Pesquisar este blog

Páginas

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

*Espiritismo Comparado* *EDUCAÇÃO MORAL E ESPIRITISMO*

*Espiritismo Comparado*

*EDUCAÇÃO MORAL E ESPIRITISMO*


Enquanto o ser humano esteve preso ao mito, a moral não se lhe apresentou como um problema. Historicamente, os gregos foram os primeiros a colocar em dúvida as noções de virtude, tais como as do Bem e da Justiça e as responsabilidades que daí dimanam. Nesse sentido, o que temos a refletir sobre a educação moral? Quem educa quem? A moral evangélica evangeliza? Que subsídios o Espiritismo pode nos oferecer a respeito?

O problema ético pode ser posto sob duas perspectivas: relativa e dogmática. Na relativa, pressupõe-se que ser humano haja de qualquer forma, porque as noções de bem e de mal, de certo e de errado, dependem da sua interpretação pessoal; na dogmática, aceita-se uma norma externa, vinda dos mais velhos, da tradição ou mesmo da revelação religiosa, como é o caso dos Dez Mandamentos, recebidos por Moisés, no Monte Sinai. Kant, ao contrário, parte dos princípios e das máximas. Para ele, o ser humano deve agir segundo um conjunto de máximas, que são impessoais e devem ter caráter universal.

A criação da matéria “Educação Moral”, quer seja no colegial ou mesmo na universidade é controversa. Para os que discordam, a moral é fruto do relacionamento diário entre educadores e educandos, não havendo necessidade de uma matéria específica. Optando-se pelo seu ensino, convém englobá-la dentro de uma situação circunstanciada. Assim, o  educando deve aprender a trabalhar com as incertezas da vida, a ter em mente que a educação é sempre processo (autotélico) e não produto (poíesis). Há ensino técnico, mas o responder responsavelmente ao que acontece aqui e agora tem mais relevância.

No âmbito da Doutrina Espírita, as Leis Morais – Adoração, Trabalho, Reprodução, Conservação, Destruição, Sociedade, Progresso, Igualdade, Liberdade e Justiça, Amor e Caridade – contidas em O Livro dos Espíritos, são o nosso ponto de referência. Estudando-as aprenderemos os princípios básicos de nossa relação com Deus, com o próximo e com o mundo que nos rodeia. As leis morais são as leis divinas, gravadas por Deus em nossa consciência. Às vezes nos desviamos delas, por medo, por influência do meio em que vivemos, mas a elas deveremos voltar, pois somente seremos felizes quando praticarmos a lei de Justiça, Amor e Caridade em toda a sua plenitude.

A ética espírita não é dogmática. Ela fornece-nos algumas ferramentas para melhorar o nosso pensamento e a nossa conduta. Ela aponta para as conseqüências de determinadas ações. Temos toda a liberdade de praticarmos o aborto, o suicídio, os excessos alimentares etc. O Espiritismo nos diz que as conseqüências para tais atos são essas, aquelas e aquelas outras. O que nos cabe é refletir sobre essas conseqüências, muitas delas relatadas pelos próprios Espíritos, através da mediunidade, como relata Allan Kardec em O Céu e o Inferno.

Quem opta pelo Bem terá como conseqüência a ampliação de sua liberdade; quem opta pelo Mal, uma diminuição da mesma. Tenhamos, assim, sempre em mente a prática da justiça, pois a injustiça conduz-nos ao sofrimento e resgate, nesta mesma vida ou em outras subseqüentes.


*ARTIGOS DE SÉRGIO BIAGI GREGÓRIO*


                            https://telegram.me/joinchat/CLfyGQkY1WqZawwxfUJ20A