Pesquisar este blog

Páginas

domingo, 30 de agosto de 2015

As Cinco Janelas

As Cinco Janelas

Fonte: Reunião de Orientação Espiritual - ROE de 11-dez-1989 Grupo da Fraternidade Espírita Irmã Scheilla 

Scheilla & Emmanuel Chácara Sales

Em certa reunião de estudos do Ministério da Regeneração em "Nosso Lar", um irmão prestes a retornar ao veículo físico, cheio de planos e ideais perguntou a venerável instrutor:
- Como poderemos no mundo deixar o sol do entendimento contido no Evangelho de Jesus penetrar em nossas vidas? Temo que em meio às vicissitudes das provas na existência física, eu não consiga me recordar destes instantes de paz que passamos aqui.
O respeitável instrutor com um sorriso benevolente respondeu carinhosamente:
- Basta querido amigo, que o ser humano abra as cinco janelas que grande parte dos homens traz fechadas.
O grupo surpreso entreolhou-se, ao que o mentor aduziu:
- Abramos a janela da visão, que fechada, traz a ignorância com a conseqüente má interpretação dos fatos, a fim de que possamos deixar entrar os raios do esclarecimento através do conhecimento das verdades espirituais, gerando uma melhor e maior compreensão da vida.
Abramos a janela da audição que cerrada, dá ensejo à maledicência e às intrigas, a fim de que os raios do discernimento e do bom senso possam clarificar nossas ações e nossos pensamentos.
Abramos a janela da fala, que trancada, faz com que a mentira, o ódio e o ciúme tomem de roldão as expressões verbais do dia a dia, a fim de que os raios do silêncio nos momentos mais aflitivos possam nos trazer serenidade e tranqüilidade frente aos testemunhos por que temos de passar no mundo.
Abramos a janela do tato, simbolizada na ação das mãos, que fechadas, são inativas, fazendo com que o comodismo emperre as engrenagens da alma, mas que abertas, permitem que os raios do amor ao próximo possam amenizar o sofrimento e a dor alheia.
Abramos a janela do olfato, que trancada, faz com que o coração se encha apenas dos odores da poluição ambiental em completo desprezo pela harmonia da Criação, a fim de que os raios perfumados da mãe natureza possam banhar o mundo íntimo e de que o homem respeite o orbe-escola que o abriga e que tanto lhe tem ensinado na senda evolutiva.
E assim todos os que ali estavam deixaram venturosos aquela reunião de estudos, na certeza de que o homem na Terra, se aberto às harmonias celestiais, certamente alcançará o objetivo maior da vida que se expressa nas palavras do Mestre Jesus: "Sede pois perfeitos como perfeito é o vosso Pai Celestial".