Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

OBRAS DE ANDRÉ LUIZ CITAÇÕES POR TEMA 22

OBRAS DE ANDRÉ LUIZ  CITAÇÕES POR TEMA 22

TEMAS TRATADOS



ESTUDO


(...) Trata-se de salões verdes para serviço de educação. (...) há recintos de maravilhosos contornos para as conferências dos Ministros da Regeneração; outros para Ministros visitantes e estudiosos em geral, reservando-se, porém, um de assinalada beleza, para as conversações do Governado. NL-32-175.

(...) A experimentação é necessária; a curiosidade respeitável é mãe da ciência realizadora; todo e qualquer processo de conhecimento exige campo de observação e trabalho, é imprescindível o material didático, entretanto, urge reconhecer que os elementos de aprendizagem não devem ser convertidos pelo aluno em meras expressões de brinquedo ou entretenimento. (...) Ainda que os aprendizes se esclareçam, é forçoso observar que a informação não é tudo, portanto, o esclarecimento educativo é apenas parte do aprendizado. Que dizer dos discípulos que estudam sempre, sem jamais aprenderem no terreno das aplicações legítimas? ML-9-102.

(...) Alertara-nos quanto à necessária renovação mental nos padrões do bem, destacando a necessidade do estudo, para a assimilação do conhecimento superior, e do serviço ao próximo, para a colheita de simpatia, sem os quais todos os caminhos da evolução surgem complicados e difíceis de ser transitado. AR-19-257.

Consagrar diariamente alguns minutos à leitura de obras edificantes, esquecendo os livros de que, por alimento da própria alma, versem temas fundamentais da Doutrina Espírita. Luz ausente, treva presente. Disciplinar-se na leitura, no que concerne a horários e anotações, melhorando por si mesmo o próprio aproveitamento, não se cansando de repetir estudos para fixar o aprendizado. Digerir primeiramente as obras fundamentais do Espiritismo, para entrar em seguida nos setores práticos, em particular no que diga respeito à mediunidade. CE-41-137/138.

Sem exclusão de autor ou de tema versado, analisar minuciosamente as obras que venha a ler, para não sedimentar no próprio íntimo os tóxicos intelectuais de falsos conceitos, tanto quanto as absurdidades literárias em torno das quais giram as conversações enfermiças ou sem proveito. CE-41-139.

Divulgar, por todos os meios lícitos, os livros que esclareçam os postulados espíritas, prestigiando as obras santificantes que objetivam o ingresso da humanidade no roteiro da redenção com Jesus. A biblioteca espírita é viveiro de luz. CE-41-139.


EUTANÁSIA


(...) Meu filho! gritou a infeliz nuca! Nunca!... É criminoso sem perdão, filho do inferno! (enfermo assistido no Nosso Lar, se lamentando a Eutanásia que lhe foi aplicada pelo seu próprio filho). (...) Edelberto, médico de parecia distinta, empregou, no genitor quase moribundo, a chamada morte suave. O rapaz desejava, de fato, apressar o desenlace, por questões de ordem financeira, e aí temos agora a imprevidência e o resultado ódio e a moléstia. NL-30-163/167.

Sem qualquer conhecimento das dificuldades espirituais o médico ministrou o chamado injeção compassiva, antes o gesto de profunda desaprovação do meu orientador (Jerônimo, instrutor de André Luiz). (um médico, com a conivência do padre da família, aplica eutanásia no enfermo Cavalcante que desencarna em dificuldade e só vinte horas depois é cortado o seu cordão fluídico). OVE-18-271.

Examinando essa criança sofredora como enigma sem solução, alguns médicos insensatos da Terra se lembrarão talvez da morte suave; ignoram que, entre as paredes deste lar modesto, o Médico Divino, utilizando um corpo incurável e o amor, até o sacrifício, de um coração materno, restitui o equilíbrio a espíritos eternos, a fim de que sobre as ruínas do passado possam irmanar-se para glorioso destino. (mãe cuida de uma criança sem a faculdade da palavra e da inteligência. No passado fora assassino decretando a morte de muitos compatriotas, aproveitando a insurreição civil, para vingar-se de desafetos). NMM-7-107.

Felizes da Terra! Quando passardes ao pé dos leitos de quantos atravessam prolongada agonia, afastai do pensamento a idéia de lhes acelerardes a morte!... (referente à observação do auxílio espiritual que a jovem Marita recebeu durante o período que esteve em coma no hospital). SD-2P-7-248.


EVANGELHO


O Evangelho, assim, não é o livro de um povo apenas, mas o Código dos Princípios Morais do Universo, adaptável a todas as pátrias, a todas as comunidades, a todas as raças e a todas as criaturas, porque representa, acima de tudo, a carta de conduta para a ascensão da consciência à imortalidade, na revelação da qual Nosso Senhor Jesus Cristo empregou a mediunidade sublime como agente de luz eterna, exaltando a vida e aniquilando a morte, abolindo o mal e glorificando o bem, a fim de que as leis humanas se purifiquem e se engrandeçam, se santifiquem e se elevem para a integração com as leis de Deus. MM-26-188.


EVANGELIZAÇAO


Os imperativos da evangelização preponderam aqui sobre os demais. (referente a Casa Transitória de Fabiano, instituição espiritual). OVE-12-189.

(...) Não nos esqueçamos de que a evangelização das relações entre as esferas visíveis e invisíveis é dever tão natural e tão inadiável da tarefa quanto à evangelização das pessoas. NMM-2-34.



EVANGELHO NO LAR


No Além

(...) Destinando-se especialmente naquele dia ao culto do Evangelho no Lar de Ambrósio e Priscila, casal que desempenhava o encargo de guardiões, dentro os muitos sediados na fronteira que assinala os pontos iniciais da zona conflagrada pelas pregações mentais dos irmãos em desequilíbrios. O serviço no lar se revertia das características ao Evangelho em casa, nos domicílios cristãos da Terra. Vinte e duas entidades, das quais vinte mulheres e dois homens tinham vindo do grande nevoeiro próximo, a fim de ouvirem a palavra do irmão Cláudio. EVC-13-101/108.

Na Terra

Toda vez que se ora num lar, prepara-se a melhoria do ambiente doméstico. (...) O culto familiar do evangelho não é tão só um curso de iluminação interior, mas também processo avançado de defesa exterior, pelas claridades espirituais que acende em torno. O lar que cultiva a prece transforma-se em fortaleza. (...) As entidades da sombra experimentam choques de vulto, em contacto com as vibrações luminosas deste santuário doméstico, e é por isso que se mantêm a distância, procurando outros rumos. OM-37-197.

Vimos o novo orientador (Clarêncio) acercar-se do recipiente de água cristalina, magnetizando-a. (fluidificação de água durante o evangelho no lar ao redor do leito da filha enferma, na casa de Antonina). ETC-31-195.

Ao menos uma vez por semana, formar o culto do Evangelho com todos aqueles que lhe co-participa da fé, estudando a verdade e irradiando o bem, através de preces e comentários em torno da experiência diária à luz dos postulados espíritas. Quem cultiva o Evangelho em casa, faz da própria casa um templo do Cristo. CE-5-33.


EXPIAÇÃO


(...) A experiência ser-lhe-á bem dura, porque dois dos rapazes deverão regressar na condição de paralíticos, um na qualidade de débil mental e, para auxiliá-la na viuvez precoce, terá tão-somente a filha, que, por si mesma, será também portadora de prementes necessidades de retificação. (Anacleta reencarnará com a expiação de amparar esses filhos que outrora caíram desastradamente por imprevidência sua). ML-12-175.

Há milhões de almas humanas que se não afastaram ainda, da Crosta Terrestre, há mais de dez mil anos. (...) recapitulam, individual e coletivamente, lições multimilionárias, sem atinarem com os dons celestiais de que soa herdeiros. (Daqui não saireis antes de pagar o ultimo centil, afirmou Jesus). LI-2-35.

Há dolorosas reencarnações que significa tremenda luta expiatória para as almas necrosadas no vício. Temos, por exemplo, o mongolismo, a hidrocefalia, a paralisia, a cegueira, a epilepsia secundária, o idiotismo, o aleijão de nascença e muitos outros recursos, angustiosos embora, mas necessários, e que podem funcionar, em benefício da mente desequilibrada. NDM-15-139/140.
Sustentado pelo devotamento heróico da esposa, (Júlio) trouxe ao mundo cinco filhos, dos quis uma jovem que lhe foi abençoada irmão noutra vida terrestre, e os demais, inclusive Américo, são quatro rapazes de trato muito difícil. Márcio é cliente de embriaguez, Guilherme e Benício estão consumindo a mocidade em extravagância noturna. Laura que é abnegada companheira dos pais, e o nosso Américo, o primogênito, que ainda está longe de recuperar o equilíbrio completo, que já conhecemos. (...) Em passado próximo, o paralítico (Júlio, o pai dos filhos citados) de hoje era o dirigente de pequeno bando de malfeitores. Extremamente ambicioso, asilou-se num sitio, onde se transformou em perseguidor de viajantes desprevenidos, dedicando-se ao furto e à vadiagem. Conseguiu convencer quatro amigos a acompanhá-lo nas aventuras delituosas a que se entregou. (...) Esses quatro companheiros são hoje os filhos que lhe recebem nova orientação, crivando-o de preocupações e desgostos. Desviou-os do caminho reto, agora busca recuperá-los para a estrada justa, achando-se, ele mesmo, em penosas inibições. NDM-24-227/229/230.

(...) As penas de Laudemira, na atualidade resultam de pesados débitos por ela contraída há pouco mais de cinco séculos. (na corte de Joana II, rainha de Nápoles, pela sua leviandade e domínio, Laudemira prejudicou muita gente). AR-10-136.

Por fora era ele (o paralítico Sabino), dolorosa máscara de anormalidade e aberração. Mirrado (magro), nada medindo além de noventa centímetros e apresentando grande cabeça, aquele corpo disforme, tresandando (exalando) odores fétidos, inspirava compaixão e repugnância. (porém, na mente Sabino apresentava toda a sua maldade praticada quando era um aristocrata). Há mais de mil anos, vêm sucumbindo, vaidoso e desprevenido, as garras da criminalidade. AR-13-180/182

Optaram por tarefas no campo da aeronáutica, a cuja evolução ofereceram as suas vidas. Há dois meses regressaram às nossas linhas de ação (espiritualidade) depois de haverem sofrido a mesma queda mortal que infligiram aos companheiros de luta no século XV. (Ascânio e Lucas pediram para reencarnarem e serem aeronáuticos para resgatar débito por terem matado companheiros, jogando-os de altas alturas). Contribuindo para o progresso aeronáutico morreram em queda de altura, como o fizeram com outros irmãos. AR-18-249.