Pesquisar este blog

Páginas

segunda-feira, 27 de abril de 2015

13 - CENTRO DE ORIENTAÇÃO
E
EDUCAÇÃO MEDIÚNICA

3-30

CURSO DE ORIENTAÇÃO E EDUCAÇÃO MEDIÚNICA  COEM II

SOCIEDADE ESPÍRITA

2a. PARTE - RESUMOS DAS UNIDADES

UNIDADE TEÓRICA 03 - INTERFERÊNCIA ESPIRITUAL

ROTEIRO

INTERFERÊNCIA ESPIRITUAL LE-456 a 458

LEI DE SINTONIA NI-VIII

INFLUÊNCIA BENIGNA E MALIGNA LE-459 a 472

AÇÕES ESPECÍFICAS DE ESPÍRITOS JUNTO AOS HOMENS LE-525 a 534

INTERFERÊNCIA ESPIRITUAL

A interferência dos Espíritos nos acontecimentos da vida é fato conhecido desde a mais remota antiguidade. Povos selvagens isolados, quando descobertos, revelaram suas crenças nos Espíritos aos quais adoravam através das mais variadas e, às vezes, bizarras formas de culto. Dentro da própria história é comum encontrarmos narrativas sobre a interferência espiritual de forma inequívoca. Na Índia, na Pérsia, na Mesopotâmia, no Egito e na própria Grécia, berço da filosofia, onde encontramos a figura singular de Sócrates a ouvir, desde menino, a voz do seu daimon (gênio).

Na França medieval Joana DArc, jovem camponesa, ouvindo vozes chegou a orientar com sucesso o exército de seu país na Guerra dos Cem Anos contra a Inglaterra.

Foi com o advento do Espiritismo, sobretudo, que esse fenômeno passou a ser estudado com maior profundidade, partindo-se da observação dos fatos através do método racional.

Pelos fatos foi que chegamos à teoria. É certo que, para isso, tivemos de nos consagrar a assíduo trabalho durante muitos anos e de fazer milhares de observações... (Allan Kardec, LM, Introdução).

LEI DE SINTONIA

Estudada em várias obras espíritas, a lei de sintonia explica a possibilidade da ocorrência da interferência espiritual.

A lei das atrações e correspondências rege todas as coisas; as vibrações, atraindo vibrações similares, aproximam e vinculam as almas, os corações, os pensamentos... Sabemos que tudo vibra e irradia no Universo porque tudo é força, luz e vida...

Tal é o princípio da evolução; reside na capacidade que possui o indivíduo de assimilar as forças misteriosas da natureza para se elevar, mediante o seu auxílio e ascender gradualmente até à causa das causas, à fonte inexaurível de que procede toda a vida.(Leon Denis, NI, cap. VIII).

Quanto mais investiga a natureza, mais se convence o homem de que vive num reino de ondas transformadas em luz, eletricidade, calor ou matéria, segundo o padrão vibratório em que se exprimam. Existem, no entanto, outras manifestações da luz, da eletricidade, do calor e da matéria, desconhecidas nas faixas da evolução humana, das quais, por enquanto, somente poderemos recolher informações pelas vias do Espírito.(André Luiz, MM, pág.19, 4a. edição).

INFLUÊNCIA BENIGNA E MALIGNA

AÇÕES ESPECÍFICAS DE ESPÍRITOS JUNTO AO HOMEM

Em O Livro dos Espíritos, Allan Kardec dedica o capítulo IX da Segunda Parte ao estudo da intervenção dos Espíritos no mundo corporal, leitura à qual remetemos o leitor, citando neste resumo apenas algumas questões que julgamos de vital importância para o propósito que pretendemos atingir, fazendo uma conexão com a lei de sintonia atrás nomeada. Na questão 457, Kardec indaga aos Espíritos:

Podem os Espíritos conhecer os nossos mais secretos pensamentos?

Muitas vezes chegam a conhecer o que desejaríeis ocultar a vós mesmos. Nem atos, nem pensamentos se lhes podem dissimular.

Como influência benigna poderíamos citar a ação dos Espíritos protetores, familiares ou simpáticos, em especial nosso Espírito protetor, como vemos na questão 491:

Qual a missão do Espírito protetor?

A de um pai com relação aos filhos; a de guiar o seu protegido, pela senda do bem, auxiliá-lo com seus conselhos, consolá-lo nas aflições, levantar-lhe o ânimo nas provas da vida.

Pelos nossos pensamentos e atitudes poderemos nos ligar a Espíritos ainda presos ao mal, sofrendo as conseqüências negativas dessa ligação. Na questão 466, Kardec pergunta:

Por que permite Deus que Espíritos nos excitem ao mal?

Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a pôr em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem. Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito.

Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem.

A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo...

Mas outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.

Especialmente na prática da mediunidade, encontramos a dificuldade da obsessão em suas variadas formas.

Entre os escolhos que apresenta a prática do Espiritismo, cumpre se coloque na primeira linha a obsessão, isto é, domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas. Nunca é praticada senão pelos Espíritos inferiores, que procuram dominar. (Allan Kardec, LM, cap. XXIII).

Por ser um assunto complexo e de externa importância em nossa vida e especialmente na prática da mediunidades, a obsessão será melhor estudada em outras aulas deste curso.



LUCAS DE ALMEIDA MAGALHÃES
CENTRO ESPÍRITA LUZ ETERNA  CELE
Avenida Desembargador Hugo Simas, 137 Bom Retiro
80520-250  Curitiba  Paraná  Brasil
www.cele.org.br cele@cele.org.br
REDAÇÃO: Equipe do CELE