Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Tio Juca

COMUNICAÇÃO

LINDOS CASOS DE TIO JUCA

Ramiro Gama escreveu LINDOS CASOS DE BEZERRA DE MENEZES e LINDOS CASOS DE CHICO XAVIER. Eis que também, no livro O FENÔMENO TIO JUCA, o escritor baiano Eusínio Lavigne, com aquele savoir dire que lhe é familiar, deleita-nos com esplêndidos relatos biográficos a que poderemos, com justeza, crismar de Lindos Casos de Tio Juca. Porque, na verdade, tanto são lindos os casos de Bezerra e do Chico, como os do inolvidável Juca. Concordam em gênero, número e grau. Recordemos que Tio Juca é o apelido de José Soares de Gouveia, o ateu que se convertera ao Espiritismo em virtude duma aparição do filho, no momento dramático em que ele, Gouveia, estava a pique de desertar deste mundo pela porta falsa do suicídio. Feito este ligeiro exórdio, vamos aos lindos casos, que aqui sintetizamos, por economia de espaço. Muito antes de libertar-se do seu ateísmo, Tio Juca já revelava faculdades mediúnicas que, mais tarde, se manifestariam com extraordinária freqüência e incontrastavel vigor.

Em 1924, viajando com alguns companheiros pela estrada da Serra da Borborema (Pernambuco), em noite escura, houve um enguiço no automóvel. O motorista, dando marcha-à-ré, esforçava-se por superar o emperramento do veículo, mas debalde. Tio Juca fez ver a todos o risco da descida. Acolhida a advertência, a viagem não prosseguiu.

No outro dia, viram que o carro estacionara a um palmo de enorme, precipício. 18 de setembro de 1935: Soares de Gouveia surpreende com a visão de uma tia falecida. Não entendendo a natureza do fenômeno, foi ouvir a opinião do padre Quinderé, em Fortaleza.  Você é médium  diz o sacerdote.  Trata-se de um fenômeno espírita, que se manifesta por pessoas ditas médiuns. (Quem nos dera que os padres Quinderés formassem multidão!).

Anos depois, em 1939, ia viajar do Rio para São Paulo. Na ante-sala do Aeroporto, viu o seu filho Antônio Carlos, desencarnado, que lhe avisava que o avião ia cair. Desistiu da viagem e comunicou o vaticínio aos demais passageiros, porém ninguém acreditou, O avião caiu e todos morreram. D. Antonieta Bastos, cunhada do dr. Eunápio de Queirós, fora acometida de uma doença nos pés. O dr. Estácio Gonzaga, examinando-lhe o sangue, atestou grave infecção. Estava sendo inócuo o tratamento médico indicado. É quando, espontaneamente, por incorporação, um Espírito, dizendo-se russo, comunica-se com Tio Juca e dá a seguinte indicação: que Antonieta Bastos acendesse um fogareiro e sobre ele estendesse um pano molhado sobre o qual, a certa altura, duas vezes por dia, cerca de dez minutos, pusesse os pés, para que exsudassem suficientemente. E receitou determinado medicamento. Após 24 aplicações, os pés voltaram ao normal. Um exame médico posterior não revelou mais infecção.

A origem do mal  elucida o Espírito  estava no sapato de D. Antonieta, cujo couro continha ainda o germe da moléstia. De fato  ajunta Lavigne , o carbúnculo resiste ao processo do curtume. E foi na Rússia, no tempo do Czar, que verificaram o fato da resistência do vírus a altas temperaturas. Os correões dos soldados transmitem o carbúnculo. Achava-se internado no Sanatório Bahia um rapaz surdo-mudo que havia engolido oito chaves e um rosário arrebatado das mãos de sua mãe. Obedecendo a um conselho da esposa, Tio Juca trouxe para casa o aberrante deglutidor que, ao receber os primeiros passes, vomitou duas chaves.

Mais duas no dia seguinte. Duas mais no terceiro.

E depois as restantes e também o rosário.

Caso patente de obsessão. Continua surdo e mudo, mas entende o que se lhe fala, processando-se rapidamente a recuperação.

Movido por uma força estranha, um dia Tio Juca, contrariando seus hábitos, levantou-se às cinco horas da manhã. Descendo as escadas, fica à porta da rua, a gritar para um automóvel que passa em disparada:  Pára! Pára!

Pará!  O motorista parou, dizendo, entretanto, não poder apanhar mais passageiros, porque vinha de Pituba conduzindo um menino com uma espinha de peixe na garganta e ia à procura dos recursos necessários. - É isso mesmo que me traz aqui  replicou. Abriu a boca do acidentado, e retirou a espinha. No Rio de Janeiro, em 1952, Tio Juca sonhou que alguém lhe pedia para salvar um doente na Pavuna, rua Honório Hermeto. Já se aprestava para ir à procura do enfermo, quando recebe um telegrama da Bahia, de sua cunhada Helena, implorando-lhe que salvasse uma pessoa na rua Honório Hermeto, 147. Localizada a casa, esclareceu-se o caso. Não havia ali doente algum, e sim uma menina de 12 anos que um marinheiro queria seduzir, e com muita possibilidade de êxito, já que a mãe dela era prostituta. Retirada da casa materna, a menina foi levada de avião para Salvador. Recebeu, posteriormente, educação na Casa do Tio Juca. E os casos são em barba  como diria mestre Imbassahy. Todos edificantes. Todos lindos. Todavia, não nos foi possível, nos exíguos limites duma crônica, relatá-los em sua totalidade. Encontrando-se com Chico Xavier em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, no mês de agosto de 1956, Tio Juca teve a confirmação do que já lhe havia sido revelado em 1954, através de sua própria mediunidade: devia cumprir importante missão na selva amazônica.

Embrenhar-se-ia no Inferno Verde à procura de certa moça que, saindo a caça de borboletas, desapareceu naquelas vestidões inóspitas, deixando a família aflita e desesperançada. Chamava-se Helena de Andrade Fortuna. Há cerca de vinte anos, sem perder a virgindade, vivia em companhia de índios que a acolheram na taba  informou o médico Luiz Carvalho (Espírito). Muitas outras comunicações ratificaram tal informação.

O índio Tauá, desencarnado, da tribo dos Mundurucus, bacia do Tapajós, percebendo telepaticamente que alguém temia pela sorte de Tio Juca, já idoso e doente, a lançar-se numa aventura perigosa, de êxito duvidoso, assegurou:  Não se paga com o mal uma missão de paz. Fenômeno interessante de bicorporeidade Tio Juca entrou em contato com o espírito de um vivo  o índio Juçanã.

Viu-o claramente e dele recebeu orientação coincidente com a de Tauá, relativamente ao roteiro da viagem. Do ponto de desembarque à taba seria carregado em maca de tucum.

Traria três gotas de sangue, simbolizando a fraternidade. Não podia haver mais dúvida. Tio Juca iniciou a grande jornada, por via aérea, no dia 26 de setembro de 1957. Fez parada no Recife e em Fortaleza. Chegou a Manaus pela manhã de 3 de outubro e pôs-se logo a agir.

Após uma série de peripécias, viu uma senhora à porta duma casa humilde e, naturalmente por inspiração; pede-lhe uma informação que nunca pediria aos anteriores transeuntes: saberia ela algo acerca de uma moça chamada Helena, desaparecida há, aproximadamente, vinte anos? Para sua grande surpresa, a mulher deu resposta afirmativa. E mais: confessou ser ela mesma a mãe da Helena das Selvas. Identificou-se pelo nome de Maria José de Andrade Fortuna, casada com José Vicente Fortuna, já falecido. Moravam no Alto Tapajós. Relatou que sua filha Helena, no dia 26 de janeiro de 1937, ainda no vigor da mocidade 18 anos , penetrou na mata à caça de borboletas para trabalhos de pintura. Julgavam-na morta. Como Tio Juca contestasse a morte da filha D. Maria quis saber por que assim pensava e ele revelou a origem das informações: comunicações mediúnicas. A mulher não lhe deu crença.

Voltando ao hotel, Tio Juca vê uma entidade que se dá a conhecer por Júlia, a qual lhe diz que Helena vive a meio caminho da Itaituba e Curuzu e o aconselha a seguir para Santarém, a fim de avistar-se com o dr.Elmar Cunha.

6 de outubro Em Santarém, dr Eimar, também espírita (e médium) afirmou estar a par dos acontecimentos e foi taxativo  A moça não vem. Tio Juca quase desiste da tarefa.

Porém, recobra o ânimo e resolve ir até o fim.

Resumindo: no dia 8, descia Tio Juca, de avião, em Curuzu. Horas depois, num barco a motor, percorrendo o caminho do Rio Itaituba, vêm-lhe aos ouvidos repetidos gritos  ué, Tauáué, Tauáué, Tauá.

À margem do rio havia uma cruz de filhas de palmeira. Aí encostou o barco, que prosseguiu viagem, após deixar Tio Juca sozinho, em terra.

Guiado pelos gritos dos silvícolas, foi-se adentrando na mata. Aparece Juçanã, que, à guisa de saudação, exclama:  Espera, branco, que o caboclo vai levar. Viva o Cristo!

Dentro em pouco aproximam-se uns 200 índios que, se revezando, conduziram o destemido homem branco, em maca de tucum, para a aldeia dos bronzeados mundurucus.

Era noite, Helena sai de sua modesta morada.

Sobe a um tronco de árvore. Traços imperceptíveis, devido à escuridão. Dirige-se ao visitante:  Juro pelo nosso Deus e pelo sacrifício do branco do mar, Tio Juca, que sou virgem, como a virgem das selvas. No dia seguinte, o hóspede visitou toda a aldeia, observou o trabalho ordeiro dos indígenas e foi alvo de expressivas homenagens, posto que muitos singelas. Afinal, o depoimento de Helena.

Ela rememorou os incidentes de sua incursão na selva, desde o dia em que, desorientada, perdeu o caminho de casa. Levada para a comunidade dos mundurucus, trataram-na muito bem, mas custou-lhe adaptar-se entre eles. Agora está acostumada e satisfeita no ambiente em que se encontra. Vive tal como os índios, seminua, apenas com uma tanga. Perdeu a noção do tempo. Não quer voltar para o convívio dos brancos. Afeiçoara-se àquela gente, que lhe implorava a permanência. Ocupa-se de ensinar os índios. A língua e a religião cristã. Por isso que eles já estavam falando o português, embora imperfeitamente e adotando a saudação Vida o Cristo!. Estava chegando ao fim a missão do Tio Juca. Voltaria satisfeito. Se não conseguira fazer retornar Helena ao lar de nascimento, rejubilou-se com seu autêntico procedimento cristão, por estar construindo um lar coletivo naquelas brenhas em que impera a Lei da Natureza e onde a Civilização ainda não chegou para corromper os bons costumes. Como fora anunciado de há muito, o lenço de Tio Juca ficou marcado com três gotas de sangue (extraídas do corpo do pajé). A hora da despedida, Helena mandou de presente à mãe uma medalha presa num cordão de ouro. Conservava-a consigo desde o dia em que deixara para sempre a casa paterna.

Ao dizer adeus a Juçanã, Tio Juca notou-lhe os olhos marejados e ouviu da boca do bravo mundurucu:  Diga aos brancos do mar que o índio chorou. Tio Juca entregou a medalha a D. Maria Fortuna. As filhas acharam que ele cometera um ato criminoso, arrancando-a do cadáver de Helena. A mãe, entretanto, quase em lágrimas, murmurou:  Esta medalha é de minha filha. Lamentavelmente tivemos de omitir detalhes interessantíssimos, por motivo de limitação de espaço. A narrativa completa acha-se no livro o FENÔMENO TIO JUCA, do escritor baiano Eusínio Lavigne, já falecido.

Fonte
O ESPIRITISMO EXPLICA, por Aureliano Alves Netto, ed.EDICEL
INFORMAÇÃO:
REVISTA ESPÍRITA MENSAL

https://chat.whatsapp.com/BBdBqQYDWX063IQsvumtvW