Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 8 de abril de 2015

11 CARÁTER DA REVELAÇÃO ESPÍRITA (XII)
OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES SEGUNDO O ESPIRITISMO
 Pelos raciocínios desenvolvidos até agora, nesta seqüência de estudos sobre o caráter da revelação espírita, pode-se depreender que os conhecimentos fundamentais da Lei Divina ou Natural, foram revelados por Deus à humanidade, em três oportunidades distintas. Primeiramente, Deus revela ao homem sua Justiça que não vacila nem erra, cujos princípios estão elencados no Decálogo, base insuperável para toda religião. Com a implantação do sentido de Sua Justiça, revela Deus ao homem através do Evangelho o Amor que rege e sustenta o Universo, e faz com que os homens compreendam que são todos irmãos e filhos Dele, Pai de infinita justiça e bondade. Com o advento do Espiritismo, após o progresso intelectual da humanidade, pelo desenvolvimento da Ciência e o aumento das luzes do pensamento filosófico, revela Deus toda a verdade de Sua Lei, que agora os homens podem compreender, sem embargo.  
 Há que se compreender, no entanto, que se a primeira revelação teve sua personificação em Moisés, a segunda no Cristo, a terceira não a tem em indivíduo algum. As duas primeiras foram individuais, a terceira é coletiva; aí está um caráter essencial de grande importância. Ela é coletiva no sentido de não ser feita ou dada como privilégio de pessoa alguma: ninguém, por conseqüência, pode dizer-se seu profeta exclusivo; foi espalhada, simultaneamente, por sobre a Terra, a milhões de pessoas, de todas as idades e condições, desde a mais baixa até a mais alta escala, conforme havia previsto o autor dos Atos dos Apóstolos: "Nos últimos tempos, disse o Senhor, derramarei o meu espírito sobre toda a carne; os vossos filhos e filhas profetizarão, os mancebos terão visões, e os velhos, sonhos" (Atos, cap.II, vv.17, 18). Ela não proveio de nenhum culto especial, a fim de servir um dia, a todos, de ponto de ligação.    
As duas primeiras revelações, por serem fruto do ensino pessoal, ficaram, forçosamente localizadas, isto é, apareceram num só ponto, em torno do qual a idéia se propagou pouco a pouco; Dessa forma, foram precisos muitos séculos para que atingissem as extremidades do mundo, sem mesmo o invadirem, inteiramente. A terceira tem isto de particular: não estando personificada em um só indivíduo, surgiu, simultaneamente em milhares de pontos diferentes que se tornaram centros e focos de irradiação. Multiplicando-se esses centros, seus raios se reúnem pouco a pouco, de tal forma que em dado tempo, acabarão por cobrir toda a superfície do globo. Essa é uma das causas da rápida propagação da Doutrina. Se ela tivesse surgido num só ponto, se fosse obra exclusiva de um homem teria formado seitas em torno dela; e talvez decorresse muito tempo sem que ela atingisse os limites do país onde começou, ao passo que após dez anos, como comprova a sua história, já havia estendido raízes de um polo ao outro, o que é mantido até hoje.  
Esta circunstância, sem par, na história das doutrinas, lhe dá força excepcional e irresistível poder de ação. De fato, se a perseguem, num ponto, em determinado país, será materialmente impossível que a persigam em toda parte e em todos os países. Em contraposição, a um lugar em que lhe embaracem a marcha, haverá mil outros em que florescerá, sempre, como agora floresce. Ainda mais, se a ferirem, num indivíduo, não poderão feri-la nos Espíritos, que são a fonte de onde ela promana. Ora, como os Espíritos estão em toda parte e existirão sempre, se, por um acaso impossível, conseguissem sufocá-la em todo o globo, ela reapareceria pouco tempo depois, porque repousa sobre um fato que está na Natureza e não se podem suprimir as leis da Natureza. Eis aí o de que se devem persuadir os que sonham com o aniquilamento do Espiritismo."    
Estas considerações de profunda lógica e bom senso foram feitas por Allan Kardec, na Revue Espirite de Fev. de 1865, pag. 38, sob o título de "Perpetuidade do Espiritismo"             Hoje, decorridos mais de um século, exatamente 137 anos, podemos, constatar, a incontestável verdade nelas contidas, com o desenvolvimento do progresso científico e a evolução do pensamento religioso a par do florescimento e difusão dos Espiritismo por toda a Terra.
Denizart Castaldeli
Julho / 2002