Pesquisar este blog

Páginas

domingo, 30 de agosto de 2015

As provas da convivência

As provas da convivência‏

Aproximá-los foi algo relativamente fácil, pois eles se reencontraram antes, por diversas vezes, nos palcos da existência. Pelos laços do afeto ou motivados por antagonismos, de um modo ou de outro, caminharam juntos antes mesmo de terem passado algum tempo, lado a lado, quando da preparação no Hospital Esperança de onde partiram para reencarnar.

Uma vez reunidos num mesmo centro espírita na capital mineira, instituição que leva no nome o estandarte do evangelho como símbolo, eles rapidamente se mobilizaram. Em pouco tempo conseguiram materializar as primeiras obras literárias destinadas a promover reflexões acerca de temas importantes para a edificação de uma nova mentalidade, menos religiosista e mais humanista, bem aos moldes dos objetivos educacionais do cristianismo, o qual prevê, entre outras coisas, a alteridade, a descentralização e a humanização das relações.

O grupo encarregado reunia as características essenciais para dar início à empreitada. Alguns tinham visão estratégica; outros o pensamento ágil; outros, ainda, a operosidade necessária para a ousada tarefa. Restava saber como se comportariam em relação aos desafios da convivência. Nisso residiria o sucesso do projeto.

Precisariam, acima de tudo, mostrarem-se capazes de agir para desalgemar o evangelho dos conceitos, a fim de trazê-lo para as próprias atitudes. Sem isso, repetiriam o velho hábito de ensinar sem antes terem assimilado plenamente a lição. Não dispondo da força necessária do exemplo, eles não obteriam a sinergia necessária para despertar nos outros grupos o desejo de fazer o mesmo. Por isso, o teste da convivência era algo tão expressivo para o sucesso do tentame.

Livro Mediunidade sem Fronteiras, cap. 18, págs. 184 e 185.
Autor Fátima Ferreira, Editora Inede