Pesquisar este blog

Páginas

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

NOSSO LAR 07-13 Livro : Ação e Reação Capítulo: 13 Assunto: Débito Estacionário

NOSSO LAR 07-13 

Livro : Ação e Reação

Capítulo: 13 

Assunto: Débito Estacionário

colaborador: Julian


13 Débito estacionário

Prosseguimos administrando fraterno auxílio ao lar de Marina, incluindo a assistência ao companheiro que o nosocômio ainda acolhia, encontrando excelentes oportunidades de estudo e observação.

Conclusões e apontamentos felicitavam-nos a cada passo.

Tarefas e excursões cobriam-se de êxito desejável, quando, certa noite, no parlatório, foi Silas procurado por um companheiro aflito, que avisou, atencioso:

- Assistente, nossa irmã Poliana parece vergar, em definitivo, ao peso da imensa prova.

- Revoltada? - indagou nosso amigo com inflexão de paciência e bondade.

- Não - aclarou o interpelado. - Nossa irmã está enferma e o equilíbrio orgânico declina de hora a hora...

Apesar disso vem lutando heroicamente para conservar-se ao pé do filho infeliz.

Silas refletiu por momentos rápidos e falou resoluto:

- É imperioso agir sem demora.

E, qual acontecera em circunstâncias anteriores, utilizamos a volitação para lograr mais tempo.

A breves minutos, achávamo-nos em paisagem rural pobre e triste. Num casebre, totalmente exposto à ventania noturna, infortunada mulher jazia enrolada em farrapos, numa esteira de palha ao rés do solo e, a poucos metros, mísero anão paralítico exibia o semblante alvar.

Reconhecia-se-lhe, de pronto, a idiotia completa, sob a vigilância da enferma desditosa, que o fitava entre a aflição e o desencanto.

Abarcando-os com o olhar, nosso condutor informou solícito:

- Temos aqui nossa irmã Poliana e Sabino, o filho desventurado que o Poder Celeste lhe confiou.

Espiritualmente, são ambos tutelados da Mansão, em pedregoso caminho de reajuste.

Entretanto, o generoso amigo parecia mais interessado na assistência prática que na obra informativa.

Inclinando-se, atento, para a desventurada mulher, auscultou-lhe o tórax, explicando algo inquieto:

- Caso urgente.

E, convidados ao concurso imediato, associamo-nos à minuciosa pesquisa, observando que o coração da enferma apresentava alarmante arritmia, figurando-se-nos agitado prisioneiro a emaranhar-se nas artérias estreitadas em estranhas calcificações.

Examinando aquele atormentado quadro circulatório, o Assistente informou:

- Os vasos enfraquecidos do miocárdio ameaçam ruptura próxima, porquanto a doente se encontra na tensão de angústia extrema. A parada súbita do órgão central pode ocorrer de um instante para outro.

Assim dizendo, relanceou o olhar sobre o homem-criança, estirado a dois passos, e acrescentou:

- Entretanto, Poliana precisa mais tempo no corpo, de vez que o filho não lhe dispensa os cuidados. Acham-se não apenas jungidos à mesma prova, mas imanizados ao mesmo clima fluídico, reciprocamente alimentados pelas forças  que exteriorizam, no campo da afinidade pura. Dessa maneira, a desencarnação da genitora repercutiria mortalmente sobre o filho, cuja existência, no estágio de segregação em que se encontra, gravita, invariável, em derredor da carícia materna. Aflitiva expectação caiu sobre nós.

Silas como que buscava, na choça desguarnecida de tudo, algo que pudesse funcionar à guisa de socorro, todavia, somente velho cântaro ali guardava pequena porção d_água.

O Assistente comunicou-nos que a enferma reclamava medicação imediata, considerando, porém, que naquela hora da noite não era fácil trazer algum companheiro encarnado ao sítio deserto, nem dispúnhamos, ali, de recursos quaisquer.

Ainda assim, vimo-lo aplicar-lhe passes à glote, com desvelada atenção.

Logo após, administrou recursos fluídicos à linfa pura.

Compreendemos que Silas ativara a sede na doente, constrangendo-a a servir-se da água simples então convertida em líquido medicamentoso.

Despendendo enorme esforço, Poliana abandonou o leito e buscou o pote humilde.

Após beber ligeiros goles, asserenou as próprias ânsias, qual se houvera sorvido valiosa poção calmante.

As preocupações obcecantes da hora em curso cederam lugar à bonança de espírito.

Foi assim que o diretor de nossa excursão, acariciando-lhe a fronte, pendida nos molambos a se agregarem por travesseiro, transmitia-lhe forças revigorantes.

Decorridos alguns minutos, Poliana mostrava-se plenamente fora do vaso físico, mas sem a necessária lucidez espiritual para identificar-nos a presença. Contudo, subordinada ao comando magnético de Silas, ergueu-se automaticamente. Enlaçada por ele e seguidos ambos por nós, demandamos bosque vizinho.

Longe de perceber-se sob a assistência carinhosa de que era objeto, a enferma ausente do corpo de carne, como num sonho consolador, foi convenientemente acomodada por Silas no tapete de relva macia, sentindo-se calma eleve...

Finda essa operação, o Assistente convocou-nos à prece e, levantando o olhar para o firmamento faiscante de estrelas, rogou compungidamente:

- "Pai de Infinita Bondade, Tu que dás provimento às necessidades do verme aparentemente esquecido no ventre do solo, que vestes a flor anônima, perfumando-lhe a contextura, muitas vezes sobre a lama do charco, desce compassivo olhar sobre nós, que nos tresmalhamos a distância de Teu amor!

"Em particular, Pai Justo, compadece-Te de nossa Poliana, vencida!...

"Ela não é mais, Senhor, a mulher sequiosa de aventura e de ouro, disposta a lançar lodo e treva no caminho dos semelhantes, mas sim pobre mãe fatigada, reclamando novas forças para a renúncia! não é mais a moça vaidosa que tripudiava nos tormentos do próximo, mas triste mendiga, anulada para o trabalho, que soluça de porta em porta, esmolando o pão com que deve sustentar o torturado filho de sua dor e nutrir a própria vida.

"Ó Pai, não a deixes perder agora a benção do corpo, na senda redentora onde se arrasta!

"Acrescenta-lhe os recursos para que não interrompa a experiência sublime em que se localiza...

"Tu que nos deste, pelo Cristo, a divina revelação do sofrimento, como sendo o roteiro de nossa recondução para os Teus braços, ajuda-a a refazer as energias  aniquiladas, a fim de que não pereça antes de encontrar a nova luz que lhe aguarda o coração para a subida à Glória Eterna!...

A voz de Silas, tocada de profunda fé, arrebatava-nos ao pranto insofreável.

Azulíneas cintilações nimbavam-lhe a cabeça e, como resposta do Alto, ali, na selvagem floração do bosque ermo, vimos, ao longe, cinco flamas, em pontos diferentes do Espaço, que se aproximavam de nós, celeremente...

Renteando conosco, transfiguraram-se em companheiros que nos saudaram regozijantes.

Em rápidos minutos, energias imponderáveis da Natureza, associadas aos fluidos de plantas medicinais, foram trazidas à nossa enferma, que as inalava a longos sorvos, e, em tempo breve, vimos Poliana surpreendentemente refeita, pronta a retomar o envoltório para a necessária restauração.

- Ricos da Terra - pensei com lágrimas -, onde o poder  das vossas arcas abarrotadas de ouro, ante a simples fulguração de uma prece? Onde a grandeza de vossos palácios, recheados de fausto e pedraria, confrontada com um simples minuto de reverência da alma, em comunhão com a Paternidade de Deus, na majestade do Céu?

Incapaz de raciocinar por si, quanto à metamorfose experimentada, por força das inibições que sofria na provação temporária, a doente não conseguia ver-nos, mas sorria, venturosa, sentindo-se mais robusta e mais ágil.

Novamente amparada, regressou ao tugúrio infecto e auxiliamo-la a retomar a cápsula física.

Enquanto descerrava os olhos, reconfortada, Silas esclareceu:

- As melhoras adquiridas pela organização perispirítica serão apressadamente assimiladas pelas células do equipamento fisiológico.

E acentuou:

- Sabem os médicos terrenos que o sono é um dos ministros mais eficientes da cura. É que, ausente do corpo, muitas vezes consegue a alma prover-se de recursos prodigiosos para a recuperação do veículo carnal em que estagia no mundo.

Após a elucidação, afagou os cabelos grisalhos da pobre doente e prometeu-lhe em voz alta; - Descanse. Quando o dia ressurgir, nossos companheiros trarão até aqui o socorro da caridade fraternal, valendo-se de algum samaritano das redondezas... Permitirá o Senhor que você continue...

Em seguida, convidou-nos a observar o campo orgânico de Sabino.

Por fora, sim, era ele dolorosa máscara de anormalidade e aberração. Mirrado, nada medindo além de noventa centímetros e apresentando grande cabeça, aquele corpo disforme, tresandando odores fétidos, inspirava compaixão e repugnância.

A fisionomia denotava configuração macacóide, exibindo, porém, no sorriso inconsciente e nos olhos semilúcidos, a expressão de um palhaço triste.

Recomendou-nos o Assistente auscultar-lhe o campo íntimo, e, em razão disso, findos alguns minutos de reflexão, assimilei-lhe a faixa mental, observando-lhe as singulares reminiscências...

Demonstrando viver essencialmente distante da realidade, a memória de Sabino mergulhava, toda, em quadros estranhos.

Corporificados ante a nossa visão espiritual, os pensamentos dele tomavam consistência, compelindo-nos a enxergá-lo qual se sentia em verdade. Víamo-lo em trajes de palaciano bem-posto, influenciando pessoas categorizadas para a consumação de crimes ocultos, a culminarem sempre na flagelação do povo. Viúvas e órfãos, trabalhadores humildes e escravos misérrimos desfilavam nas telas de suas complicadas recordações. Palacetes aristocráticos e mesas opíparas constavam por detalhes faustosos das lembranças que lhe povoavam o espírito... E, ao seu lado, sempre a mesma mulher, cujo porte soberbo revelava Poliana, aquela mesma Poliana que jazia inerme na esteira de palha... Assombrados, identificávamos ambos cercados de luxo e ouro, manchados, porém, de sangue, ao qual se faziam plenamente insensíveis...

Reconhecíamos sem dificuldade que mantinham consigo escusos compromissos um com o outro, no terreno da crueldade.

Sabino, o fidalgo orgulhoso, não tomava conhecimento de Sabino, o anão paralítico. Em absoluta introspecção, revivia o pretérito, com requintes de egolatria, demonstrando-se na posição do homem iludido por mentirosa superioridade à frente dos semelhantes.

Percebendo-nos a perplexidade, Silas observou:

- Decerto, não lhe ouviremos a palavra articulada, mudo e surdo qual se encontra, mas podemos consultar-lhe o pensamento, porquanto reagirá em pensamento, respondendo-nos às interpelações, através da conversação ideada. Para isso, porém, é imprescindível lhe dispensemos o tratamento devido à personalidade que julga viver... Mentalizemo-lo como sendo o Barão de S..., titulo que exibiu na existência última e com o qual se desvairou calamitosamente nas trevas da delinqüência e da vaidade.

Observando as manchas rubras nos quadros vivos das vivas reminiscências em que se enclausurava, perguntei com a gravidade natural que a experiência exigia:

- Barão, por que tanto sangue em seu caminho? Terão muitos chorado, em torno de sua marcha?

Notei, perfeitamente, que ele não recolhera a interrogação com os tímpanos comuns, mas a apreendera em forma de idéia, formulada de si para consigo, devolvendo-nos a seguinte ponderação pelos fios mentais, em que comungávamos um com o outro, sem que me identificasse por seu interlocutor invisível: - "Sangue e lágrimas, sim!...

Precisei de grande dose de semelhante material em meus empreendimentos... Que triunfador do mundo não terá sangue e lágrimas, na base das pirâmides da fortuna ou da dominação política em que todos eles se apóiam? A vida é um sistema de luta, no qual a Humanidade se divide em dois campos opostos - aquele dos que conquistam e aquele dos que são conquistados... Sou um nobre... Não guardo a vocação de perder_ Que importa a aflição dos fracos, se a morte para eles significa descanso e mercê?

Desliguei-me do foco mental em que se lhe exprimiam os pensamentos e, depois de alguns instantes, nos quais se consagrava Hilário ao mesmo exame que me tomara a atenção, o Assistente esclareceu:

- Segundo é fácil de concluir, ante a perquirição da ciência terrestre vulgar, Sabino será o idiota paralítico, surdo e mudo de nascença... Para nós, no entanto, é um prisioneiro ainda perigoso, engaiolado nos ossos físicos, de cuja tessitura, por agora, não tem qualquer noção, tal o egoísmo que ainda lhe turva a alma, em processo de incontrolável hipertrofia... A sede da posse ignóbil e o orgulho virulento perverteram-lhe a vida íntima, fixando-o em pavoroso labirinto de sinistros enganos, que resultam para ele em completa alienação mental no tempo, de vez que o relógio avança na contagem dos dias, enquanto se mantém parado nas reminiscências em que se supõe dominador na Terra, vivendo o pesadelo criado por si próprio...

Diante dos problemas que o estudo suscitava, indagou Hilário, surpreso:

- Mas... onde a vantagem de semelhantes padecimentos?

Silas esboçou leve expressão de tristeza e considerou:

- Temos sob nossa atenção lamentável débito congelado. Nosso pobre companheiro, deploravelmente tombado, praticou numerosos delitos na Terra e no Plano Espiritual e, há mais de mil anos, vem sucumbindo, vaidoso e desprevenido, às garras da criminalidade... De existência a existência, não soube senão consumir os recursos do campo físico, tumultuando as paisagens sociais em que o Senhor lhe concedeu viver. Calamidades diversas, como sejam homicídios, rebeliões, extorsões, calúnias, falências, suicídios, abortos e obsessões foram por ele provocados, desde muitos séculos, porquanto nada viu à frente dos olhos senão o seu egoísmo a saciar... Entre o berço e o túmulo, é o desatino incessante, e, do túmulo para o berço, é a maldade fria e inconseqüente, apesar das intercessões de amigos abnegados, que o amparam em novas tentativas de regeneração e levantamento. Quase sempre inspirado nos pontos de vista de Poliana, que lhe vem sendo a companheira de múltiplas jornadas, cristalizou-se como infeliz empresário do crime, agigantando-se-lhe de tal modo o desequilíbrio na existência última, terminada no suicídio indireto através do mergulho deliberado na viciação, que não houve outro remédio para ele senão o insulamento absoluto na carne, ao nevoeiro da romagem presente, na qual o identificamos, assim, como fera enjaulada na armadura de células aviltantes, sob a custódia da mulher que o ajudou nas quedas sucessivas, erigida agora à posição de enfermeira maternal do seu longo infortúnio.

Poliana, a companheira fútil e transviada do bem, que habitualmente escolheu para si a condição de boneca do prazer delituoso, acordou, além-túmulo, para as realidades da vida, antes dele... Despertou e sofreu muito, aceitando a tarefa de auxiliá-lo na recuperação em que, por certo, despenderão muito tempo ainda...

No campo perispiritual do anão ensimesmado, observamos, através da sua aura verde-trevosa, que todas as energias dos seus fulcros vibratórios refluíam sobre os pontos de origem, dando-nos a impressão de que Sabino estava enovelado inteiramente em si mesmo, à maneira da lagarta ilhada no casulo dela própria nascido.

As perguntas que não nos foi possível sopitar, respondeu Silas com presteza:

- Nosso amigo, até que se amadureça em espírito para a renovação necessária, guarda a mente trabalhando em circuito fechado, isto é, pensa constantemente para si mesmo, incapaz da permuta de vibrações com os semelhantes, exceção feita com Poliana, de quem se fez satélite mudo e expectante, como parasita em fronde seivosa. Sabino é um problema de débito estacionário, porque jaz em processo de hibernação espiritual, compulsoriamente enquistado no próprio íntimo, a benefício da comunidade de Espíritos desencarnados e encarnados, porquanto tão expressivos se lhe destacam os gravames de ordem material e moral que a sua presença consciente, na Terra ou no Espaço, provocaria perturbações e tumultos de conseqüências imprevisíveis. Desfruta, desse modo, uma pausa na luta, como ensaio de esquecimento, a fim de que possa, de futuro, encarar o montante dos compromissos em que se enleia, promovendo-lhes solução digna nos séculos próximos, a golpes de férrea vontade na renunciação de si mesmo.

- Mas - indagou Hilário, inquieto - não disporia a Espiritualidade Superior de elementos para encarcerá-lo, a distância da carne?

- Sim - confirmou Silas -, isso não é impossível.

Entretanto, se temos enxovias pungentes para a expiação dos crimes que entenebrecem a mente humana, muitas delas a se expressarem por vales de miséria e de horror, é preciso considerar que os delinqüentes aí segregados atraem-se uns aos outros, contagiando-se mutuamente das chagas morais de que são portadores, gerando o inferno em que passam transitoriamente a viver. Por outro lado, contamos com muitas instituições, funcionando à semelhança de estufas, nas quais criaturas desencarnadas dormem pacificamente largos sonos, mergulhadas nos pesadelos que merecem até certo ponto, depois de efetuada a travessia do sepulcro...

Em Sabino, contudo, encontramos um caso excepcional de rebeldia e delinqüência sistemáticas, em cujas sombras, um dia, sentiu baquearem-se-lhe as forças. O remorso feriu-lhe o coração como a bala mortífera assalta um tigre solto... A prece fulgurou- lhe na consciência e, antes que a sua nova atitude provocasse reações e vinditas soezes, entre os que lhe seguiam os passos na rota perversa, recolheram-no à Mansão, onde foi naturalmente magnetizado, caindo em hipnose de longo curso, sendo recebido mais tarde pelo carinho de Poliana, então segregada em campo de regeneração pelo sacrifício. Como vemos, tamanhas são as ligações de nosso companheiro nos planos infernais que, por mercê de Jesus, foi ele ocultado provisoriamente neste corpo monstruoso em que se faz não apenas incomunicável, mas também de algum modo irreconhecível, em favor dele próprio.

É indispensável que o tempo com a Bondade Divina lhe amparem os problemas aflitivos e complexos. E, fitando-nos serenamente, ajuntou:

- Compreenderam? Sim, havíamos entendido.

A experiência, aos nossos olhos, era dura mas lógica, terrível mas justa.

E como quem nada mais podia dar ao triste amigo, além do coração, Silas afagou-lhe a cabeça imunda e ofertou-lhe, comovido, a bênção de uma prece.


Questões para o Estudo

O tema apresentado pelo nosso Instrutor noas chama para uma realidade distinta em torno às afinidades, ajuste e conseqüências no desenrolar das existências. Cabe-nos refletir e perguntar-nos:

1.- Os Espíritos que voltam para a Terra em prova de expiação, contam com certeira ajuda para desfazer-se de seus débitos. Quais os mecanismos dessa ajuda?

2.- Os mecanismos das liações entre os espíritos em prova se dão no âmbito da _afinidade pura_ e continuam durante o tempo em que a afinidade os ligue. Nestes casos em que as criaturas permanecem ligadas entre elas, haverá dificuldade quando se intentar modificar pela ajuda, a extensão da prova?

3.- Como entender:

a) _reciprocamente alimentados pelas forças  que exteriorizam_? b) esta simbiose é natural?

4.- Quando Silas diz: _Tu que nos deste, pelo Cristo, a divina revelação do sofrimento, como sendo o roteiro de nossa recondução para os Teus braços..._ reconhece a dor, como à única libertadora da alma?

5.- A prece formulada pelo Instrutor e atendida depressa pelos envidados do Céu. Temos a certeza de que nossos apelos serão assim respondidos?

6.- Silas afirma que _as melhoras adquiridas pela organização perispirítica serão apressadamente assimiladas pelas células do equipamento fisiológico_. Podemos ajuntar alguma outra idéia para encher o conceito?

7.- Sabino permanece engaiolado a um corpo, preso das suas recordações, respondendo-se a si mesmo. Como descortina André Luiz os refolhos da sua alma?

8.- O Débito Congelado é para o Espírito um estagio isolado onde a Lei da Justiça dá espaço à Lei da Clemência. Podemos refletir nesta situação e formular considerações?

Conclusão:

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

O tema apresentado pelo nosso Instrutor nos chama para uma realidade distinta em torno às afinidades, ajuste e conseqüências no desenrolar das existências. Cabe-nos refletir e perguntar-nos:

1.- Os Espíritos que voltam para a Terra em prova de expiação, contam com certeira ajuda para desfazer-se de seus débitos. Quais os mecanismos dessa ajuda?
   
R - A misericórdia divina é infinita, quando se trata de colocar à nossa disposição mecanismos de ajuda em nossa passagem pelas provas da vida física. Desde o nascimento, contamos com um espírito protetor, pertencente a uma ordem elevada, que tem a missão de nos assistir durante a jornada terrena, acompanhando-nos desde a nossa chegada até a morte do corpo. Além desse anjo guardião, uma falange de Espíritos benfeitores está permanentemente à nossa disposição para nos socorrer sempre que nos sentimos enfraquecidos para o enfrentamento das provas, bastando, para tanto, que saibamos buscar a ajuda e que façamos por merecê-la, pela sintonia com o plano espiritual superior. Enfim, são muitos os mecanismos de auxílio que o Alto nos oferece, como a intercessão, de que temos um exemplo no caso narrado no presente capítulo.

2.- Os mecanismos das liações entre os espíritos em prova se dão no âmbito da "afinidade pura" e continuam durante o tempo em que a afinidade os ligue. Nestes casos, em que as criaturas permanecem ligadas entre elas, haverá dificuldade quando se intentar modificar, pela ajuda, a extensão da prova?
   
R - A dificuldade é sempre maior quando o espírito em prova, ao invés de se situar como o devedor resignado, que está tendo a oportunidade do ressarcimento através da reencarnação, mantém-se psiquicamente ligado às zonas inferiores, onde estagiam entidades perseverantes na prática do mal, sem nutrir qualquer pensamento que sinalize o desejo de transformação. Como no caso em estudo, Sabino vivia distante da realidade atual, com seu pensamento ainda mergulhado num passado em que vivenciou, existência após existência, numerosos delitos. Mantinha-se preso às garras da criminalidade e, em semelhante estado mental, dificultava o amparo do Alto, que, como dissemos acima, depende da disposição íntima do espírito em prova para que possa dele desfrutar. A única ajuda que naquele momento lhe aproveitaria era a sua internação num corpo físico inteiramente desorganizado, que lhe servisse como pausa na seqüência de desatinos a que vinha se dedicando e que o protegesse do assédio das entidades malignas do plano espiritual, com as quais se sintonizava.

3.- Como entender:

a) "reciprocamente alimentados pelas forças que exteriorizam"? b) Esta simbiose é natural?
   
R - As forças a que se refere o assistente Silas são os fluidos que emanam do nosso pensamento. Estes fluidos formam uma atmosfera espiritual e combinam-se pela semelhança de suas naturezas. Os semelhantes se agregam; os diferentes se repelem. O pensamento, portanto, produz uma espécie de efeito físico que reage sobre o moral. O perispírito, que é formado de elementos extraídos dos fluidos espirituais, absorve os fluidos à sua volta, como uma esponja absorve um líquido, na comparação de Kardec, ao estudar o tema em "A Gênese".

Como narra André Luiz ao longo do capítulo, Poliana e Sabino há séculos eram parceiros em atos criminosos, aquela sempre  inspirando e servindo de companheira a este. Encontravam-se de tal modo imantados pela natureza de seus pensamentos, que criaram uma espécie de "dependência psíquica", em que buscavam mutuamente se nutrir das energias emanadas do outro. Sem dúvida, a situação caracterizava um processo de simbiose espiritual, atendendo à lei natural de sintonia, que vigora no Universo. Poliana, contudo, dava sinais de que sua transformação se avizinhava. Como a Natureza não dá saltos, os séculos em que juntos perseveraram na prática criminosa deixaram raízes que a imantavam a Sabino, que somente o tempo e uma vontade firme e  determinada são capazes de extirpar.

4.- Quando Silas diz:  "Tu que nos deste, pelo Cristo, a divina revelação do sofrimento, como sendo o roteiro
de nossa recondução para os Teus braços...", reconhece a dor como a única libertadora da alma?
   
R - No estágio evolutivo em que nos situamos, a dor ainda exerce um relevante papel no nosso progresso. Seria negar a bondade divina se admitíssemos que a dor é o único instrumento para a libertação do espírito. No entanto, é preciso entender o momento em que nos encontramos, ainda situados num patamar de progresso inferior, presos a paixões e vícios enraizados há séculos em nosso psiquismo. Assim, os resgates pela dor são feitos na medida exata da necessidade de cada um. A resignação e a aceitação do sofrimento são, portanto, elementos de impulsão para o nosso crescimento. Jesus ensinou que bem-aventurados seriam os aflitos, porque serão consolados. Acena, através desse ensinamento, com uma compensação aos que sofrem com resignação, ensinando que o sofrimento trazido pela dor deve ser bendito, pois é o início da cura. Como explica Allan Kardec em "O Evangelho segundo o Espiritismo", "as dores deste mundo são o pagamento da dívida que as vossas passadas faltas vos fizeram contrair; suportadas pacientemente na Terra, essas dores vos poupam séculos de sofrimentos na vida futura. Deveis, pois, sentir-vos felizes por reduzir Deus a vossa dívida, permitindo que a saldeis agora, o que vos garantirá a tranqüilidade no porvir".

5.- A prece formulada pelo Instrutor é atendida depressa pelos envidados do Céu. Temos a certeza de que nossos apelos serão assim respondidos?
   
R - A prece, como sabemos, é um dos modos de nos comunicarmos com o plano espiritual superior para (a) pedir, por nós ou por outros, (b) agradecer pelo que já recebemos ou estamos recebendo ou (c) para louvar, quando, sentindo e entendendo a sabedoria, bondade e poder de Deus, manifestamos-lhe nossa admiração, contentamento e confiança. Estando Deus em toda a parte e ligado diretamente ao nosso pensamento, a prece nunca se perde e sempre chega ao seu destino. Praticando-a com sinceridade, estaremos sempre em contato com o Criador e receberemos a influência dos benfeitores espirituais que estão a seu serviço. É abençoada luz, assimilando correntes superiores de força mental que nos auxiliam no resgate ou na ascensão. Quando estamos expiando algum equívoco do passado, a prece nos auxilia e nos conforta, dando-nos força e resignação para suportar a provação..

Todavia, é preciso entender que a prece, por si só, não modifica nem soluciona as dificuldades por que temos que passar, em decorrência da leis de causa e efeito. As leis Naturais são inflexíveis e se fazem cumprir automaticamente, por força de um magnetismo que ainda não estamos aptos a compreender inteiramente. Quando oramos, reunimos energias que nos fortalecem para o enfrentamento das provas. Não logramos nos furtar delas, mas, certamente, estamos nos habilitando a poder enfrentá-las com outra disposição e, até, a obter a sua atenuação. Não derroga mesmo nenhuma das leis divinas. Mas pode acioná-­las em nosso favor. Ao orar, usamos a capacidade de agir e pensar que Deus nos concede. Se obtivermos resultado favorável é porque o que havíamos pedido era possível, faltando apenas que movimentássemos nossas forças nesse sentido, o que fizemos através da prece.

6.- Silas afirma que "as melhoras adquiridas pela organização perispirítica serão apressadamente assimiladas pelas
células do equipamento fisiológico". Podemos ajuntar alguma outra idéia para encher o conceito?
   
R - O corpo físico é uma organização material plasmada pelo espírito por intermédio de seu perispírito. Pela identidade com o perispírito quanto à sua natureza, o fluido cósmico universal pode lhe fornecer princípios reparadores, que refletirão no corpo físico, propiciando a sua cura. A cura ou a melhora de uma enfermidade física através do magnetismo, como o fez Silas em relação a Poliana, pode ser conseguida através de uma transfusão de energias, por meio do passe magnético e da magnetização da água. Os fluidos doados ao enfermo fornecem princípios reparadores ao perispírito, que os repassa ao corpo, mediante a substituição de uma molécula malsã por uma  molécula sadia. O poder curativo está na razão direta da pureza da substância transfundida. Esse fenômeno se explica pelo fato de serem o corpo carnal e o perispírito constituídos de elementos extraídos do fluido cósmico  universal, do qual são simples transformações e de onde também são tirados os fluidos curadores.                                            

A ação curadora é condicionada à energia da vontade, conforme as intenções do agente que opera a emissão fluídica e a disposição do enfermo em recebê-la. Quanto maior for a vontade de curar e mais puros forem os fluidos doados, mais abundante será a emissão fluídica e com maior poder de penetração. No caso em exame, o agente das energias curadoras era um espírito dedicado ao bem, que se dedicava com amor ao trabalho de socorro espiritual. Poliana, por sua vez, tinha consciência do seu papel na assistência a Sabino e, por isso, desejava a melhora para poder continuar a servi-lo. Silas aplicou na doente passe magnético e depositou na água que seria por ela ingerida fluidos medicamentosos, transformando-a no remédio de que  necessitava para obter a melhora desejada.

7.- Sabino permanece engaiolado a um corpo, preso das suas recordações, respondendo-se a si mesmo. Como descortina André Luiz os refolhos da sua alma?
   
R - Sabino se mantinha encapsulado no próprio íntimo, incapaz de adotar qualquer pensamento que não se reportasse ao passado que o levou àquela situação. Não foi difícil ao benfeitores, nestas condições, penetrarem-lhe o pensamento e recolherem as informações necessárias, através de uma conversa mental. O enfermo percebeu, através das ondas mentais, as indagações que lhe eram dirigidas por André Luiz e, imediatamente, respondeu-as através do pensamento.

8.- O Débito Congelado é para o Espírito um estagio isolado onde a Lei da Justiça dá espaço à Lei da Clemência.

Podemos refletir nesta situação e formular considerações?
   
R - Conforme explicou Silas, Sabino se encontrava de tal modo enclausurado em seu próprio íntimo e em seu pretérito delituoso que ainda não deixara amadurecer a vontade da renovação que se fazia necessária. Sua presença consciente na Terra ou no Espaço, explica o Assistente, provocaria perturbações e tumultos de conseqüências imprevisíveis para encarnados e desencarnados que com ele viessem a conviver. Em tais condições, a misericórdia de Deus lhe propiciou desfrutar uma pausa em sua trajetória de crimes, que lhe serviria como um ensaio de esquecimento, para que, no futuro, possa se habilitar a resgatar o imenso débito acumulado durante anos de desatino. Iniciará, então, o seu processo de recuperação, que, certamente, será feito através de duras expiações que terá de suportar com resignação e paciência.


Um grande abraço a todos

Equipe CVDEE
Sala André Luiz

Coordenação: eqpal@cvdee.org.br