Pesquisar este blog

Páginas

terça-feira, 9 de junho de 2015

14 - AULAS E DINÂMICAS PARA A JUVENTUDE

O sentido da vida

         A história aconteceu num país longínquo, muitos séculos atrás. Pressentindo o seu fim, o rei chamou seus súditos pedindo que respondessem as três perguntas funda¬mentais. Seria premiado com fortuna e honrarias quem melhor respondesse as três perguntas:

         1 - Qual é o lugar mais importante do mundo?

         2 - Qual é a tarefa mais importante do mundo?

         3 - Quem é o homem mais importante do mundo?

         Sábios e ignorantes, ricos e pobres, crianças e jovens, adultos e idosos, desfilaram, tentando responder as três perguntas. Para o desconsolo do rei, nenhu¬ma resposta satisfez plenamente.

         Restava um único homem, em todo o território, que se recusava a falar. Ele guardava silêncio e distância, porque não lhe interessavam honrarias e fortunas. Era um ancião com fama de sábio. Emissários do rei foram enviados a ele para colher a sua opinião. E, do alto da sua sabedoria o velho falou:

         - O lugar mais importante do mundo é aquele que você está.

         - A tarefa mais importante não é aquela que você desejaria executar, mas aquela que você deve fazer.

         - E o homem mais importante do mundo é aquele que precisa de você, porque é ele que lhe possibilita exercitar a mais bela das virtudes: a caridade.

         O rei bateu palmas, agradecido e feliz. Encontrara, afinal um sentido, para sua vida, uma razão de ser para seus últimos dias de existência.

         Quanta sabedoria em três breves respostas. O lugar onde moro, vivo, cresço, trabalho e atuo é o mais importante do mundo. Lá devo ser útil, prestimoso e amigo.

         A tarefa mais importante... Talvez o seu e o meu trabalho não sejam os mais agradáveis e bem remunerados do mundo. Cabe-nos exercê-lo com seriedade e amor, buscando cumprir nosso dever. Se não temos sempre o que amamos, devemos amar o que temos. A mínima tarefa é importante. Se nós falharmos, se nós nos omitirmos, ninguém executará a missão em nosso lugar. E ficará um vazio no mundo e na história.

         Tudo passa, tudo envelhece e morre. Só não passa a bondade que você planta, o amor que você reparte, a alegria que você irradia. É por isso que o outro é tão importante em nossa existência, em nossa vida diária.

         Para a flor, o essencial não é o jardim, o vaso da sala, o canteiro, o local onde se encontra. O importante é que ela floresça, perfumando caminhos e alegrando corações.

Autor desconhecido

         Sétimo momento: dialogar acerca da história, questionando as atitudes dos personagens.

         Obs.: os questionamentos abaixo poderão ser distribuídos em formas de perguntas ou afirmativas, para que sejam trabalhadas em grupos e, posteriormente, debatidas/refletidas em um grande grupo, que poderá ser formada em círculo.

         * Vocês já pararam para pensar que, se perdermos alguém de nossa família sentiremos essa perda para o resto de nossas vidas? Pensemos neles, porque geralmente priorizamos mais aos nossos interesses pessoais que a nossa família. Será que não é uma inversão pouco inteligente? Nós raramente paramos para pensar nisso.
     
  * Às vezes colocamos nosso esforço em coisas muito menos importantes que nossa família, que as
pessoas que nos amam, e não nos damos conta do que realmente estamos perdendo. Perdemos o tempo de sermos carinhosos, de dizer um "Eu te amo", de dizer um "Obrigado", de dar um sorriso, ou de dizer o quanto cada pessoa é importante para nós.

         * Muitas vezes agimos rudemente, e não percebemos o quanto isso machuca os nossos entes queridos.

Sejamos atenciosos com nossa família procurando sempre manter a harmonia. Por isso, é importante valorizar sua família, priorizando o convívio familiar.

         Oitavo momento: concluir que:

        * A oportunidade de estarmos inseridos em um determinado grupo familiar é uma benção que nos é oferecida pelo Pai Criador.

         * Os laços familiares que hoje nos envolvem são aqueles que são necessários ao nosso crescimento e desenvolvimento moral e espiritual.

         * As dificuldades de relacionamentos, tão estranhas e inaceitáveis aos olhos do mundo, podem ter causa em fatos pretéritos que escapam às nossas lembranças.

         * Os familiares difíceis de hoje podem ser cúmplices ou vítimas de nosso passado equivocado. Podemos ter sido seus algozes ou aqueles que, pensando agir por amor, fizemos algo para lhes desviar do bom caminho.

Também pode ser Espíritos, irmãos nossos, que nos oferecemos para auxiliar a evoluírem nesta existência.

         * Encontramo-nos hoje em nosso grupo familiar não por obra do acaso. Em tudo há sempre a mão e a autorização de Deus.

         * Nossa família é uma nova chance de resgate e de reparação. Importante fazer a parte que nos cabe, nessa nobre tarefa que é viver em família. Sejamos dignos, honrando os compromissos que assumimos perante Deus.

         * Não importa se vivemos com pai e mãe, apenas com a mãe, ou pai, ou tutor, ou responsável, (tios, avós, madrinhas, padrinhos... cite todos os exemplos de sua sala, são importantes para os evangelizandos saberem que estão inseridos em algum grupo). As pessoas responsáveis pela nossa educação, que nos amam, que nos amparam, são consideradas a nossa família, porque nos auxiliam a evoluir.

         Nono momento: o evangelizador deverá escrever a palavra F A M I L Y verticalmente no quadro e perguntar aos evangelizandos se alguém sabe o seu significado.

         Resposta: Father And Mother I Love You - (Papai e Mamãe, eu Amo Vocês).

         Décimo momento - perguntar:

         * Quais são as atitudes que devem ser praticadas em todas as famílias, para que elas sejam mais harmoniosas, saudáveis e felizes? Anotar as respostas no quadro. Exemplos: paciência, amizade, paz, carinho, bom humor, perdão, compreensão, união, respeito, caridade, amor, tolerância, alegria, solidariedade, colaboração.

         * Como Seria a Família dos Seus Sonhos? É importante que os evangelizandos justifiquem a resposta, levando-os a refletirem sobre o assunto).

         Ao final, lembrar que, devido ao amor do Pai Maior, estamos na família adequada ao nosso crescimento espiritual. E que devemos aprender a amar nossos familiares, respeitando-os e convivendo em harmonia com todos.

         Obs.: este é o momento que o evangelizador, usando de sua sensibilidade, poderá conhecer um pouquinho sobre a intimidade dos evangelizandos, e desta forma ajudá-los com esclarecimentos que se façam necessários, ou fazer anotações, para que, posteriormente, em momentos oportunos, possa preparar aulas com temas apropriados às necessidades apresentadas pelos evangelizandos.

         Prece de encerramento


Responsabilidade: Grupo Espírita Seara do Mestre
Organização/correção: Claudia Schmidt
Preserve os direitos autorais