Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 29 de abril de 2015

7 - ESBOÇO DE "O LIVRO DOS ESPÍRITOS" E SUAS DIFERENTES PARTES.

1-4

ÍNDICE

Objetivo Da Aula

Reflexão

Bibliografia Principal

Bibliografia Complementar

Entendendo o Espiritismo

O LIVRO DOS ESPÍRITOS E O PENTATEUCO KARDEQUIANO

Questionário

A ESTRUTURA DIDÁTICA GERAL

Que Ordem, Que Distribuição É Essa?

Qual Foi A Participação De Kardec Em O Livro Dos Espíritos?

A Introdução

Os Prolegômenos

A Parte Primeira - Das Causas Primárias

A Parte Segunda - Do Mundo Espírita Ou Mundo Dos Espíritos

A Parte Terceira - Das Leis Morais

A Parte Quarta - Das Esperanças E Consolações

A Conclusão

O Livro Dos Espíritos, Sua Capa E Suas Edições

A Capa

Quanta Informação Pode Conter Uma Simples Capa?

AS EDIÇÕES

Primeira Edição (Original)

Segunda Edição (Definitiva)

Quinta Edição (Errata)

Décima Terceira Edição (Atual)

O Livro Dos Espíritos Contém

Reflexões

Allan Kardec Se Equivocou Alguma Vez?

Que Método Utilizou Para Evitar Equívocos?

E Se O Espiritismo Estiver Ainda Equivocado Em Algum Ponto?

Plano de Ideias nº 01

OBJETIVO DA AULA

Relatar aos alunos que O Livro dos Espíritos é a espinha dorsal do Espiritismo.

Dar as bases do Espiritismo sobre o tripé: Religião - Moral; Ciência - Comprovação; e Filosofia - Proposição para a nossa evolução.

REFLEXÃO

Qual a influência do consolador prometido em sua vida?

BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL

O Evangelho Segundo o Espiritismo  (Allan Kardec) Capitulo

O Livro dos Espíritos  (Allan Kardec) Questões

Entendendo o Espiritismo (Español) –

ENTENDENDO O ESPIRITISMO

O LIVRO DOS ESPÍRITOS E O PENTATEUCO KARDEQUIANO

Nome da Obra                        Data da Publicação

O Livro dos Espíritos          18 de abril de 1857

O Livro dos Médiuns          15 de janeiro de 1861

O Evangelho Segundo o Espiritismo    20 de abril de 1864

O Céu e o Inferno                  01 de agosto de 1865

A Gênese                               06 de janeiro de 1868

Questionário

1) Comente: Podemos dizer que o Espiritismo é o Consolador Prometido por Jesus? Por quê?

2) Comente a relação entre os livros: O Evangelho Segundo o Espiritismo e  O Céu e o Inferno  com  O Livro dos Espíritos.

3) Comente a finalidade da obra: O Livro dos Espíritos.

4) Por ser O Livro dos Espíritos a obra básica da Doutrina Espírita não há então necessidade de se estudar  os outros livros? Comente.

A ESTRUTURA DIDÁTICA GERAL

ALLAN KARDEC

* Professor altamente conceituado (emérito) na Europa

* Discípulo de Pestalozzi, considerado por muitos o pai da pedagogia moderna

Levou às suas obras uma estrutura didática própria

Que Ordem, Que Distribuição É Essa?

Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam que não podem ser explicados pelas leis conhecidas: ele os
observa, compara, analisa, e, remontando dos efeitos às causas, chega à conclusão, depois, deduz-lhes as consequências e busca as aplicações úteis. (Allan Kardec em A Genese - Capitulo 1, item 14)

QUAL FOI A PARTICIPAÇÃO DE KARDEC EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS?

Só a ordem e a distribuição metódica das matérias, assim como as notas e a forma de algumas partes da redação constituem obra daquele que recebeu a missão de os publicar. (Allan Kardec em OLE: Prolegômenos)

  * Introdução e Prolegômenos

  * Parte primeira: das causas primárias

  * Parte segunda: do mundo espírita ou dos Espíritos

  * Parte terceira: das leis morais

  * Parte quarta: das esperanças e consolações

  * Conclusão

A INTRODUÇÃO

* Não é uma introdução ao livro, mas uma introdução ao estudo da Doutrina Espírita.

* Objetivo:

* Apresentar refutações às explicações não espíritas para os fenômenos mediúnicos da Europa do século XIX

* Construção pedagógica:

* Importância de nomenclatura adequada para fenômenos novos (I) à definir termos para evitar ou minimizar a anfibologia

* Definição de alma (II) à evitar confusões sobre a causa dos fenômenos e base da argumentação espírita

* Análise dos fenômenos (III a V) à identificação dos fatos que deram origem aos diversos sistemas analisados  fonte das controvérsias entre as explicações

* Explicação espírita (VI) à oferece resumo da Doutrina Espírita para servir de base de comparação com os demais sistemas.

* Limites da Ciência e ciência espírita (VII e VIII) à mostra que, a Ciência não possui ferramentas para analisar os fatos espíritas e mostra a necessidade de ciência nova

* Sistema do charlatanismo   fraude (IX) à analisa o sistema que contesta a veracidade dos fenômenos e a boa fé dos médiuns

* Sistema que contesta a linguagem e a identidade dos Espíritos (X a XIV) à analisa as refutações  quanto à identidade dos Espíritos, caligrafia, estilo, superioridade da linguagem, etc.

* Sistema da loucura (XV)

* Sistemas da comunicação da alma do médium (animismo) e da alma coletiva (XVI) à refuta tais sistemas pela generalidade dos fatos que são incapazes de explicar, embora os considere sérios

* Conclusões sobre sistemas (XVII)

Vós, que negais a existência dos Espíritos, preenchei o vácuo que eles ocupam. E vós, que rides deles, ousai rir das obras de Deus e da Sua onipotência! (Allan Kardec em OLE: Introdução XVII)

4 Exploração da credulidade pública; atitude própria de charlatão.

5 Ato ou efeito de refutar, de rebater com êxito feliz os argumentos do adversário, apresentando provas convincentes. Razões alegadas para recusar um argumento. Prova que destrói uma alegação.