Pesquisar este blog

Páginas

quinta-feira, 18 de junho de 2015

COEM II - Sociedade Espírita Obreiros do Bem
COEM II- SEOB
UNIDADE TEÓRICA O 1
O HOMEM: ESPÍRITO E PERISPÍRITO

O ESPÍRITO
ORIGEM E NATUREZA
Podemos conceber como princípio de tudo o que existe, a trindade universal:
Deus, espírito e matéria. Sendo: Deus, o criador, o pai de todas as coisas; espírito, o princípio inteligente do Universo, cuja natureza Íntima temos dificuldade em definir com nossa linguagem; e, matéria, o laço que prende o espírito, o agente com o auxílio do qual e sobre o qual atua o espírito. No conceito de matéria devemos incluir o fluido universal.
Em todos os planos do nosso relativo conhecimento encontramos o espírito e a matéria estreitamente unidos: s6 pelo pensamento podemos conceber um sem o outro. Essa união é necessária para que o espírito perceba-se a si mesmo no processo de individualização, e para que a matéria seja intelectualizada.
Os Espíritos são, portanto, a individualização do princípio inteligente, como os corpos são a individualização do princípio material. Deus cria os espíritos permanentemente, mas a época e o modo por que essa formação se opera nos são desconhecidos. Os Espíritos povoam os espaços infinitos, são imortais e são os instrumentos de que Deus se serve para a execução de seus desígnios.
FORMA E UBIQÜIDADE
Em nosso nível de percepção os Espíritos não tem uma forma determinada, limitada e constante. Seriam como uma chama, um clarão, ou uma centelha etérea. apresentando uma coloração mais ou menos brilhante, conforme o seu grau de pureza
Freqüentemente confundimos o Espírito com a inteligência ou com o pensamento, mas, na verdade, estas duas coisas são atributos do Espírito.
Os Espíritos estão por toda a parte, mas, algumas regiões são interditas aos menos adiantados. A matéria grosseira, como a percebemos, não opõe obstáculos aos Espíritos desencarnados: o ar, as águas e o fogo lhes são igualmente acessíveis.
Eles se deslocam com a velocidade do pensamento, podendo ter ou não consciência da distância percorrida, dependendo de sua vontade, bem como de sua natureza mais ou menos depurada.
Um mesmo Espírito não se divide, ou seja, não pode existir em muitos pontos ao mesmo tempo. Mas, como cada um é um centro que irradia para diversos lados, um Espírito pode parecer estar em muitos lugares ao mesmo tempo. Dessa forma é que se deve entender o dom da ubiqüidade atribuído aos Espíritos. A força com que irradiam depende do grau de pureza de cada um.
EVOLUÇÃO DOS ESPÍRITOS
Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes. Através das diversas missões que lhes confere, os Espíritos vão se esclarecendo e chegando progressivamente àperfeição, pelo conhecimento da verdade. Sua felicidade é proporcional ao grau de perfeição conquistado.
Os Espíritos nunca degeneram: podem permanecer longo tempo estacionários, mas não retrogradam. Todos, indistintamente, atingirão a perfeição; nenhum se conserva eternamente nas ordens inferiores. Entretanto, como Deus dotou a todos do livre-arbítrio, uns progridem mais rapidamente que outros. O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espírito adquire consciência de si mesmo.
Assim, os Espíritos que se comprazem na maldade, o fazem por ignorância. As leis naturais permitem que eles sofram as conseqüências de seus atos, e, dessa forma, amadureçam e tornem-se cada vez melhores, a caminho da perfeição. O mal não possui existência própria: é, na verdade, ausência do bem.
O PERISPÍRITO    -   DEFINIÇÃO E CONSTITUIÇÃO
Segundo Kardec, o perispírito é um envoltório fluídico, semimaterial, que pode ser comparado com uma matéria muito sutil que envolve o Espírito, estruturando um corpo para este.
O perispírito é o intermediário de todas as sensações que o Espírito recebe e de sua interação com a natureza, em todos os planos, servindo de ligação entre a alma e o corpo no processo de encarnação/desencarnação. Em existindo o Espírito, existirá também o perispírito, pois um não existe sem o outro.
O perispírito é estruturado, ou seja, apresenta sistemas complexos (órgãos), compatíveis com sua finalidade. As energias e fluídos constituintes do perispírito são oriundos da metabolizacão automática das energias e fluidos do local onde está o Espírito, ou seja, o perispírito está sempre ajustado ao meio onde se encontra o Espírito.
Da mesma forma, sua constituição também é dependente do estágio evolutivo do Espírito, evoluindo com este e sutilizando-se cada vez mais, à medida que o Espírito galga os degraus da evolução.

PROPRIEDADES E CARACTERÍSTICAS
O perispírito, no seu componente energético, transita nos planos ou dimensões material e espiritual, sendo o elemento de ajuste ou interligação entre os dois planos. Como pertence simultaneamente aos dois planos, sujeita-se, ao mesmo tempo, às leis físicas características de cada uma dessas dimensões.
A combinação de matéria, fluIdos e energias, que constituem o perispírito, apresenta propriedades muito especiais, entre as quais a de ser manipulada, de maneira consciente ou automática, pelo próprio Espírito. Seus constituintes são muito flexíveis, expansíveis, compressíveis, interagindo facilmente com o Fluido Cósmico Universal, e podendo absorver e fundir-se com outras formas de energia e de matéria, sempre pela ação do pensamento, pela manipulação da vontade. Utilizando-se dos componentes do perispírito e combinando estes com outras formas de energia. o Espírito pode agir sobre a matéria.
O perispírito cumpre também a função de sér um molde para o desenvolvimento e organização do corpo físico. No processo de encarnação, o perispírito se liga célula a célula ao corpo físico, desde o processo de fecundação, passando pela multiplicação das células e pela diferenciação das estruturas orgânicas. Na prática, o perispírito contém um mapa energético da estrutura orgânica.
O perispírito, no encarnado, embora mais limitado pela presença da energia vital e pela ligação com o corpo físico, conserva afinidade e semelhança com o perispírito dos desencarnados. Também é expansível, flexível, apenas em grau menor que o do desencarnado.
O PERISPÍRITO E OS FENÔMENOS MEDIÚNICOS
Todos os fenômenos de intercâmbio ou de interação entre o plano material e o plano espiritual (fenômenos mediúnicos), exigem a participação do perispírito e da interação com outras formas de energia ou de outros perispíritos. Para agir sobre a matéria tridimensional, o Espírito necessita da participação do perispírito de um encarnado.
É pela combinação das energias e fluídos do perispírito do desencarnado com as energias e fluidos do perispírito do encarnado (médium), que se estabelecem as condições (atmosfera fluídico-espiritual) para que, agindo pela força de sua vontade, o Espírito possa agir sobre a matéria tridimensional.
O perispírito tem a capacidade de registrar exatamente as cargas energéticas advindas de nossa atuação na senda evolutiva, constituindo-se em instrumento da Justiça Divina, pois estabelece o mecanismo de causa e efeito, onde cada um estabelece o seu caminho, suas conquistas e expiações, sem necessidade de punições externas.
O plantio é livre, mas a colheita é obrigatória, visto que plantamos em nós mesmos e, isso, refletirá em nossas vidas.

ROTEIRO: ESPÍRITO E PERISPÍRITO

Origem e natureza dos Espíritos LE 21 a28e76a83; EM)O(XIlI; ETIV,4eV,I
Forma e ubiqüidade dos Espíritos LE 88 a 92
Evolução dos Espíritos - LE 114 a 131; E2M 20.XVIII; EAIIeVI
Diferença entre os Espíritos - LE 96 a 99
Escala Espírita - LE 100
Espíritos Imperfeitos - LE 101 a 106
Espíritos bons - LE 107a III
Espíritos puros - LE 1 l2e 113
O perispírito, definição e constituição - LE 93 a 95; LM 51,55,56,57; DM-X)(l
Propriedades e características - LE 93 a 95; LM 55 a 59; DM-XXI
O perispírito e os fenômenos mediúnicos  LM 74 a 76, 100, 105a 119