Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

OBRAS DE ANDRÉ LUIZ  CITAÇÕES POR TEMA 32

TEMAS TRATADOS

MEDIUNIDADE

Desenvolvimento 

Desenvolver, em boa sinonímia, quer dizer retirar do invólucro, fazer progredir ou produzir. Assim compreendendo, é razoável que Pedro, antes de tudo, desenvolva recursos pessoais no próprio reajuste. (orientação quanto ao desenvolvimento da mediunidade do jovem Pedro, que se encontra desequilibrada). NDM-9-81.

Consagrando-se à disciplina e ao estudo, à meditação, e à prece, ele se renovará mentalmente, apressando a própria cura, depois da qual poderá cooperar em trabalhos mediúnicos dos mais proveitosos. (equilibrar-se para depois desenvolver a mediunidade). NDM-24-232.

Admitida ao círculo da atividade espiritual recolherá na oração o reflexo condicionado específico para exteriorizar as oscilações mentais próprias, no rumo da entidade desencarnada que mais de perto lhe comungue as ideações. Decerto que, nos serviços de intercâmbio, experimentará largo período de vacilações e dúvidas, porquanto, morando no centro das próprias emanações e recolhendo a influenciação do plano espiritual com que, muitas vezes, já se encontra inconscientemente automatizada -, a princípio supõe que as ondas mentais alheias incorporadas ao campo de seu espírito não sejam mais que pensamentos arrojados do próprio cérebro. (...) habitualmente se tortura o medianeiro, perguntando, imponderado se não deve interromper o chamado desenvolvimento mediúnico, já que não consegue, de imediato, discernir as idéias que lhe pertencem das idéias que pertencem a outrem, sem aperceber-se de que ele próprio é um espírito responsável, com o dever de resguardar a própria vida mental e de enriquecê-la com valores mais elevados pela aquisição de virtude e conhecimento. MM-18-132/133.

Digerir primeiramente as obras fundamentais do Espiritismo, para entrar em seguida nos setores práticos, em particular no que diga respeito à mediunidade. Teoria meditada, ação segura. CE-41-137.

Torturante (De Provação)

Pedro traz consigo aflitiva mediunidade de provação. É a lei que ninguém se emancipe sem pagar o que deve. A rigor, deve ser encarado como enfermo, requisitando carinho e tratamento. (Pedro padece de problemas epilépticos). NDM-9-82.

A mediunidade torturante não é senão o enlace de almas comprometidas em aflitivas provações nos lances do reajuste. NDM-13-120.

Para nós (a espiritualidade), é a criatura de mediunidade torturada (Elisa Fantini), com fenômenos psíquicos por agora incompreensíveis enquanto lhe despertam a convivência. Para Serpa e Vera (Caio Serpa e Vera Fantini), é um caso de senilidade precoce. (Elisa internada numa clínica como que estivesse com problemas mentais, mas na realidade apresenta uma mediunidade torturante). EVC-22-188.

Circuito Mediúnico

Aplica-se o conceito de circuito mediúnico à extensão do campo de integração magnética em que circula uma corrente mental, sempre que se mantenha a sintonia psíquica entre os seus extremos ou, mais propriamente, o emissor e o receptor. O circuito mediúnico expressa uma vontade apelo e uma vontade-resposta, respectivamente, no trajeto de ida e volta, definindo o comando da entidade comunicante e a concordância do médium, fenômeno esse exatamente aplicável tanto à esfera dos espíritos desencarnados, quanto à dos espíritos encarnados. No circuito mediúnico, à resistência significa a dissipação de energia mental, destinada, à sustentação de base entre o espírito comunicante e o médium. MM-6-55/56/57.

MEDO

Classificamos o medo como dos piores inimigos da criatura, por alojar-se na cidadela da alma, atacando as forças mais profundas. A Governadoria (governo do Nosso Lar), nas atuais emergências, coloca o treinamento contra o medo muito acima das próprias lições de enfermagem. A calma é a garantia do êxito. NL-42-231/233.

Contente-se com a matrícula na escola contra o medo. Creia isso lhe fará enorme bem. (esclarecimento de Tobias a André Luiz). NL-43-238.

Qual foi a causa do seu desastre? Apenas o medo, minha amiga explicou-se à interpelada -, tive medo de tudo e de todos. (principal motivo do fracasso da tarefa mediúnica de Ernestina). OM-9-54.

A desencarnada estava unida aos despojos. Parecia recolhida a si mesma, sob forte impressão de terror. Cerrava as pálpebras, deliberadamente, receosa de olhar em torno. (...) O cavalheiro desencarnado, que permanecia junto dela. (...) Aquele é o noivo que a espera, há muito. (...) A jovem cerrava os olhos, demonstrando não querer velo. (...) É o senhor o novo médico? (indagou a desencarnada aflita). (...) Sim, fui chamado para aplicar-lhe alguns recursos em bases magnéticas. Torna-se indispensável que durma e descanse. (Clemilda estava desencarna há poucas horas e apavorada por ver o seu ex-noivo que já desencarnara antes dela, porque não queria aceitar a realidade. Uma entidade se fez passar por médico terrestre para acalmá-la). OM-48-250.

Tenho receio... Muito receio. (diz Segismundo, o reencarnante). Não asile o monstro do medo no coração. A hora é de confiança e coragem (Alexandre encorajando Segismundo para que este não recue perante sua reencarnação). ML-13-211.

Não dê guarida ao medo, que sempre estabelece perigosas vibrações de queda em transições como a em que você se encontra (mãe de Dimas auxiliando-o após seu desencarne). OVE-15-229.

A morte próxima enchia aquela alma formosa de sublimes reflexões. Entretanto, o medo alojara-se dentro dela como sicário (assassino assalariado) invisível. (medo de Cavalcante quando se aproximava do seu desencarne). OVE-18-274.

MEMÓRIA

Calixto (entidade comunicante) postou-se ao lado do médium. Enlaçou-o com o braço esquerdo e, alçando a mão até ao cérebro do rapaz, tocava-lhe o centro da memória com a ponta dos dedos. ML-1-17.

Trazemos na própria consciência o arquivo indelével dos nossos erros (comentários do ex-padre Hipólito). OVE-7-105.

A memória perfeita é o derradeiro altar que estalamos, em definitivo no templo de nossa alma, que, no planeta, ainda se encontra em fases iniciais de desenvolvimento. ETC 8 54.

(...) Os espíritos que na vida física atendem aos seus deveres com exatidão, retomam pacificamente os domínios da memória, tão logo se desenfaixam do corpo (morre)

 (...). Contudo, para nós, consciências intranquilas, a morte do veículo carnal não exprime libertação. Perdemos o caro fisiológico, mas prosseguimos atados ao pelourinho invisível de nossas culpas, e a culpa é sempre uma nesga de sombra eclipsando-nos a visão. AR-2-31.

No Além

É compreensivo que nos espaço de tempo, que se nos sucede imediatamente à desencarnação, a memória profunda esteja ainda hermeticamente trancada nos porões do ser. Isso, porém, é francamente transitório. Gradativamente, reaveremos o domínio de nossas reminiscências. EVC-11-85.

MENTE

(...) A alma se retirava lentamente através de pontos orgânicos insulados. Assombrado, verifiquei que, bem no centro do crânio, havia um foco de luz mortiça, candelabro aceso às ondulações brandas do vento. Enchia toda a região encefálica, despertando-me profunda admiração. A luz que você observa disse o instrutor amigo (Aniceto) é a mente, para cuja definição essencial não temos, por agora, conceituação humana. OM-49-253/254.

Um dia, compreenderá o homem comum a importância do pensamento. Por agora, é muito difícil revelar-lhe o sublime poder da mente. ML-19-333.

(...) A casa transitória, para movimentar-se com êxito, não necessitava apenas de forças elétricas, baseadas em simples fenômenos da matéria diferenciada, mas, também, de nossas emissões magnéticas mentais, que atuam como reforço no impulso inicial de subida. (irmã Zenóbia explicando o poder da mente na operação para o deslocamento da instituição espiritual Casa Transitória de Fabiano). OVE-10-167.

(...) Embora a criatura empregue os ouvidos e os olhos, ela vê e ouve com o cérebro, e, apesar de o cérebro usar as células do córtex para selecionar os sons e imprimir as imagens, quem vê e ouve, na realidade, é a mente. (uma prova disso, é o que vemos e ouvimos durante o sono). NDM-12-111.

O corpo mental, assinalado experimentalmente por diversos estudiosos, é o envoltório sutil da mente, e que, por agora, não podemos definir com mais amplitude de conceituação, além daquela com que tem sido apresentado pelos pesquisadores encarnados, e isto por falta de terminologia adequada no dicionário terrestre. (nota do autor espiritual). EDM-1P-2-25.

(...) A Lei do Campo Mental, que rege a moradia energética do Espírito, segundo a qual a criatura consciente, seja onde for no Universo, apenas assimilará as influências a que se afeiçoe. MM-17-125.

MISSA

(...) O sacerdote e os acólitos (sacristãos), não obstante se dirigirem para o campo de luz do altar-mor, envergando soberba vestimenta, jaziam em sombras, sucedendo o mesmo aos assistentes. Três entidades de sublime posição hierárquicas se fizeram visíveis, à santa missa, com evidente propósito de ali servirem os benefícios divinos. Magnetizaram as águas expostas, saturando-as de princípios salutares e vitalizantes, como acontece nas sessões espíritas cristãos, e, em seguida, passaram a fluidificar as hóstias, transmitindo-lhes energias sagradas à fina contextura. Em todas as casas de fé, os mensageiros com as necessidades de cada um, entretanto, é imprescindível que se prepare o coração nas linhas do mérito, a fim de recebê-los. LI-19-119/121.

Quando a missa obedece à pura convenção social, funcionando como exibição de vaidade ou poder, a nossa colaboração (da espiritualidade) resulta invariavelmente nula. Há missas solenes de consagração a políticos astuciosos e a magnatas de ouro que, em verdade, são reais sacrilégios, em nome do Cristo. Mas, se o ato religioso é simples, partilhado por mentes e corações sinceros, inclinados à caridade evangélica e centralizado na luz da oração, com os melhores sentimentos que possuem, o culto se reveste de grande valor. ETC-11-71.