Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O LIVRO DOS MÉDIUNS 16
(Guia dos Médiuns e dos Doutrinadores)
Contém o ensino especial dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de comunicação com o Mundo Invisível, o desenvolvimento da mediunidade, as dificuldades e os escolhos que se podem encontrar na prática do Espiritismo.
Estudo 16
SEGUNDA PARTE
DAS MANIFESTAÇÕES ESPIRITAS
CAPITULO 1
AÇÃO DOS ESPÍRITOS SOBRE A MATÉRIA
Tudo que serve para suspender uma ponta do véu do desconhecido contribui para o desenvolvimento da inteligência, dilata o circuito das idéias, levando-nos ao conhecimento das leis da natureza. O Espiritismo leva-nos a conhecê-la, ensina a influência que o mundo invisível exerce sobre o visível e as suas relações recíprocas.

A Doutrina Espírita é a prova patente  da existência da alma e de sua individualidade, depois da morte,  de sua imortalidade e de seu verdadeiro destino. É, pois, a força destruidora do materialismo, não com o raciocínio, mas com fatos.

Como será que seres inteligentes que vivem naturalmente invisíveis entre nós poderiam demonstrar sua presença?

A razão nos mostra que isto não é impossível se observarmos que a aceitação de todos os povos sobreviveu até os dias de hoje, pois em uma época onde o concreto, o palpável foi  objeto de pesquisas no sentido de conhecer e  de saber o porquê, como no século XIX, a falta de conhecimento, a ignorância sobre a natureza dos espíritos contribuiu para fortalecer a dúvida.

Geralmente a dificuldade do entendimento repousa sobre o fato que as manifestações só podem ocorrer se existir a ação do Espírito sobre a matéria e, para isso é necessário entender que o Espírito não é uma abstração, mas um ser definido, limitado e circunscrito.

Essa é a idéia  que se faz dos Espíritos e que  torna, a princípio, incompreensível o fenômeno das manifestações, sendo que elas não podem ocorrer sem a ação do Espírito sobre a matéria.
O Espírito encarnado é a alma do corpo e quando o deixa pela morte, não sai desprovido de qualquer envoltório. Os Espíritos nos dizem que conservam a forma humana e quando se manifestam é sob essa forma que são reconhecidos.

Se observados no momento que acabam de deixar a vida, acham se perturbados,  tudo é confuso, vêem o seu próprio corpo perfeito ou mutilado, segundo o gênero de morte; por outro lado vêm a si mesmos e se sentem vivos.

A princípio tudo parece confuso, mas passado o primeiro momento de perturbação, o corpo parece uma roupa velha da qual se despiram e que não querem mais. Não sofrem dores físicas e são felizes de poder transpor o espaço como faziam antes muitas vezes em seus sonhos. Sentem-se mais leves e como livres de um fardo.

Mesmo percebendo a falta do corpo,  constatam a inteireza da personalidade que  tem uma forma que não os constrange nem os embaraça e têm a consciência do eu, da individualidade.  Isto nos leva a concluir que a alma não deixa tudo no túmulo, levando consigo alguma coisa.

Várias observações e fatos irrecusáveis demonstraram a existência no homem de três componentes:

1-       Alma ou Espírito - princípio inteligente onde se encontra o mundo moral.

2-       Corpo – invólucro material e grosseiro.

3-       Perispírito  – invólucro fluídico, semi material  que serve de liame entre a alma e o corpo.

A morte é a desagregação do envoltório grosseiro que a alma abandona. O outro envoltório desprende-se e vai com a alma, que dessa maneira tem sempre um instrumento.

O perispírito,  embora fluídico, etéreo, vaporoso, invisível para nós em seu estado normal, é também material, apesar de não termos, até o presente, podido captá-lo e submetê-lo à análise.

Este segundo envoltório da alma existe, portanto, na própria vida corpórea. É o intermediário de todas as sensações que o Espírito percebe e através do qual o Espírito transmite a sua vontade ao exterior, agindo sobre os órgãos do corpo.

Para nos servirmos de uma comparação material, é o fio elétrico condutor que serve para a recepção e a transmissão do pensamento.  Ele é o veículo das nossas emoções.

O Espírito pensa, o perispírito transmite os impulsos e o corpo físico executa. É o perispírito que preside à formação do ser, funcionando como molde, a ordenar as substâncias que vão constituir o corpo físico. É nele que se gravam como num vídeo tape, as nossas experiências com suas imagens, sons e emoções.

A Medicina, considerando apenas o elemento material ponderável, priva-se do conhecimento de uma causa permanente de ação, na apreciação dos fatos.

Lembramos que o conhecimento do perispírito é a chave de uma infinidade de problemas até agora inexplicáveis.

O perispírito não é uma dessas hipóteses a que se recorre nas ciências para a explicação de um fato. Sua existência não foi somente revelada pelos Espíritos, pois resulta também de observações.

 Por agora, nos limitaremos a dizer que, seja durante a sua união com o corpo ou após a separação, a alma jamais se separa do seu perispírito.

Bibliografia:

Kardec, Allan   O Livro dos Médiuns -  Segunda Parte – Cap. I

Kardec, Allan  -   O que é o Espiritismo –  Cap.  

Miranda, Herminio C. – Diálogo com as Sombras – Cap. II – i) 2.

Elisabeth Maciel

Novembro /  2002