Pesquisar este blog

Páginas

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Sustentabilidade

Sustentabilidade, Responsabilidade Social e Espiritismo.
Carlos A. Iglesia Bernardo
Grupo de Estudos Avançados Espíritas

Boletim do GEAE
Ano 16 - Número 531
 
"Sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.
 
Propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e actividade humanas, de tal forma que a sociedade, os seus membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades e expressar o seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na manutenção indefinida desses ideais.
 
A sustentabilidade abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança local até o planeta inteiro.
 
Para um empreendimento humano ser sustentável, tem de ter em vista 4 requisitos básicos. Esse empreendimento tem de ser:
 
  ecologicamente correcto;
  economicamente viável;
  socialmente justo; e
  culturalmente aceito."  
 
WIKIPEDIA
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sustentabilidade
"Responsabilidade social corporativa é o conjunto amplo de ações que beneficiam a sociedade e as corporações que são tomadas pelas empresas, levando em consideração a economia, educação, meio-ambiente, saúde, transporte, moradia, atividade locais e governo, essas ações otimizam ou criam programas sociais,trazendo benefício mútuo entre a empresa e a comunidade, melhorando a qualidade de vida dos funcionários, quanto da sua atuação da empresa e da própria população."
WIKIPEDIA
http://pt.wikipedia.org/wiki/Responsabilidade_Social
  "884. Qual é o caráter da propriedade legítima?
-- Só há uma propriedade legítima, a que foi adquirida sem prejuízo para os outros. (Ver item 808).
A lei de amor e de justiça proíbe que se faça a outrem o que não queremos que nos seja feito, e condena, por esse mesmo princípio, todo meio de adquirir que o contrarie.
 
885. O direito de propriedade é sem limites?
-- Sem dúvida, tudo o que é legitimamente adquirido é uma propriedade, mas, como já dissemos, a legislação humana é imperfeita e consagra freqüentemente direitos convencionais que a justiça natural reprova. É por isso que os homens reformam suas leis à medida que o progresso se realiza e que eles compreendem melhor a justiça. O que num século parece perfeito, no século seguinte se apresenta como bárbaro. (Ver item 795)."
Allan Kardec, "O Livro dos Espíritos"
http://www.geae.inf.br/pt/livros/le/le3-11-2.html
 
A sociedade humana, acompanhando a evolução dos seres que a compõe, se transforma ao longo do tempo. As realidades econômicas e culturais se renovam, adequando-se as necessidades de aprendizado das comunidades que as vivem.  Assim, o que em um momento parece ser o auge do aperfeiçoamento humano, no seguinte se vê superado por novas descobertas, por melhorias ou por melhor compreensão dos seus fundamentos.
 
O panorama da história humana, visto sob a ótica espírita, se apresenta como uma longa caminhada em rumo de uma sociedade mais fraterna e voltada para a realização do ser humano. Há momentos em que um aspecto ou outro se destacam, que civilizações ensaiam uma ou outra lição, mas visivelmente há uma linha condutora. Essa linha condutora é a conscientização gradativa dos indivíduos de que fazemos parte de um todo maior, que nossa vida influencia e é influenciada por tudo o que nos rodeia.
Dos primitivos agrupamentos humanos, que se reuniam em torno das fogueiras buscando proteção mútua contra os predadores, até as modernas corporações multinacionais, aprendemos a conviver em comunidades cada vez mais complexas, passamos a entender e a controlar grandezas físicas que nos permitiram mudar o meio ambiente ao nosso redor, mas principalmente nos tornamos cada vez mais interdependentes e conscientes do nosso impacto sobre o mundo em que vivemos.
É fácil de constatar essa interdependência. Uma crise econômica do outro lado do mundo afeta os empregos por aqui. A subida do preço de uma comoditie internacional impacta nos índices de inflação e na taxa de juros. Pequenas mudanças no clima, provocadas pela industria de um país, afetam os níveis do mar em outro.
E no âmbito local, pessoas e empresas estão aprendendo que não é possível crescer sem que haja um desenvolvimento da comunidade que a cerca. Não somente a elevação da renda, para que existam consumidores, mas outros aspectos antes ignorados. Se tornam cada vez mais evidentes as relações entre a saúde financeira da empresa e os benefícios diretos e indiretos que ela traz para a sociedade. Uma nova forma de lucro está surgindo, aquela em que ele é derivado da admiração que a empresa provoca no mercado.
O Espírita, consciente da realidade espiritual e da importância do momento em que estamos, não pode deixar de ver com bons olhos esta transformação no mundo corporativo. As noções de sustentabilidade e responsabilidade social prenunciam a empresa do amanhã.
As forças que estão levando as empresas a adotarem esta nova postura são principalmente a globalização econômica e a constatação científica do aquecimento global. Nada acontece por acaso, a transformação de mentalidade provocada por estas forças vai na mesma direção que a que seria provocada pela aplicação dos princípios espíritas as ciências econômicas e sociais.
No fundo os efeitos positivos da responsabilidade social e da sustentabilidade são derivados da aplicação da lei de ação e reação em aspectos da vida cotidiana. Ao buscar o bem do próximo, mesmo que devido a estratégia de negócios, a empresa atua de forma positiva.
 
"-- Toda ação traz os seus frutos; os das boas ações são doces e os das outras são sempre amargos; sempre, entendei bem isso."
 
Resposta dos Espíritos a questão 810. Allan Kardec, "O Livro dos Espíritos"
http://www.geae.inf.br/pt/livros/le/le3-9-4.html
Somos responsáveis por nossos atos e se queremos um mundo melhor temos que arregaçar as mangas e trabalhar para que ele aconteça. Se queremos que nossa vida pessoal seja melhor, melhoremos a vida dos que nos rodeiam. Se queremos que nosso negócio prospere, espalhemos a prosperidade entre funcionários, clientes, vizinhos e parceiros. O mundo nos retorna o resultado de nossas ações.
 
 * * *