Pesquisar este blog

Páginas

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

14 recordação das existências anteriores 2

 14 recordação das existências anteriores 2

O LIVRO DOS ESPÍRITOS

(QUESTÕES 200 A 202) - SEXO NOS ESPÍRITOS

200 Os espíritos não têm sexo como nos entendemos, há entre eles amor, simpatia e concordância de sentimentos.

201 O espírito que animou o corpo de um homem pode animar o de uma mulher e vice-versa.

202 O espírito nasce homem ou mulher em função das provas por que tem de passar.

(QUESTÕES 203 A 206) - PARENTESCO, FILIAÇÃO

203 Os pais transmitem aos filhos somente a vida material, a alma adiciona a vida moral.

204 A sucessão de existências corporais estabelece entre os espíritos ligações que ultrapassam a parentela comum.

205 A reencarnação não enfraquece os laços de família, ampliam-os, muitos estão ligados por laços de sangue de vida anterior.

A A reencarnação diminui a importância da genealogia, os espíritos transitam entre povos e raças diversas.

206 Devemos ter afeição pelos antepassados mesmo que os espíritos não procedam uns dos outros.

(QUESTÕES 207 A 217) - PARECENÇAS FÍSICAS E MORAIS

207 Os pais transmitem aos filhos a aparência física, a aparência moral fica por conta das diferença entre os espíritos.

A As semelhanças morais têm causa na atração recíproca entre espíritos simpáticos e pela analogia de pendores.

208 Os pais exercem grande influência sobre os filhos tendo como tarefa e responsabilidade desenvolve-os pela educação.

209 Pais virtuosos podem ter filhos perversos a pedido destes na esperança de serem mais bem encaminhados.

210 As preces do pais não têm a força de atrair um bom espírito para o corpo em formação, mas ajuda o reencarnante.

211 A semelhança de caráter que muitas vezes existe entre irmãos, está na semelhança de tendências.

212 Em crianças cujos corpos nascem ligados há dois espíritos cuja semelhança, às vezes, nos pareça um só.

213 Não é regra o fato de irmãos gêmeos serem simpáticos entre si, espíritos antagônicos podem estar juntos na vida.

214 A estória de que crianças lutam no seio materno, figuram o sentimento de ódio recíproco que há entre mãe e filho.

215 O caráter distinto de cada povo significa uma grande família formada pela reunião de espíritos simpáticos.

216 Em nova existência os espíritos podem conservar o caráter da anterior, mas pode melhorar também. E bastante.

217 O espírito se reflete no corpo, imprimindo certo cunho, sobretudo ao rosto, daí se diz que os olhos são o espelho da alma.

(QUESTÕES 218 A 221) - IDÉIAS INATAS

218 O espírito encarnado conserva algum vestígio das existências anteriores através de vaga lembrança ou idéias inatas.

A Os conhecimentos adquiridos por um espírito não se perdem, encarnando esquece-os em parte, a intuição os conserva.

B Nem sempre há grande conexão entre duas vidas consecutivas, às vezes há mudanças em função do progresso auferido.

219 A origem das faculdades extraordinárias de um indivíduo está no progresso anterior da alma, o corpo muda o espírito não.

220 Um espírito pode perder (ficam em estado latente) certas faculdades se as utilizou mal ou se precisa exercitar outras.

221 A intuição da existência de Deus se deve ao fato do espírito saber antes de encarnar. O orgulho abafa este sentimento.

A Pela mesma razão, certas crenças da Doutrina Espírita são intuitivas, mas preconceitos e ignorância atrapalham.

CAPÍTULO V - CONSIDERAÇÕES SOBRE A PLURALIDADE DAS EXISTÊNCIAS

(QUESTÃO 222) - O DOGMA DA REENCARNAÇÃO

222 O dogma da reencarnação não é invenção do Espiritismo, é conhecido desde a mais remota antigüidade.

CAPÍTULO VI - DA VIDA ESPÍRITA

(QUESTÕES 223 A 233) - ESPÍRITOS ERRANTES

223 Na Terra, a reencarnação pode ser imediata, mas em geral ocorre a intervalos mais ou menos longos.

224 No intervalo da encarnações a alma é um espírito errante aspirando um novo destino.

A Os intervalos duram desde algumas horas a milhares de séculos, mas não perpétuo, é preciso continuar o progresso.

B Essa duração depende do espírito, para alguns imposta como expiação.

225 A erraticidade não é um sinal de inferioridade, existem espíritos de todos os graus; a encarnação é um estado transitório.

226 Errantes são todos os espíritos desencarnados que precisam reencarnar.
227 Os espíritos errantes se instruem observando lugares, conselhos e cursos com espíritos mais elevados.

228 Na matéria os espíritos inferiores conservam suas más paixões, os mais elevados conservam as boas paixões.

229 Para os espíritos é difícil deixar as paixões na Terra, sobretudo para os que as tem bastante acentuadas.

230 Na erraticidade o espírito pode melhorar-se muito, mas é na vida corporal que ele pratica as idéias que adquiriu.

231 Os espíritos errantes são felizes ou desgraçados conforme seus méritos.

232 Os espíritos errantes não podem ir a todos os mundos, podem entrevê-los, donde nasce o desejo de melhoria.

233 Os espíritos purificados descem aos mundos inferiores para auxiliar o progresso.

(QUESTÕES 234 A 236) - MUNDOS TRANSITÓRIOS

234 Existem mundos conforme a natureza dos espíritos a que eles têm acesso, onde gozam de maior ou menor bem-estar.

A Os espíritos que se encontram nesses mundos são livres para deixá-los, a fim de irem para onde devam ir.

235 Os espíritos progridem nos mundos transitórios ao se instruírem com vistas à perfeição.

236 Os mundos transitórios são destinos temporários aos espíritos errantes.

A Esses mundos não são habitados por seres corpóreos, sua superfície é estéril, pois os habitantes de nada necessitam.

B Estes mundos são estéreis temporariamente.

C Mesmo não tendo belezas naturais, reflete as belezas da imensidade.

D A Terra já pertenceu à categoria de mundo transitório.

E Este fato ocorreu durante sua formação.

 (QUESTÕES 237 A 256) - PERCEPÇÕES, SENSAÇÕES E SOFRIMENTOS DOS ESPÍRITOS

237 De volta ao mundo dos espíritos, a alma conserva as percepções que tinha, além de outras de que não dispunha.

238 Os espíritos mais próximos da perfeição sabem mais, os inferiores são mais ou menos ignorantes acerca de tudo.

239 Conforme a elevação e a pureza alcançada os espíritos conhecem o princípio das coisas.

240 A noção do tempo varia na compreensão dos espíritos, daí a dificuldade de determinar datas ou épocas.

241 Dependendo da elevação os espíritos fazem do presente uma idéia mais precisa do que nós.

242 Os espíritos lembram o passado com mais facilidade, mas nem tudo sabem, a começar da própria criação.

243 Quanto ao futuro depende da elevação alcançada. Muitas vezes entrevêem, mas nem sempre podem revelá-lo.

A Mesmo os espíritos perfeitos não têm completo conhecimento do futuro, por isso só Deus é soberano.

244 Os espíritos superiores vêem e compreendem a Deus, os inferiores sentem e adivinham.
A Quando um espírito inferior diz que Deus lhe proíbe ou permite uma coisa, ele não vê a Deus, mas sente sua soberania.

B Deus transmite suas ordens por intermédio dos espíritos imediatamente superiores em perfeição e instrução.

245 A visão dos espíritos superiores não está circunscrita aos olhos como nos seres corpóreos.


246 Para os espíritos superiores não há necessidade de luz para enxergar, com os inferiores ocorre o inverso.