Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 22 de outubro de 2016

ceu inferno 77

ceu inferno 077 2a. parte cap. VII - Espíritos Endurecidos - Um espírito aborrecido

TEXTO PARA ESTUDO

Bordeaux, 1862)

Este Espírito se apresenta espontaneamente ao médium, e reclama preces.

O que vos levou a pedir preces? 

– R. Estou cansado de perambular sem objetivo.

 – Há muito tempo estais nessa posição?

 – R. Cento e oitenta anos mais ou menos. 

– Que fizeste sobre a Terra? – R. Nada de bom. 

Qual é a vossa posição entre os Espíritos? 

– R. Estou entre os entediados. 

– Isso não forma uma categoria. 

– R. Tudo forma categoria entre nós. Cada sensação encontra os seus semelhantes, ou seus simpáticos se reúnem. 

Por que, se não estáveis condenado ao sofrimento, ficastes tão longo tempo sem avançar? 

– R. Estava condenado ao tédio, que é um sofrimento entre nós; tudo que não é alegria, é dor. 

– Fostes forçado, pois, a permanecer errante, apesar de vós? 

– R. Essas são causas muito sutis para a vossa inteligência material. 

– Tentai fazer-me compreendê-las; e isso será um começo de utilidade para vós. 

– R. Eu não poderia, não tendo termo de comparação. Uma vida extinta sobre a Terra deixa o Espírito que não a aproveitou, o que o fogo deixa ao papel que consumiu: faíscas, que lembram as cinzas ainda unidas entre elas, quais foram a causa de seu nascimento, ou se queres, da destruição do papel. Essas faíscas são a lembrança dos laços terrestres que sulcam o Espírito, até que haja dispersado as cinzas de seu corpo. Só então se reencontra, essência etérea, e deseja o progresso. 

Que pôde vos ocasionar o tédio que lamentais? 

– R. Conseqüência da existência. O tédio é o filho da falta de obras; eu não soube empregar os longos anos que passei sobre a Terra, e a sua conseqüência se fez sentir no nosso mundo. 

Os Espíritos que como vós erram em prova ao tédio, não podem fazer cessar esse estado quando querem? 

– R. Não, nem sempre o podem, porque o tédio paralisa a sua vontade, sofrem as conseqüências de sua existência; foram inúteis, não tiveram nenhuma iniciativa, não encontram nenhum concurso entre eles. São abandonados a si mesmos, até que a lassidão desse estado os fará desejar mudá-lo; então, à menor vontade que desperte neles, encontram o apoio e os bons conselhos para ajudar os seus esforços e perseverar. 

Podeis dizer-me alguma coisa sobre a sua vida terrestre? 

– R. Ai de mim! Bem pouca coisa, deves compreendê-lo. O tédio, a inutilidade, a falta de obras provém da preguiça; a preguiça é mãe da ignorância. 

As vossas existências anteriores não vos fizeram avançar?

R. – Sim, todas, mas muito fracamente, porque todas foram o reflexo umas das outras. Há sempre progresso, mas tão pouco sensível, que nos é inapreciável. 

Esperando que recomeceis uma outra existência, quereis vir mais frequentemente junto a mim? 

– R. Chamai-me para a isso constranger-me; prestar-me-eis serviço. 

Podeis dizer-me por quê vossa escrita muda com freqüência? 

– R. Porque perguntas muito; isto me fatiga, tenho necessidade de ajuda. 

O guia do médium. É o trabalho da inteligência que o fatiga e que nos obriga a prestar-lhe o nosso concurso, para que possa responder às tuas perguntas. É um desocupado do mundo dos Espíritos, como o foi no mundo terrestre. Nós o conduzimos a ti para tentar tirá-lo da apatia e desse tédio que é um verdadeiro sofrimento, mais penoso, às vezes, que os sofrimentos agudos, porque pode se prolongar indefinidamente. Imagina a tortura da perspectiva de um tédio sem fim? 

São a maioria dos Espíritos dessa categoria que não procuram uma existência terrestre senão como distração, e para romper a insuportável monotonia de sua existência espiritual; também ao chegam com freqüência, sem resoluções combinadas para o bem; é por isso que têm de recomeçar, até que, enfim, o progresso real se faça sentir neles. 

*QUESTÒES PROPOSTAS PARA ESTUDO*

1. O que levou este Espírito a pedir as preces?

2. Aqueles Espíritos que também erram em prova ao tédio, podem fazê-lo cessar quando querem?

3. Por que a escrita dele muda com tanta freqüência?

4. Qual o objetivo dos Espíritos superiores em levar este Espírito para entrar em contato com o médium?

5. Segundo o guia do médium, de quem é composta essa categoria de “Espíritos entediados”

*Conclusão:*

1. Estava cansado de perambular sem objetivo.

2. Nem sempre o podem, porque o tédio paralisa a sua vontade, sofrem as conseqüências de sua existência; foram inúteis, não tiveram nenhuma iniciativa, não encontram nenhum concurso entre eles. São abandonados a si mesmos, até que a lassidão desse estado neutro fá-los desejar mudá-lo; então, à menor vontade que desperte neles, encontram o apoio e os bons conselhos para ajudar os seus esforços e perseverar.

3. Porque o médium pergunta muito e isto fatiga o Espírito, tendo necessidade de ajuda. É o trabalho da inteligência que o fatiga e que nos obriga a prestar-lhe o nosso concurso, para que possa responder às perguntas. 

4. Foi conduzido com o objetivo de tentar tirá-lo da apatia e desse tédio que é um verdadeiro sofrimento, mais penoso, às vezes, que os sofrimentos agudos.

5. São Espíritos que não procuram uma existência terrestre senão como distração, e para romper a insuportável monotonia de sua existência espiritual; também aí chegam com freqüência, sem resoluções combinadas para o bem; é por isso que tem que recomeçar, até que, enfim, o progresso real se faça sentir neles.