Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 15 de outubro de 2016

O LIVRO DOS MÉDIUNS

(Guia dos Médiuns e dos Doutrinadores)
por
ALLAN KARDEC
           Contém o ensino especial dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de comunicação com o Mundo Invisível, o desenvolvimento da mediunidade, as dificuldades e os escolhos que se podem encontrar na prática do Espiritismo.

SEGUNDA PARTE

DAS MANIFESTAÇÕES ESPIRITAS
CAPITULO XVI
*MÉDIUNS ESPECIAIS*
*Estudo 81 – VARIEDADES DOS MÉDIUNS ESCREVENTES – Bons Médiuns*

*Médiuns sérios:* os que unicamente para o bem se servem de suas faculdades e para fins verdadeiramente úteis. Acreditam profaná-las, utilizando-se delas para satisfação de curiosos e de indiferentes, ou para futilidades.

*Médiuns modestos:* os que não se atribuem nenhum mérito pelas comunicações que recebem por melhores que sejam. Consideram-nas como alheias e não se julgam livres de mistificações. Longe de fugirem às advertências imparciais, eles as solicitam.

*Médiuns devotados:* os que compreendem que o verdadeiro médium tem uma missão a cumprir e deve, quando necessário, sacrificar seus gostos, seus hábitos, seus prazeres, seu tempo e até mesmo seus interesses materiais em favor dos outros.

Médiuns seguros: os que, além da facilidade de recepção, merecem toda a confiança, pelo próprio caráter, pela natureza elevada dos Espíritos que os assistem; sendo, portanto, menos expostos a enganos. Veremos mais tarde que esta segurança de modo algum depende dos nomes mais ou menos respeitáveis com que os Espíritos se manifestem. 

"É incontestável, e bem o percebeis que, expondo assim as qualidades e os defeitos dos médiuns, se provocará contrariedades e até a animosidade de alguns; mas, que importa? A mediunidade se espalha cada vez mais e o médium que levasse a mal estas reflexões, apenas uma coisa provaria: que não é bom médium, isto é, que tem a assisti-lo Espíritos maus. De resto, como já disse, tudo isto será passageiro e os maus médiuns, os que abusam, ou usam mal de suas faculdades, experimentarão tristes conseqüências, conforme já se tem dado com alguns. Aprenderão à sua custa o que resulta de aplicarem, no interesse de suas paixões terrenas, um dom que Deus lhes concedeu unicamente para o adiantamento moral deles. Se não podeis reconduzi-los ao bom caminho, lamentai-os, pois vos posso dizer que Deus os reprova" (ERASTO) 

"Este quadro é de grande importância, não só para os médiuns sinceros que procuram de boa-fé, ao lê-lo, preservar-se dos escolhos a que estão expostos, mas também para todos os que se servem dos médiuns, porque lhes dará a medida do que podem racionalmente esperar. Ele deverá estar constantemente sob as vistas de todo aquele que se ocupa de manifestações, do mesmo modo que a escala espírita, a que serve de complemento. Esses dois quadros reúnem todos os princípios da Doutrina e contribuirão, mais do que o supondes, para trazer o Espiritismo ao verdadeiro caminho" (SÓCRATES)

           Afirma o Espírito Vianna de Carvalho no capítulo XXV – Médiuns Seguros “(...) O médium seguro é uma pessoa aparentemente comum, no entanto, em se tratando de um paranormal, possui uma constituição que lhe possibilita a captação do psiquismo dos espíritos, bem como suas energias, sendo, portanto, necessário impor-se um comportamento incompatível com sua realidade (...) é, pois, aquele por quem se comunicam os bons espíritos, inspirando confiança em razão de sua vida de altruísmo e abnegação, de serviço ao bem, de fé e de caridade, não estando exposto à leviandade, nem influenciação das más entidades, mantendo-se sempre sereno e correto nos momentos de júbilo como de provação, face à confiança que deposita em Deus e à consciência que possui em torno da sabedoria das suas Leis, submetendo-se a Sua Vontade como servidor que cumpre airosamente com seu dever em qualquer circunstância (...).

*Bibliografia:*
 KARDEC, Allan - O Livro dos Médiuns: 2.ed. São Paulo: FEESP, 1989 - Cap XVI - 2ª Parte – item 197
 FRANCO, Divaldo P. pelo Espírito Vianna de Carvalho – Médiuns e Mediunidades: 5.ed. Salvador: LEAL, 1990 – cap XIX ao XXII


Tereza Cristina D'Alessandro