem caráter sério, misturando verdades com suas próprias paixões e preconceitos; d) sétima Classe: Espíritos Neutros: apegados às coisas do mundo, não são bons o suficiente para praticarem o bem, nem maus o bastante para fazerem o mal; e) sexta Classe: Espíritos Batedores e Perturbadores: podem pertencer a todas as classes da Terceira Ordem; sua presença manifesta-se por efeitos sensíveis e físicos, como pancadas e deslocamento de corpos sólidos; são agentes dos elementos do globo; deles se servem os Espíritos Superiores para produzir esses fenômenos físicos do planeta.
SEGUNDA ORDEM: BONS ESPÍRITOS
Caracteres Gerais: Predomínio do Espírito sobre a matéria; desejo do bem; compreendem Deus e o infinito, mas ainda terão de passar por provas; uns possuem a ciência, outros a sabedoria e a bondade; os mais adiantados juntam ao seu saber as qualidades morais. Esta ordem apresenta quatro classes principais: a) quinta Classe: Espíritos Benévolos:seu progresso realizou-se mais no sentido moral do que no intelectual; a bondade é a qualidade dominante; b) quarta Classe: Espíritos Sábios: amplitude de conhecimentos aplicados em benefício; c) dos semelhantes; têm mais aptidão para as questões científicas do que para as morais; d) terceira Classe: Espíritos de Sabedoria: elevadas qualidades morais e capacidade intelectual que lhes permitem analisar com precisão os homens e as  coisas; e) segunda Classe: Espíritos Superiores: reúnem a ciência, a sabedoria e a bondade; buscam comunicar-se com os que aspiram à verdade; encarnam-se na Terra apenas em missão de progresso e caracterizam o tipo de perfeição a que podemos aspirar neste mundo.
PRIMEIRA ORDEM: ESPÍRITOS PUROS
Caracteres Gerais: Nenhuma influência da matéria; superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos das outras ordens. Esta ordem apresenta apenas uma única classe.Primeira Classe: Classe Única:  Os Espíritos que a compõe percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as impurezas da matéria. Tendo alcançado a soma da perfeição de que é suscetível a criatura, não têm mais que sofrer provas nem expiações. Não estando mais sujeitos. à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna.

Esta classificação geral pode desdobrar-se em nuances que variam ao infinito. Existem, contudo, caracteres bem definidos que permitem agrupar os Espíritos de acordo com suas tendências e aptidões, constituindo-se numa escala ou num quadro que, no dizer do Codificador, [...] é, de certo modo, a chave da ciência espírita, porquanto só ele pode explicar as anomalias que as comunicações apresentam, esclarecendo-nos acerca das desigualdades intelectuais e morais dos Espíritos. (O Livro dos Espíritos, q. 100, p.89)

2. Evolução do Espírito

O Espiritismo ensina que os Espíritos se melhoram ao longo das reencarnações e do aprendizado desenvolvido no plano espiritual Esclarece também que Deus criou todos os seres simples e ignorantes, isto é sem saber [conhecimento]. A cada um deu determinada missão, com o fim de esclarecê-los e de os fazer chegar progressivamente à perfeição, pelo conhecimento da verdade, para aproximá-los de si. Nesta perfeição é que eles encontram a pura e eterna felicidade. Passando pelas provas que Deus lhe impõe é que Os Espíritos adquirem aquele conhecimento. Uns aceitam submissos essas provas e chegam mais depressa à meta que lhe foi assinada. Outros só suportam murmurando e, pela falta em que desse modo incorrem, permanecem afastados da perfeição e da prometida felicidade. (O Livro dos Espíritos, q. 115).  Na “vida social, todos os homens podem chegar às mais altas funções, seria o caso de perguntar-se por que o soberano de um país não faz de cada um de seus soldados um general; por que todos os empregados subalternos não são funcionários superiores; por que todos os colegiais não são mestres. Ora, entre a vida social e a espiritual há esta diferença: enquanto que a primeira é limitada e nem sempre permite que o homem suba todos os seus degraus, a segunda é indefinida e a todos oferece a possibilidade de se elevarem ao grau supremo.” (O Livro dos Espíritos, q. 119).  
Fica claro, assim, que a evolução do Espírito é decorrente do  uso do seu livre-arbítrio que, por sua vez determina o seu estado de felicidade ou infelicidade, em ambos os planos da vida.À medida que o Espírito evolui as provações serão mais amenizadas, e, chegando à situação de Espírito regenerado,  as expiações deixam de existir.