Pesquisar este blog

Páginas

sábado, 4 de abril de 2015

4-22 UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA
ÁREA DE ORIENTAÇÃO MEDIÚNICA
Dirigente Reunião Mediúnica

4.3 A PRÁTICA MEDIÚNICA

Todas as imperfeições morais são tantas outras portas abertas ao acesso dos maus Espíritos. A que, porém, eles exploram com mais habilidade é o orgulho, porque é a que a criatura menos confessa a si mesma. O orgulho tem perdido muitos médiuns dotados das mais belas faculdades e que, se não fora essa imperfeição, teriam podido tornar-se instrumentos notáveis e muito úteis [...]. O prestígio dos grandes nomes, com que se adornam os Espíritos tidos por seus protetores os deslumbra e, como neles o amor-próprio sofreria, se houvessem de confessar que são ludibriados, repelem todo e qualquer conselho [...]. Aborrecem-se com a menor contradita, com uma simples observação crítica e vão às vezes ao ponto de tomar ódio às próprias pessoas que lhes têm prestado serviço. [...] Devemos também convir em que, muitas vezes, o orgulho é despertado no médium pelos que o cercam. O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. 20 item 228.
Sob critérios definidos pela direção da Casa Espírita, em trabalho conjunto com o responsável pela área da atividade mediúnica, pode ser organizado um grupo mediúnico com a finalidade de auxiliar os principiantes nas fases iniciais do seu aprendizado prático, desde que dirigido por pessoa experiente, e tenha a participação de um ou mais médiuns experientes.
Nunca é demais recordar que prática mediúnica deve, necessariamente, ser precedida de cursos regulares, teóricos e práticos, fundamentais à formação do futuro trabalhador da mediunidade.
O médium tem obrigação de estudar muito, observar intensamente e trabalhar em todos os instantes pela sua própria iluminação. Somente desse modo poderá habilitar-se para o desempenho da tarefa que lhe foi confiada, cooperando eficazmente com os Espíritos sinceros e devotados ao bem e a verdade. O Consolador, questão 392.
No período inicial do exercício mediúnico, o aprendiz deve desenvolver a capacidade de auxiliar, com equilíbrio e controle, Espíritos que sofrem, os quais, embora se apresentem na condição de enfermos, necessitam de esclarecimentos, uma vez que ainda não se acham bem adaptados à vida na erraticidade. O tempo destinado ao desenvolvimento e à educação da faculdade mediúnica não é o mesmo para cada médium, mas depende do esforço e das  possibilidades de cada um.
Os Espíritos comunicantes que demonstram graves perturbações são, usualmente, encaminhados pelos benfeitores espirituais aos grupos mediúnicos onde a equipe revela possuir melhores condições de atendimento e auxílio. Nessas reuniões há maior homogeneidade de conhecimento espírita-evangélico e de união de sentimentos e pensamentos. São grupos constituídos por um número reduzido de participantes, mas que revelam experiência e habilidade no trato com os Espíritos seriamente desarmonizados, daí não ser permitida a participação de aprendizes de espiritismo e de mediunidade.
A prática mediúnica, realizada nessas condições, favorece: a) o atendimento aos Espíritos portadores de graves desequilíbrios, endurecidos, perseguidores etc.; b) a freqüente manifestação dos benfeitores e orientadores da Vida Maior; c) a defesa da Instituição Espírita.
Os integrantes mais experientes desse tipo de reunião mediúnica aprenderam a neutralizar ou amenizar o impacto das influências espirituais perturbadoras, adotando comportamentos de conduta reta, ordeira e moralizadora, além de atualização doutrinária, assim especificados:
* Controle das emissões mentais, sentimentos e ações inferiores, por efeito da vontade sabiamente administrada.
* Aperfeiçoamento do conhecimento espírita pela participação em cursos, encontros, seminários e estudo de obras espíritas.
* Adoção do hábito da oração e da meditação.
* Integração em serviço de auxílio ao próximo, exercitando, assim, a prática da caridade.
* Empenho de combate às imperfeições, de acordo com os preceitos do Evangelho e das orientações espíritas, tendo como guia esta instrução de Paulo, o apóstolo:
 Esforçai-vos, pois, para que os vossos irmãos, observando-vos, sejam induzidos a reconhecer que o verdadeiro espírita e o verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, dado que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus, sem embargo da seita a que pertençam. Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. 15, item 10.

5. A Equipe Mediúnica

No entanto, cada um tem de Deus o seu próprio dom.  1 Corintios, 7:7

5.1 CONDIÇÕES DOS CANDIDATOS À PRÁTICA MEDIÚNICA
* Instrução teórica básica
Entende-se por Instrução Teórica Básica o conhecimento doutrinário espírita adquirido pelo integrante do grupo mediúnico em cursos, regulares e sistematizados de espiritismo e de mediunidade. É relevante que todos os participantes da reunião possuam base doutrinária espírita relacionada às atividades mediúnicas.
Na possibilidade de participantes de cursos de mediunidade apresentarem faculdade mediúnica aflorada, deverão ser encaminhados ao setor ou pessoa responsável da Casa Espírita indicados para atendê-los. Esta medida é importante porque nem sempre é possível o monitor do Curso avaliar a situação com a profundidade requerida ou com isenção de ânimo necessária.
Nessa situação, cada caso será analisado com fraternidade, bom senso e prudência, ponderando se a pessoa deve, efetivamente, participar de um grupo mediúnico, paralelamente aos estudos que realiza. É imprudência estimular a prática mediúnica em pessoas que revelem algum tipo de imaturidade, doutrinária, emocional, psicológica etc.
Os participantes dos cursos que revelem dificuldades espirituais significativas, impeditivas de assimilação de conteúdos doutrinários, deverão ser afastados do estudo, temporariamente, e encaminhados ao serviço de atendimento espiritual da Casa Espírita para serem auxiliados.
 Participantes analfabetos ou com nível de instrução reduzida, ou ainda, os portadores de deficiência visual, auditiva etc., farão o curso com os demais, porém lhes será prestada atenção especial, de modo a compensar-lhes as dificuldades inerentes às limitações que apresentam.

5.2 CONDIÇÕES DOS INTEGRANTES DA  EQUIPE MEDIÚNICA
* Capacitação continuada
É de fundamental importância que o trabalhador do grupo mediúnico esteja integrado em outra atividade da Casa Espírita e que revele possuir conhecimento espírita adquirido nos cursos regulares de estudo do espiritismo e da mediunidade. Por exemplo: Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita e Estudo e Educação da Mediunidade. O estudo e a fixação do ensino espírita colocam-nos em condições de mais amplo discernimento da vida, dos homens e dos Espíritos. Mediunidade e Evolução, cap. 7.
Concluídos esses estudos regulares, é importante verificar se o candidato à prática mediúnica integra uma ou mais atividade da Casa Espírita, antes de ter acesso às reuniões mediúnicas. Para tanto, é necessário que ele:
* conheça as principais atividades da Casa Espírita;
* esteja integrado em serviços que lhe proporcionem a devida compreensão da atividade mediúnica: assistência espiritual -  que compreende o atendimento fraterno pelo diálogo, passes, serviço de visitas a enfermos, evangelho no lar ,  assistência e promoção social e outros;
* freqüente  uma ou mais palestras evangélico-doutrinárias;
* realize a reunião do Evangelho no lar, a sós  quando a família não aceita esta prática , ou em companhia de familiares e afins;
* utilize o serviço de atendimento espiritual e de passe da Casa Espírita sempre que se sentir desarmonizado;
* participe de seminários ou cursos relacionados à atividade mediúnica;
* revele disposição para estudar, de forma contínua e sistematizada, obras espíritas que lhe auxiliem a realização da tarefa;
* manifeste vontade de fazer parte de um grupo mediúnico. Nesta situação, a manifestação voluntária do candidato necessita da aprovação do setor competente da Casa Espírita.
Já se disse que duas asas conduzirão o espírito humano à presença de Deus. Uma chama-se Amor, a outra, Sabedoria. Pelo amor, que, acima de tudo, é serviço aos semelhantes, a criatura se ilumina e aformoseia por dentro, emitindo, em favor dos outros, o reflexo de suas próprias virtudes; e, pela sabedoria, que começa na aquisição do conhecimento, recolhe a influência dos vanguardeiros do progresso, que lhe comunicam os reflexos da própria grandeza, impelindo-a para o Alto. [...] Todos temos necessidade de instrução e de amor. Estudar e servir são rotas inevitáveis na obra de elevação. [...] Conhecer é patrocinar a libertação de nós mesmos, colocando-nos a caminho de novos horizontes na vida. Corre-nos, pois, o dever de estudar sempre, escolhendo o melhor para que as nossas idéias e exemplos reflitam as idéias e os exemplos dos paladinos da luz. Pensamento e Vida, cap. 4.

6. Atribuições dos Integrantes da Equipe Mediúnica
Levai, pois, uma vida de autodomínio e de sobriedade, dedicada à oração. Acima de tudo, cultivai, com todo ardor, o amor mútuo, porque o amor cobre uma multidão de pecados. 1Pedro, 4:7- 8