Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 10 de junho de 2015

CENTRO DE ORIENTAÇÃO E  EDUCAÇÃO MEDIÚNICA


CURSO DE ORIENTAÇÃO E EDUCAÇÃO MEDIÚNICA  COEM II

SOCIEDADE ESPÍRITA 26-33

2a. PARTE - RESUMOS DAS UNIDADES

UNIDADE PRÁTICA 16 - PSICOGRAFIA E PSICOFONIA MECANISMOS ENVOLVIDOS

ROTEIRO

* Mecanismo geral da mediunidade

* Afinidade e sintonia

* Atmosfera fluido espiritual comum

* Captação e assimilação

* Atuação do espíritos formas

* Ambiente e condições D-103; DI-99; EPA-118; EM-53; M-37; MEM-21
LM-152,178,191; OP-64; CI-345; FI-105

A psicografia e a psicofonia obedecem ao mecanismo geral da mediunidade de efeitos inteligentes, não se diferenciando destas em nenhum aspecto.

O fenômeno mediúnico necessita obrigatoriamente de um médium, ou seja, um encarnado com a faculdade de propiciar a comunicação mediúnica, de um espírito que vá transmitir sua comunicação e das variáveis ambientais favoráveis à comunicação, além da permissão da espiritualidade superior para que a comunicação ocorra.

É evidente que a vontade do médium e do espírito em participar do processo de comunicação é fundamental, pois nenhuma das duas partes pode ser obrigada a tal.

Para que o fenômeno se processe com agilidade e facilidade, muitas vezes o espírito comunicante é colocado em contato com o médium antecipadamente, durante o sono, para que possa haver melhor afinidade fluídica.

No momento da comunicação, o médium, devidamente concentrado, expande seu perispírito, suas vibrações energéticas, o mesmo ocorrendo com o espírito comunicante. Estando próximos, os perispíritos de médium e de espíritos de interpenetram, misturando suas energias e vibrações, constituindo o que se denomina de atmosfera fluídico-espiritual comum.

Através da atmosfera fluídico-espiritual comum, que constitui uma verdadeira ponte entre espírito e médium, é que o desejo, a vontade e a mensagem do espírito flui até o médium.

No caso específico da psicografia e da psicofonia intuitiva, o espírito faz chegar até o consciente do médium suas idéias, pensamentos e sentimentos na forma de impressões que o médium, em plena consciência de seus sentidos, capta e traduz na forma de uma mensagem aquilo que percebeu e entendeu.

Na psicografia semi-mecânica e na psicofonia consciente, o espírito faz um acesso mais direto aos centros nervosos que controlam a escrita e a fala, mas também faz passar pelo consciente do médium seus pensamentos. Assim sendo, o médium mantém plena consciência da comunicação, em seu teor, mas sente um impulso na mão na psicografia, ou a formação de palavras no seu sistema fonador.

Na psicografia mecânica, o espírito controla diretamente os centros nervosos que possibilitam a escrita, conduzindo a mão do médium, sem que o conteúdo da mensagem passe pelo consciente do médium, que no entanto, está ativo e presente. Na psicofonia inconsciente, o espírito comunicante faz um acesso intenso aos núcleos responsáveis pela fala, sem utilizar o consciente do médium, que fica num estado de dormência, embora seu espírito fique ativo e vigilante, participando ativamente do processo. Terminada a comunicação, o médium não se lembrará do conteúdo da mensagem.

É preciso lembrar que as condições de preparo do médium, a organização do grupo mediúnico, a harmonização de pensamentos e vibrações, a disciplina, a seriedade e o amor ao próximo são condições ambientais indispensáveis para que os fenômenos mediúnicos possam ocorrer.



LUCAS DE ALMEIDA MAGALHÃES
CENTRO ESPÍRITA LUZ ETERNA  CELE
Avenida Desembargador Hugo Simas, 137 Bom Retiro
80520-250  Curitiba  Paraná  Brasil
www.cele.org.br cele@cele.org.br
REDAÇÃO: Equipe do CELE